Sen­ti­men­tos à flor da pe­le!

Con­fi­ra quais são as do­en­ças psi­co­ló­gi­cas mais re­cor­ren­tes na ter­cei­ra ida­de

Coleção Almanaque da Saúde - - EDITORIAL - Tex­to mi­che­le cus­tó­dio/co­la­bo­ra­do­ra De­sign ana mas­sa/co­la­bo­ra­do­ra

A men­te tam­bém é afe­ta­da com o pas­sar dos anos. Apren­da a pre­ve­nir as do­en­ças emo­ci­o­nais

en­ve­lhe­cer po­de ser um pro­ces­so ár­duo pa­ra mui­tas pes­so­as: são mu­dan­ças e trans­for­ma­ções que não es­tão to­tal­men­te sob con­tro­le. Es­ses e ou­tros fa­to­res po­dem ser os ga­ti­lhos ne­ces­sá­ri­os pa­ra o sur­gi­men­to de di­ver­sos trans­tor­nos men­tais que com­pro­me­tem a qua­li­da­de de vi­da. No de­cor­rer da ma­té­ria, se­rá pos­sí­vel co­nhe­cer al­guns des­ses pro­ble­mas, com­pre­en­der co­mo eles se de­sen­vol­vem e, prin­ci­pal­men­te, co­mo tra­tá-los!

de­pres­são

Com o pas­sar dos anos, é na­tu­ral que acon­te­çam al­gu­mas per­das: trans­for­ma­ções fí­si­cas, al­te­ra­ções econô­mi­cas, mor­te de en­tes que­ri­dos... Mes­mo sen­do mu­dan­ças na­tu­rais, elas in­flu­en­ci­am di­re­ta­men­te na vi­da do idoso, po­den­do ser as res­pon­sá­veis pe­lo sur­gi­men­to da de­pres­são. “Ou­tros acon­te­ci­men­tos que tam­bém são ca­pa­zes de atu­ar co­mo cau­sas ou agra­van­tes da do­en­ça são ex­pe­ri­ên­ci­as de vi­da (trau­ma ou abu­so), fa­to­res bi­o­ló­gi­cos e ge­né­ti­cos, in­fluên­ci­as ex­ter­nas tí­pi­cas do mun­do mo­der­no (co­mo o es­tres­se), pro­ble­mas fa­mi­li­a­res e lu­to por per­das de pes­so­as pró­xi­mas, além da frus­tra­ção por não po­der mais re­a­li­zar al­gu­mas ati­vi­da­des que an­tes fa­zi­am par­te do dia a dia”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga Thais Sil­va.

Identificando o pro­ble­ma

Os sintomas mais re­cor­ren­tes da de­pres­são in­clu­em re­du­ção da con­cen­tra­ção e da me­mó­ria, fal­ta de so­no, do­res pe­lo cor­po sem cau­sas apa­ren­tes, per­da ou ga­nho de pe­so sem ex­pli­ca­ção e di­mi­nui­ção do ape­ti­te. No co­me­ço, o in­di­ví­duo co­me­ça a se sen­tir de­sa­ni­ma­do, tris­te e sem in­te­res­se por coi­sas ro­ti­nei­ras. No en­tan­to, a de­pres­são po­de ser re­sol­vi­da com o tra­ta­men­to ade­qua­do, unin­do, em cer­tos ca­sos, me­di­ca­men­tos e acom­pa­nha­men­to psi­co­ló­gi­co.

an­si­e­da­de

“Tra­ta-se de um sen­ti­men­to dis­per­so, incô­mo­do e in­de­fi­ni­do, que

po­de ser acom­pa­nha­do de sen­sa­ções co­mo frio no estô­ma­go, aper­to no pei­to, tre­mo­res e, até mes­mo, fal­ta de ar”, pon­tua a pro­fis­si­o­nal. Ape­sar de se tra­tar de uma re­a­ção do cor­po a si­tu­a­ções de es­tres­se, em al­guns ca­sos, o qua­dro po­de evo­luir pa­ra cri­ses de pâ­ni­co e fo­bi­as, vi­ran­do um pro­ble­ma in­ca­pa­ci­tan­te.

co­mo acon­te­ce

Nos idosos, a fra­gi­li­da­de exis­ten­te no sis­te­ma ner­vo­so autô­no­mo po­de ex­pli­car o de­sen­vol­vi­men­to do pro­ble­ma. Os pri­mei­ros si­nais de an­si­e­da­de pa­to­ló­gi­ca são fal­ta de so­no, per­da de ape­ti­te, ten­sões mus­cu­la­res e do­res de ca­be­ça. “Ati­vi­da­des que es­ti­mu­lem o de­sen­vol­vi­men­to ce­re­bral, co­mo pa­la­vras-cruzadas, xa­drez, lei­tu­ra e jo­gar vi­de­o­ga­me, são mé­to­dos prá­ti­cos pa­ra dri­blar a de­ge­ne­ra­ção dos pro­ces­sos cog­ni­ti­vos, pois o cé­re­bro fi­ca­rá sem­pre ati­vo”, acon­se­lha Thais. Em qu­a­dros mais gra­ves, o uso de me­di­ca­men­tos e o acom­pa­nha­men­to psi­co­ló­gi­co são re­co­men­da­dos.

sín­dro­me do pâ­ni­co

Acon­te­ce co­mo uma cri­se re­pen­ti­na de de­ses­pe­ro e me­do de que al­go ruim acon­te­ça, mes­mo sem ne­nhum mo­ti­vo apa­ren­te. Ou se­ja, o si­nal de “aler­ta” na­tu­ral do or­ga­nis­mo - con­jun­to de fa­to­res fí­si­cos e men­tais que pro­por­ci­o­nam uma re­a­ção ao pe­ri­go - é ati­va­do des­ne­ces­sa­ri­a­men­te. “Pes­so­as an­si­o­sas são mais sus­ce­tí­veis ao pro­ble­ma do que ou­tras, e as cau­sas do pro­ble­ma en­vol­vem tan­to fa­to­res ge­né­ti­cos qu­an­to apren­di­dos na con­vi­vên­cia fa­mi­li­ar, escolar e so­ci­al”, aler­ta a psi­có­lo­ga.

apren­den­do a cui­dar

O tra­ta­men­to é re­a­li­za­do por meio da com­bi­na­ção de re­mé­di­os e psi­co­te­ra­pia. Os re­sul­ta­dos po­dem co­me­çar a ser no­ta­dos de­pois de seis a oi­to se­ma­nas. O acom­pa­nha­men­to fre­quen­te com um pro­fis­si­o­nal tam­bém é im­pres­cin­dí­vel, pois ele ob­ser­va­rá o pro­ces­so de adap­ta­ção dos me­di­ca­men­tos, con­si­de­ran­do o efei­to de ca­da um de ma­nei­ra in­di­vi­du­al.

sín­dro­me do “ni­nho va­zio”

A in­ci­dên­cia da do­en­ça é mais co­mum en­tre as mu­lhe­res, sen­do ca­rac­te­ri­za­da co­mo o so­fri­men­to de­cor­ren­te do es­va­zi­a­men­to da ca­sa pe­la saí­da dos fi­lhos, co­me­çan­do com uma tris­te­za le­ve e po­den­do evo­luir pa­ra um qua­dro de de­pres­são. “Es­sa sín­dro­me é di­fí­cil de ser di­ag­nos­ti­ca­da, pois cos­tu­ma ocor­rer si­mul­ta­ne­a­men­te a ou­tros pro­ces­sos de­sa­fi­a­do­res - co­mo me­no­pau­sa, apo­sen­ta­do­ria, en­ve­lhe­ci­men­to e ado­e­ci­men­to dos pró­pri­os pais”, res­sal­ta a es­pe­ci­a­lis­ta.

li­dan­do com a so­li­dão

O di­ag­nós­ti­co é fei­to após per­ce­ber que a tris­te­za se es­ten­de por mais de seis me­ses, im­pos­si­bi­li­tan­do o idoso de con­ti­nu­ar a ro­ti­na com a mes­ma ale­gria de quan­do os fi­lhos es­ta­vam em ca­sa. O tra­ta­men­to in­di­ca­do pa­ra es­sas si­tu­a­ções é o acom­pa­nha­men­to psi­co­ló­gi­co pa­ra tra­çar es­tra­té­gi­as que aju­dem o pa­ci­en­te a li­dar com a par­ti­da da fa­mí­lia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.