De olho no es­que­le­to

A res­pos­ta po­de es­tar na co­lu­na! As do­en­ças que atin­gem es­sa re­gião sur­gem por di­ver­sas cau­sas, mas têm tra­ta­men­to

Coleção Almanaque da Saúde - - EDITORIAL - Tex­to Re­bec­ca Cre­pal­di/co­la­bo­ra­do­ra De­sign Adri­a­na oshi­Ro

A co­mum dor nas cos­tas po­de ser si­nal de aler­ta. Co­nhe­ça os pro­ble­mas que mais afe­tam a co­lu­na!

De acor­do com o fi­si­o­te­ra­peu­ta Ber­nar­do, pa­ra com­ba­ter as al­te­ra­ções que a ida­de ge­ra na co­lu­na, os idosos po­dem re­a­li­zar ati­vi­da­des es­pe­cí­fi­cas pa­ra ga­nho de mo­bi­li­da­de ou, em ca­so de sintomas do­lo­ros, a fi­si­o­te­ra­pia de­ve ser uti­li­za­da pa­ra au­xi­liá-los a con­quis­ta­rem no­va­men­te su­as fun­ções

Fa­ça um exer­cí­cio men­tal: pen­se em al­guém na ter­cei­ra ida­de. A ima­gem que se for­mou, pro­va­vel­men­te, foi a de uma pes­soa com ca­be­los gri­sa­lhos, bai­xa es­ta­tu­ra e com as cos­tas en­cur­va­das, tal­vez, que con­te com o au­xí­lio de uma ben­ga­la ou an­da­dor. E o mo­ti­vo pa­ra ima­gi­nar­mos des­sa for­ma é que gran­de par­te da po­pu­la­ção ido­sa so­fre com pro­ble­mas na co­lu­na. Se­gun­do da­dos da Pes­qui­sa Na­ci­o­nal de Saú­de, 18,5% da po­pu­la­ção adul­ta do Bra­sil é aco­me­ti­da por do­en­ças crô­ni­cas nes­sa re­gião. Mas is­so não quer di­zer que os jo­vens tam­bém não pos­sam de­sen­vol­ver as pa­to­lo­gi­as: de acor­do com o or­to­pe­dis­ta e pro­fes­sor Luiz Cláu­dio Lacerda, a co­lu­na co­me­ça seu pro­ces­so de en­ve­lhe­ci­men­to por vol­ta dos 15 a 16 anos e con­ti­nua ao lon­go da vi­da. Ou se­ja, des­de ce­do, é fun­da­men­tal se pre­ve­nir pa­ra evi­tar pro­ble­mas gra­ves no fu­tu­ro!

pro­ble­mas a bor­do

Com o pas­sar dos anos, os idosos apre­sen­tam al­te­ra­ções fi­si­o­ló­gi­cas nas es­tru­tu­ras de al­gu­mas par­tes do cor­po, co­mo nos mús­cu­los, nos ossos, nos ten­dões e nos li­ga­men­tos. “A ten­dên­cia é que ocor­ra a di­mi­nui­ção da ca­pa­ci­da­de elás­ti­ca, dei­xan­do al­gu­mas par­tes mais

rí­gi­das. De­vi­do a is­so, po­dem ocor­rer trans­for­ma­ções mor­fo­ló­gi­cas, co­mo o au­men­to da ci­fo­se to­rá­ci­ca (uma par­te da cur­va­tu­ra em “S” nas cos­tas) nos in­di­ví­du­os mais ve­lhos. Tam­bém é co­mum a ele­va­ção da ri­gi­dez e da di­mi­nui­ção de for­ça mus­cu­lar, que in­flu­en­cia di­re­ta­men­te no equi­lí­brio cor­po­ral”, ex­pli­ca o fi­si­o­te­ra­peu­ta Ber­nar­do Sam­paio. Quan­do há de­for­mi­da­de nes­sas áre­as, al­gu­mas com­pli­ca­ções po­dem sur­gir. En­ten­da as prin­ci­pais!

al­te­ra­ções na lor­do­se

O ter­mo diz res­pei­to a uma cur­va­tu­ra na­tu­ral da co­lu­na. Po­rém, quan­do há um au­men­to de­la (hi­per­lor­do­se) ou sua re­du­ção (hi­po­lor­do­se), a mo­bi­li­da­de e a saú­de da re­gião po­dem ser com­pro­me­ti­das. “Mui­tas ve­zes, es­sas al­te­ra­ções es­tão re­la­ci­o­na­das a dis­túr­bi­os me­câ­ni­cos, en­ve­lhe­ci­men­to, ex­ces­so de pe­so, se­den­ta­ris­mo e se­que­la de fra­tu­ras”, afir­ma o or­to­pe­dis­ta Luiz. Em re­la­ção ao fa­tor da ida­de, os idosos são mais pro­pen­sos à pa­to­lo­gia, já que há um mai­or des­gas­te nas es­tru­tu­ras que cons­ti­tu­em a co­lu­na.

es­co­li­o­se

É ca­rac­te­ri­za­da por uma de­for­mi­da­de da co­lu­na ver­te­bral e, em idosos, po­de acon­te­cer de for­ma tar­dia. “Nes­ses ca­sos, o fa­tor ge­né­ti­co é pre­do­mi­nan­te. Quan­do ana­li­sa­mos uma ima­gem ra­di­o­grá­fi­ca da co­lu­na da pes­soa ido­sa vis­ta por trás, ob­ser­va-se uma cur­va­tu­ra em for­ma­to de “S”. Es­sa de­for­mi­da­de, con­tu­do, não é a cau­sa­do­ra dos sintomas mas, sim, as com­pen­sa­ções ge­ra­das pe­la al­te­ra­ção da cur­va­tu­ra, que po­dem pre­ju­di­car os mo­vi­men­tos e di­mi­nuir a mo­bi­li­da­de”, res­sal­ta o or­to­pe­dis­ta es­pe­ci­a­li­za­do em ci­rur­gia da co­lu­na ver­te­bral, Ro­dri­go Bo­e­chat. O tra­ta­men­to pa­ra a ter­cei­ra ida­de con­sis­te no acom­pa­nha­men­to de um fi­si­o­te­ra­peu­ta es­pe­ci­a­li­za­do em co­lu­na, pois ele sa­be­rá in­di­car os me­lho­res exer­cí­ci­os pa­ra ca­da ca­so e con­se­gui­rá re­co­lo­car o idoso nas ati­vi­da­des co­ti­di­a­nas.

hér­nia de dis­co

Os dis­cos lo­ca­li­za­dos en­tre as vér­te­bras são for­ma­dos por aneis (ou anu­los) e, em seu cen­tro, exis­te um nú­cleo ge­la­ti­no­so. “Com o pas­sar dos anos, o anu­lo se tor­na mais res­se­ca­do, o que fa­vo­re­ce sua fa­lha com pre­sen­ça de fra­tu­ras”, ex­pli­ca Luiz. É nes­se mo­men­to que o pro­ble­ma sur­ge: quan­do es­sa es­tru­tu­ra es­tá fra­tu­ra­da, o dis­co re­ce­be uma car­ga mais ele­va­da e po­de es­ca­par pa­ra a pe­ri­fe­ria dos aneis, for­man­do a cha­ma­da hér­nia de dis­co. O or­to­pe­dis­ta Luiz en­fa­ti­za que a prin­ci­pal cau­sa es­tá re­la­ci­o­na­da ao en­ve­lhe­ci­men­to e à so­bre­car­ga do dis­co, con­tu­do, exis­te tra­ta­men­to! Se­gun­do ele, 95% dos pa­ci­en­tes res­pon­dem sem a ne­ces­si­da­de de ci­rur­gia, in­ter­vin­do ape­nas com me­di­ca­men­tos, fi­si­o­te­ra­pia, pi­la­tes, ati­vi­da­des fí­si­cas, per­da de pe­so e, pa­ra fu­man­tes, in­ter­rup­ção do há­bi­to de fu­mar.

lom­bal­gia

Não é uma do­en­ça mas, sim, um sin­to­ma. O no­me lom­bal­gia se dá a qual­quer dor lo­ca­li­za­da en­tre a úl­ti­ma cos­te­la e o iní­cio dos glú­te­os (re­gião lom­bar). Sua cau­sa po­de es­tar re­la­ci­o­na­da ao en­ve­lhe­ci­men­to da co­lu­na, bem co­mo so­bre­pe­so, ta­ba­gis­mo, hábitos de vi­da ruins, qua­dro de de­pres­são, ati­vi­da­des la­bo­rais exaus­ti­vas e se­den­ta­ris­mo. Se­gun­do o or­to­pe­dis­ta Luiz, a lom­bal­gia de­ve ser vis­ta co­mo um avi­so do cor­po de que al­go não es­tá cor­re­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.