En­xer­gan­do o pro­ble­ma

As do­en­ças of­tal­mo­ló­gi­cas me­re­cem aten­ção es­pe­ci­al no dia a dia do idoso

Coleção Almanaque da Saúde - - EDITORIAL - Tex­to Mi­che­le cus­tó­dio/co­la­bo­ra­do­ra De­sign adri­a­na oshi­ro

Con­fi­ra as prin­ci­pais com­pli­ca­ções que po­dem aco­me­ter a vi­são

além do tem­po, di­ver­sos trans­tor­nos po­dem afe­tar um dos sen­ti­dos mais im­por­tan­tes do cor­po: a vi­são. Com a per­da da ca­pa­ci­da­de de en­xer­gar, o idoso fi­ca à mer­cê de si­tu­a­ções perigosas den­tro da pró­pria ca­sa, e um sim­ples ta­pe­te na sa­la, por exem­plo, po­de re­pre­sen­tar um ris­co pa­ra o seu bem-es­tar. Em de­cor­rên­cia dis­so, o in­di­ví­duo po­de fi­car de­pen­den­te de cui­da­dos es­pe­ci­ais o tem­po to­do. Por is­so, con­sul­te o of­tal­mo­lo­gis­ta re­gu­lar­men­te ou ao per­ce­ber qual­quer al­te­ra­ção na vi­são. A se­guir, co­nhe­ça um pou­co mais so­bre as do­en­ças ocu­la­res mais re­cor­ren­tes na ter­cei­ra ida­de.

ca­ta­ra­ta

Tra­ta-se da opa­ci­fi­ca­ção do cris­ta­li­no - uma len­te trans­pa­ren­te que há den­tro dos olhos. Es­sa es­tru­tu­ra per­de a ni­ti­dez, cau­san­do a dis­tor­ção da vi­são, co­mo se ti­ves­se uma nu­vem em fren­te aos olhos do pa­ci­en­te. É co­mu­men­te as­so­ci­a­da à ida­de avan­ça­da, mas exis­te tam­bém a for­ma con­gê­ni­ta, que apa­re­ce al­guns anos após o nas­ci­men­to.

Pri­mei­ros si­nais

“O prin­ci­pal sin­to­ma é o em­ba­ça­men­to vi­su­al, es­pe­ci­al­men­te pa­ra lon­ge, acom­pa­nha­do de di­fi­cul­da­de pa­ra di­ri­gir à noi­te e pa­ra re­a­li­zar ati­vi­da­des diá­ri­as, as­sim co­mo vi­são du­pla e mu­dan­ça fre­quen­te nas pres­cri­ções de óculos”, aler­ta a of­tal­mo­lo­gis­ta Thais Pac­ker. O tra­ta­men­to é ci­rúr­gi­co e tem in­di­ca­ção quan­do o pa­ci­en­te tem di­fi­cul­da­de pa­ra dis­tin­guir de­ta­lhes nas ima­gens. Na ci­rur­gia, o cris­ta­li­no opa­co é re­ti­ra­do e subs­ti­tuí­do por uma len­te in­tra­o­cu­lar (den­tro do olho).

hi­per­me­tro­pia

A do­en­ça é um er­ro re­fra­ci­o­nal que faz com que a ima­gem se for­me atrás da re­ti­na. Por is­so, a pes­soa apre­sen­ta di­fi­cul­da­de pa­ra en­xer­gar ob­je­tos pró­xi­mos a ela. O pro­ble­ma po­de ser cau­sa­do pe­lo for­ma­to ocu­lar - co­mo olhos me­no­res que o nor­mal - e al­te­ra­ções na com­po­si­ção da cór­nea e do cris­ta­li­no. “Em graus mais bai­xos e de acor­do com a ida­de do pa­ci­en­te, a do­en­ça po­de ser as­sin­to­má­ti­ca. Em qu­a­dros mais sé­ri­os, o in­di­ví­duo po­de se quei­xar de des­con­for­to e di­fi­cul­da­de pa­ra en­xer­gar o con­tor­no e li­nhas de ob­je­tos, es­pe­ci­al­men­te de per­to”, con­ta Thais.

Cui­dan­do me­lhor

A hi­per­me­tro­pia po­de ser cor­ri­gi­da com óculos, len­tes de con­ta­to ou ci­rur­gia. A de­ci­são de qual meio se­rá me­lhor de­ve ser to­ma­da em con­jun­to com o es­pe­ci­a­lis­ta, que ana­li­sa­rá o grau de de­sen­vol­vi­men­to da pa­to­lo­gia e as ne­ces­si­da­des do pa­ci­en­te.

Pres­bi­o­pia

É ca­rac­te­ri­za­da co­mo o re­sul­ta­do do pro­ces­so na­tu­ral de en­ve­lhe­ci­men­to. Com o pas­sar dos anos, os mús­cu­los ci­li­a­res co­me­çam a apre­sen­tar de­fei­tos, di­fi­cul­tan­do a aco­mo­da­ção do olho pa­ra fo­ca­li­zar as ima­gens. Por es­se mo­ti­vo, o pa­ci­en­te não con­se­gue en­xer­gar com ni­ti­dez os ob­je­tos pró­xi­mos. Ge­ral­men­te, a pa­to­lo­gia apa­re­ce por vol­ta dos 40 anos de ida­de.

efei­tos do tem­po

“A prin­ci­pal quei­xa é a di­fi­cul­da­de de en­xer­gar de per­to. Em prin­cí­pio, os sintomas cos­tu­mam apa­re­cer no pe­río­do da tar­de ou da noi­te, quan­do a ilu­mi­na­ção cai. Com o tem­po, o pro­ble­ma se agra­va e a di­fi­cul­da­de vi­su­al pas­sa a ser cons­tan­te. Um si­nal bas­tan­te co­nhe­ci­do no iní­cio da pres­bi­o­pia é quan­do a pes­soa co­me­ça a es­ti­car o bra­ço pa­ra ver me­lhor”, ex­pli­ca a pro­fis­si­o­nal.

de­ge­ne­ra­ção ma­cu­lar re­la­ci­o­na­da à ida­de

É uma al­te­ra­ção de­ge­ne­ra­ti­va da má­cu­la, a re­gião da re­ti­na res­pon­sá­vel pe­la vi­são cen­tral e ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te pa­ra ati­vi­da­des co­mo lei­tu­ra e per­cep­ção de de­ta­lhes dos ob­je­tos. Es­se pro­ble­ma é a prin­ci­pal cau­sa de per­da vi­su­al cen­tral gra­ve em pes­so­as com mais de 50 anos.

de on­de vem?

Não se sa­be exa­ta­men­te a cau­sa da do­en­ça, po­rém es­tu­dos re­cen­tes de­tec­ta­ram que exis­tem fa­to­res de ris­co: ida­de, his­tó­ri­co fa­mi­li­ar, ta­ba­gis­mo, hi­per­me­tro­pia, íris de co­lo­ra­ção cla­ra, hi­per­ten­são, obesidade, ex­po­si­ção so­lar, gê­ne­ro ( fe­mi­ni­no) e pro­ble­mas car­di­o­vas­cu­la­res.

Glau­co­ma

Es­se é o no­me da­do a um gru­po de do­en­ças que tem em co­mum a le­são do ner­vo óp­ti­co, o que re­sul­ta na per­da vi­su­al. A pres­são in­tra­o­cu­lar (PIO) ele­va­da é vis­ta co­mo um fa­tor de ris­co pri­má­rio pa­ra a pa­to­lo­gia, po­rém po­de ocor­rer glau­co­ma mes­mo nos olhos com a pres­são nor­mal.

Identificando o Pro­ble­ma

A pes­soa apre­sen­ta dor sú­bi­ta, náu­sea e vô­mi­tos, ver­me­lhi­dão e di­fi­cul­da­de pa­ra iden­ti­fi­car os de­ta­lhes de ob­je­tos. Em ou­tros ca­sos, a do­en­ça não apre­sen­ta sintomas até o iní­cio da per­da vi­su­al pe­ri­fé­ri­ca, que po­de le­var à ce­guei­ra ca­so não se­ja tra­ta­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.