Fo­co no reu­ma­tis­mo

As pa­to­lo­gi­as que fa­zem par­te do reu­ma­tis­mo são con­si­de­ra­das co­muns com o avan­ço da ida­de. Co­nhe­ça as prin­ci­pais!

Coleção Almanaque da Saúde - - EDITORIAL - Tex­to Pau­la San­ta­na De­sign adri­a­na o Shi­ro

Há di­ver­sas do­en­ças que po­dem ser perigosas se não tra­ta­das cor­re­ta­men­te

Es­se pro­ces­so tão na­tu­ral da vi­da, que é o en­ve­lhe­ci­men­to, po­de tra­zer con­si­go di­fe­ren­tes pa­to­lo­gi­as in­de­se­já­veis. E al­gu­mas das mais co­muns são as reu­má­ti­cas, ou se­ja, aque­las que atin­gem mús­cu­los, ten­dões, te­ci­dos e ossos, por exem­plo. “Com o pro­ces­so de en­ve­lhe­cer, to­das as fun­ções do or­ga­nis­mo di­mi­nu­em, fra­gi­li­zan­do-o ca­da vez mais. O en­ve­lhe­ci­men­to, em ge­ral, fa­ci­li­ta a per­da de mas­sa mus­cu­lar e de for­ça, o que re­sul­ta no de­sen­vol­vi­men­to e na pi­o­ra das do­en­ças reu­ma­to­ló­gi­cas, co­mo ar­tri­te, ar­tro­se e fi­bro­mi­al­gia”, ex­pli­ca a fi­si­o­te­ra­peu­ta Már­cia Vi­a­na. Com is­so, lis­ta­mos al­guns dos prin­ci­pais pro­ble­mas que fa­zem par­te do gru­po ca­rac­te­ri­za­do co­mo reu­ma­tis­mo pa­ra que vo­cê pos­sa co­nhe­cê-los, as­sim co­mo ter uma ba­se do que po­de cau­sá-los e as me­lho­res for­mas de tra­ta­men­to.

ar­tri­te

o que é: ela acon­te­ce quan­do as ar­ti­cu­la­ções (jun­tas en­tre os ossos) fi­cam in­fla­ma­das, re­sul­tan­do em do­res e ri­gi­dez mus­cu­lar, além de re­du­ção na ca­pa­ci­da­de de se mo­ver, ver­me­lhi­dão na re­gião do­lo­ri­da e sen­sa­ção de aque­ci­men­to, por exem­plo. Cau­sas: po­de ser re­sul­tan­te de al­gum trau­ma (ba­ti­da), des­gas­te na­tu­ral da ida­de, in­fec­ções bac­te­ri­a­nas

“Du­ran­te o pro­ces­so de en­ve­lhe­ci­men­to, ob­ser­vam­se al­te­ra­ções bi­o­ló­gi­cas. As­sim, es­sa fai­xa etá­ria es­tá mais pre­dis­pos­ta a aco­me­ti­men­tos por do­en­ças crô­ni­cas, com me­nor ex­po­si­ção a aci­den­tes de trânsito, ho­mi­cí­di­os e con­su­mo de dro­gas”, Elai­ne Di Sar­no, psi­có­lo­ga e neu­rop­si­có­lo­ga

e vi­rais ou con­sequên­cia de al­gu­ma do­en­ça au­toi­mu­ne. tra­ta­men­tos: ge­ral­men­te, o mé­di­co irá re­cei­tar al­gum me­di­ca­men­to que au­xi­lie na re­du­ção da dor, as­sim co­mo in­di­car fi­si­o­te­ra­pia, exer­cí­ci­os fí­si­cos de for­ta­le­ci­men­to e uma mu­dan­ça ge­ral nos hábitos de vi­da, co­mo a me­lho­ra da ali­men­ta­ção.

ar­tro­se

o que é: ne­la, ocor­re o des­gas­te das car­ti­la­gens que re­co­brem os ossos e há da­no nos li­ga­men­tos e nas re­giões pró­xi­mas. Co­mo con­sequên­cia, po­dem ocor­rer do­res, in­cha­ço e li­mi­ta­ções nos mo­vi­men­tos. Cau­sas: uso ex­ces­si­vo de uma de­ter­mi­na­da ar­ti­cu­la­ção (mo­vi­men­tos re­pe­ti­ti­vos), de­ge­ne­ra­ção do lí­qui­do si­no­vi­al ( fluí­do en­tre as ar­ti­cu­la­ções) e da­nos nas car­ti­la­gens po­dem ser al­gu­mas. tra­ta­men­tos: as­sim co­mo pa­ra a ar­tri­te, me­di­ca­men­tos pres­cri­tos e fi­si­o­te­ra­pia são bem-vin­dos. Há ca­sos em que ci­rur­gi­as po­dem ser ne­ces­sá­ri­as.

os­te­o­po­ro­se

o que é: ocor­re quan­do o cor­po pa­ra de for­mar ma­te­ri­al ós­seo no­vo ou quan­do o “an­ti­go” é ab­sor­vi­do pe­lo pró­prio cor­po. A fal­ta de re­no­va­ção do os­so po­de cau­sar fra­tu­ras, pois eles se tor­nam mais frá­geis. Cau­sas: re­ab­sor­ção ós­sea (quan­do o cor­po ab­sor­ve mais os­so do que con­se­gue pro­du­zir), deficiência de cál­cio, me­no­pau­sa e en­ve­lhe­ci­men­to na­tu­ral do ser hu­ma­no. tra­ta­men­tos: quan­do a do­en­ça já es­tá pre­sen­te, o im­por­tan­te é pre­ve­nir fra­tu­ras pa­ra evi­tar o agra­va­men­to da pa­to­lo­gia. Tam­bém po­de-se fa­zer uso de su­ple­men­ta­ção e de me­di­ca­ção pres­cri­ta por um es­pe­ci­a­lis­ta.

Fi­bro­mi­al­gia

o que é: tra­ta-se de uma sín­dro­me que cau­sa do­res por to­do o cor­po, prin­ci­pal­men­te nos ten­dões, ar­ti­cu­la­ções e mús­cu­los, as­sim co­mo em de­mais te­ci­dos mo­les. Tem re­la­ção com fa­di­ga, de­pres­são, an­si­e­da­de e do­res de ca­be­ça. Cau­sas: a do­en­ça po­de ter ori­gem genética, ser re­sul­tan­te de al­gu­ma in­fec­ção ou de de­ter­mi­na­da do­en­ça au­toi­mu­ne. Se­den­ta­ris­mo e trau­mas fí­si­cos ou emo­ci­o­nais tam­bém po­dem cau­sá-la. tra­ta­men­tos: ati­vi­da­des fí­si­cas com acom­pa­nha­men­to, as­sim co­mo te­ra­pi­as pa­ra o alí­vio do es­tres­se, são es­sen­ci­ais. O mé­di­co tam­bém po­de­rá pres­cre­ver me­di­ca­men­tos.

Bur­si­te

o que é: ne­la, a bol­sa si­no­vi­al – es­tru­tu­ra com lí­qui­do em seu in­te­ri­or que ab­sor­ve o atri­to en­tre um ten­dão e a pe­le (ou os­so) so­fre um pro­ces­so in­fla­ma­tó­rio. Co­mum nos om­bros e no qua­dril, ocor­re in­cha­ço na re­gião afe­ta­da, as­sim co­mo dor agu­da e per­sis­ten­te. Cau­sas: mo­vi­men­tos re­pe­ti­ti­vos, car­re­gar ex­ces­so de pe­so fre­quen­te­men­te e pas­sar mui­to tem­po sen­ta­do ou de jo­e­lhos po­dem fa­ci­li­tar seu sur­gi­men­to. tra­ta­men­tos: me­di­ca­ção pres­cri­ta (in­clu­si­ve por meio de in­je­ções), fi­si­o­te­ra­pia, exer­cí­ci­os de for­ta­le­ci­men­to, pun­ção pa­ra es­va­zi­a­men­to do con­teú­do lí­qui­do in­fla­ma­tó­rio e ci­rur­gia po­dem ser so­lu­ções.

O reu­ma­tis­mo abran­ge mais de 100 do­en­ças di­fe­ren­tes! Al­gu­mas de­las são: go­ta, ten­di­ni­te, lú­pus, fe­bre reu­má­ti­ca e es­pon­di­li­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.