Co­mo a me­di­ta­ção fun­ci­o­na

Não há mais dú­vi­das: me­di­tar traz di­ver­sos be­ne­fí­ci­os pa­ra a saú­de e aju­da no tra­ta­men­to da de­pres­são

Coleção Almanaque da Saúde - - INDICE -

AIMAGEM QUE VEM À CA­BE­ÇA de mui­ta gen­te quan­do o as­sun­to é me­di­ta­ção é uma pes­soa sen­ta­da, de per­nas cru­za­das, olhos fe­cha­dos e, o mais im­por­tan­te: ten­tan­do afas­tar to­dos os pen­sa­men­tos da ca­be­ça. A ver­da­de é que es­sa é só uma das téc­ni­cas de me­di­ta­ção pos­sí­veis. Exis­tem di­fe­ren­tes ti­pos e, as­sim co­mo uma te­ra­pia com­ple­men­tar, é pos­sí­vel es­co­lher aque­le que mais se adap­ta ao es­ti­lo de ca­da um.

BE­NE­FÍ­CI­OS COMPROVADOS

Uma re­vi­são de es­tu­dos da Uni­ver­si­da­de Johns Hopkins, nos Es­ta­dos Uni­dos, mos­trou que me­di­tar du­ran­te 30 mi­nu­tos to­dos os di­as aju­da a ali­vi­ar sin­to­mas da an­si­e­da­de, de­pres­são e do­res crô­ni­cas. “As neu­ro­ci­ên­ci­as e as pesquisas ci­en­tí­fi­cas têm

“Ho­je, a neu­ro­ci­ên­cia afir­ma que a me­di­ta­ção atua nos sis­te­mas psi­co­ló­gi­co, neu­ro­ló­gi­co, imu­no­ló­gi­co e en­dó­cri­no. Vá­ri­os hos­pi­tais uti­li­zam es­sa téc­ni­ca em pa­ci­en­tes com do­en­ças au­toi­mu­nes e de­ge­ne­ra­ti­vas, ha­ven­do uma res­pos­ta bas­tan­te po­si­ti­va”. Na­ra Lou­za­da, te­ra­peu­ta com­por­ta­men­tal

com­pro­va­do di­ver­sos be­ne­fí­ci­os da me­di­ta­ção, co­mo au­to­co­nhe­ci­men­to e mai­or cons­ci­ên­cia cor­po­ral, re­du­ção dos efei­tos do es­tres­se, au­men­to da imu­ni­da­de, mai­or re­la­xa­men­to e qua­li­da­de do so­no. Há, in­clu­si­ve, mu­dan­ças es­tru­tu­rais no cé­re­bro, de­mons­tra­das por ima­gens de res­so­nân­cia mag­né­ti­ca, com o au­men­to de mas­sa cin­zen­ta em al­gu­mas re­giões”, com­ple­men­ta a ins­tru­to­ra de me­di­ta­ção Ma­ri­na Neu­mann.

CO­MO PRA­TI­CAR?

Se­pa­rar 30 mi­nu­tos to­dos os di­as po­de pa­re­cer di­fí­cil em um pri­mei­ro mo­men­to, mas é im­por­tan­te lem­brar que, di­a­ri­a­men­te, é ne­ces­sá­rio ter o tem­po de cui­dar de nós mes­mos – is­so não sig­ni­fi­ca fa­zer os ser­vi­ços de ca­sa, cui­dar dos fi­lhos ou pla­ne­jar o dia se­guin­te, e sim fa­zer aqui­lo de que gos­ta e que

pro­por­ci­o­ne pra­zer. Po­rém, no início do apren­di­za­do, bas­tam cin­co mi­nu­ti­nhos de prá­ti­ca pa­ra co­me­çar a sen­tir os be­ne­fí­ci­os. Apren­der a me­di­tar de­man­da tem­po e de­di­ca­ção e o pro­ces­so po­de se tor­nar mais fá­cil com a aju­da de pro­fis­si­o­nais es­pe­ci­a­li­za­dos. É pos­sí­vel apren­der em au­las de io­ga, com a psi­co­te­ra­pia ou com ins­tru­to­res de me­di­ta­ção. Se qui­ser ten­tar so­zi­nho, bus­que apli­ca­ti­vos de smartpho­ne e ta­blet que ori­en­tam a prá­ti­ca. O mais im­por­tan­te de tu­do é respeitar seu rit­mo: pa­ra al­gu­mas pes­so­as, cin­co mi­nu­tos não se­rão su­fi­ci­en­tes pa­ra ob­ter a sen­sa­ção de re­la­xa­men­to, e o ide­al é es­ten­der es­se tem­po pa­ra 20 ou 30 mi­nu­tos. Con­tu­do, não se obri­gue a ficar mui­to tem­po me­di­tan­do, e sim a en­con­trar al­guns mi­nu­ti­nhos do dia pa­ra fa­zer uma pau­sa.

PA­RA PO­DER CO­ME­ÇAR

En­con­tre um lu­gar cal­mo, com uma tem­pe­ra­tu­ra ade­qua­da e si­len­ci­o­so. Cer­ti­fi­que-se de que não se­rá in­ter­rom­pi­do: co­lo­que o ce­lu­lar no mu­do, des­li­gue os apa­re­lhos ele­trô­ni­cos. Se qui­ser, apos­te em um aro­ma re­la­xan­te (a aro­ma­te­ra­pia, aliás, é uma das te­ra­pi­as com­ple­men­ta­res que po­dem ser usa­das na de­pres­são), que po­de ser um in­cen­so ou um di­fu­sor de aro­mas. Sen­te-se em uma po­si­ção con­for­tá­vel. Co­me­ce res­pi­ran­do fun­do, pe­lo na­riz, fa­zen­do o ar ex­pan­dir o abdô­men ao má­xi­mo e mur­chan­do-o na ho­ra de sol­tar o ar. Con­cen­tre-se ape­nas na sua res­pi­ra­ção e em na­da mais. Quan­do se sen­tir com­ple­ta­men­te re­la­xa­do, abra os olhos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.