De de­grau em de­grau

em­bo­ra se­ja um pro­ces­so to­tal­men­te na­tu­ral, pas­sar por ele po­de não ser al­go tão sim­ples pa­ra to­do mun­do, tan­to no sen­ti­do psi­co­ló­gi­co qu­an­to fí­si­co

Coleção Almanaque da Saúde - - EDITORIAL - Tex­to pau­la san­ta­na De­sign adri­a­na oshi­ro

Sai­ba co­mo fun­ci­o­na e o que acon­te­ce du­ran­te o pro­ces­so de en­ve­lhe­ci­men­to

res­pon­da in­ter­na­men­te: o que o en­ve­lhe­ci­men­to sig­ni­fi­ca pa­ra vo­cê? Di­fi­cul­da­des de lo­co­mo­ção? Per­da da jo­vi­a­li­da­de? Co­nhe­ci­men­tos con­so­li­da­dos? Ex­pe­ri­ên­cia de vi­da? As res­pos­tas po­dem ser in­fi­ni­tas! Tu­do vai de­pen­der da ma­nei­ra com a qual ca­da um en­xer­ga e, prin­ci­pal­men­te, vi­ve es­se pro­ces­so. “O en­ve­lhe­ci­men­to ge­ra gran­des mu­dan­ças emo­ci­o­nais. Pas­sa a ser uma re­vi­são do que se vi­veu até en­tão, so­ma­do à uti­li­za­ção do tem­po de vi­da de ma­nei­ra ri­ca, pois, a par­tir de ago­ra, há a sen­sa­ção de que es­se tem­po es­tá, de fa­to, li­mi­ta­do”, ex­pli­ca a ori­en­ta­do­ra pes­so­al, mas­ter men­to­ring e co­a­ch Wa­nes­sa Mo­rei­ra. Pa­ra exem­pli­fi­car me­lhor co­mo a che­ga­da da ter­cei­ra ida­de po­de afe­tar a men­te das pes­so­as, con­fi­ra a divisão do pro­ces­so em qua­tro fa­ses di­fe­ren­tes, ca­da qual com su­as ca­rac­te­rís­ti­cas e fun­ções es­pe­cí­fi­cas.

“Ca­da ca­so é in­di­vi­du­al, mas pres­tar aten­ção às mu­dan­ças de seu cor­po e de sua ro­ti­na po­de aju­dar mui­to na pre­ven­ção de si­nais e sintomas que cos­tu­ma­mos re­la­ci­o­nar ao en­ve­lhe­ci­men­to!”, Brigitte Oli­chon, nutricionista

1- re­a­va­li­a­ção da meia-ida­de

Po­de ge­rar uma cer­ta ân­sia de re­a­li­zar so­nhos e pla­nos que fo­ram cul­ti­va­dos du­ran­te a vi­da, mas nun­ca pos­tos em prá­ti­ca. “É um pro­ces­so que se ini­cia por vol­ta dos 40 anos. ‘O que eu es­tou vi­ven­do?’, ‘O que re­a­li­zei até aqui?’ e ‘De que ma­nei­ra pos­so di­re­ci­o­nar mi­nha vi­da pa­ra que eu al­can­ce os meus ob­je­ti­vos?’ são ques­ti­o­na­men­tos co­muns que ge­ram uma ne­ces­si­da­de de mo­vi­men­to e es­co­lhas, afi­nal, o tem­po es­tá pas­san­do!”, es­cla­re­ce Wa­nes­sa.

2- li­be­ra­ção

Aqui, tem iní­cio uma es­pé­cie de “au­to­ri­za­ção” que an­tes pa­re­cia dis­tan­te pa­ra re­a­li­zar an­ti­gos de­se­jos e an­sei­os. “Há uma ne­ces­si­da­de de re­sol­ver pen­dên­ci­as, ajus­tar as re­la­ções que não an­dam bem e con­tri­buir com as pes­so­as à sua vol­ta com a ex­pe­ri­ên­cia que foi ad­qui­ri­da até o pre­sen­te mo­men­to, pa­ra que elas não per­cam tem­po com si­tu­a­ções que não va­lem a pe­na”, diz a ori­en­ta­do­ra pes­so­al.

3- re­su­mo

Ocor­re uma ver­da­dei­ra “re­ca­pi­tu­la­ção” do que se vi­veu até en­tão. Nes­sa fa­se, ini­cia-se o pro­ces­so de iden­ti­da­de, ou se­ja, a pes­soa per­ce­be re­al­men­te quem é e co­me­ça a pen­sar de uma ma­nei­ra mais in­di­vi­du­al. “Es­se ser hu­ma­no se dá con­ta de que po­de ter o seu pró­prio ca­mi­nho e o seu pro­je­to de vi­da, e alcança uma per­cep­ção além da que re­ce­be da fa­mí­lia!”, con­ta a es­pe­ci­a­lis­ta Wa­nes­sa. É aqui que re­al­men­te acon­te­ce a per­cep­ção do re­al pa­pel no “con­tex­to da vi­da”.

4- “Mais uma vez”

A quarta fa­se ocor­re por vol­ta dos 75 anos. “Nes­se mo­men­to, ca­da dia é co­me­mo­ra­do co­mo uma no­va opor­tu­ni­da­de de ain­da es­tar pre­sen­te e de ain­da fa­zer par­te do mun­do. Há uma ne­ces­si­da­de de no­vos de­sa­fi­os, de se in­te­grar e se re­la­ci­o­nar com as ou­tras pes­so­as!”, fi­na­li­za a pro­fis­si­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.