O te­mi­do açú­car

A do­en­ça é gra­ve e po­de cau­sar com­pli­ca­ções, es­pe­ci­al­men­te, em pes­so­as aci­ma de 65 anos. Fi­que aten­to!

Coleção Almanaque da Saúde - - EDITORIAL - Tex­to Re­bec­ca Cre­pal­di/co­la­bo­ra­do­ra De­sign Adri­a­na oshi­Ro

Con­tro­le o diabetes com tra­ta­men­tos ade­qua­dos e di­cas es­pe­ci­ais

com o no­me ci­en­tí­fi­co de diabetes mel­li­tus, a do­en­ça não é uma de­cor­rên­cia do en­ve­lhe­ci­men­to, po­rém tem se mos­tra­do mais pre­va­len­te em pes­so­as da ter­cei­ra ida­de. “A gran­de pre­o­cu­pa­ção com es­sa pa­to­lo­gia é que, quan­do não tra­ta­da, po­de afe­tar se­ve­ra­men­te a saú­de em m pe­río­do de vi­da que já exis­te gran­de ris­co de apa­re­ci­men­to de ou­tras en­fer­mi­da­des pró­pri­as do en­ve­lhe­ci­men­to, co­mo hi­per­ten­são ar­te­ri­al, in­su­fi­ci­ên­cia car­día­ca, de­mên­cia se­nil e Alzheimer”, ex­pli­ca a en­do­cri­no­lo­gis­ta Ro­sá­lia Pa­do­va­ni.

Ti­pos

O diabetes é um dis­túr­bio me­ta­bó­li­co ca­rac­te­ri­za­do por ní­veis elevados de açú­car no san­gue. Exis­tem du­as va­ri­a­ções prin­ci­pais: o ti­po 1, no qual o in­di­ví­duo já nas­ce com a do­en­ça ou tem pro­pen­são pa­ra de­sen­vol­vê-lá, e que con­sis­te na au­sên­cia com­ple­ta da pro­du­ção do hormô­nio por um me­ca­nis­mo au­toi­mu­ne, cau­san­do a des­trui­ção das cé­lu­las do pân­cre­as que a fa­bri­cam; e o ti­po 2 que, de acor­do com Ro­sá­lia, se ma­ni­fes­ta, na mai­o­ria dos ca­sos, em pes­so­as aci­ma dos 40 anos e acon­te­ce por­que as cé­lu­las se tor­nam re­sis­ten­tes à ação da in­su­li­na, de­vi­do a

“A po­pu­la­ção ido­sa tem mais chan­ce de de­sen­vol­ver diabetes, se­ja por ter me­nor es­to­que de in­su­li­na ou por mai­or re­sis­tên­cia a ela”, Cas­san­dra Lo­pes, en­do­cri­no­lo­gis­ta da clí­ni­ca Soul­le­ve

fa­to­res co­mo so­bre­pe­so e obesidade. Ro­sá­lia ex­pli­ca que há, ain­da, ou­tras va­ri­an­tes da pa­to­lo­gia: • diabetes ges­ta­ci­o­nal: ma­ni­fes­ta-se du­ran­te a gra­vi­dez, de­vi­do às al­te­ra­ções hor­mo­nais des­se pe­río­do que pre­dis­põem o apa­re­ci­men­to da do­en­ça

• la­da: é de­fi­ni­do pe­lo apa­re­ci­men­to tar­dio do diabetes ti­po 1

• Mody: mis­tu­ra ca­rac­te­rís­ti­cas do diabetes ti­po 1 e do ti­po 2

sintomas

Se­gun­do Ro­sá­lia, em fa­ses mais avan­ça­das ou em si­tu­a­ções de mai­or des­com­pen­sa­ção da do­en­ça, sintomas co­mo au­men­to do vo­lu­me da uri­na, da se­de e da fo­me po­dem apa­re­cer.

pro­ble­mas

Se não tra­ta­do, o diabetes po­de ter uma sé­rie de con­sequên­ci­as. Co­nhe­ça os prin­ci­pais nas pró­xi­mas li­nhas! • pé di­a­bé­ti­co: o pro­ble­ma é ge­ra­do por uma fe­ri­da que, se não for de­vi­da­men­te tra­ta­da, po­de in­fec­ci­o­nar e le­var a am­pu­ta­ções de mem­bros in­fe­ri­o­res.

• ne­fro­pa­tia di­a­bé­ti­ca: é a cau­sa prin­ci­pal de in­su­fi­ci­ên­cia re­nal crô­ni­ca ter­mi­nal no mun­do, aco­me­ten­do cer­ca de 20% a 40% dos di­a­bé­ti­cos. ”Ca­rac­te­ri­za-se por le­sões nos pe­que­nos va­sos, de­vi­do ao au­men­to crô­ni­co das ta­xas de gli­co­se na cor­ren­te san­guí­nea. Es­sa com­pli­ca­ção po­de ser di­ag­nos­ti­ca­da pe­lo exa­me de uri­na es­pe­cí­fi­co que mos­tra ín­di­ces elevados de pro­teí­na no or­ga­nis­mo do do­en­te”, acres­cen­ta a pro­fis­si­o­nal.

• Re­ti­no­pa­tia di­a­bé­ti­ca (Rd): uma do­en­ça que afe­ta os pe­que­nos va­sos da re­ti­na - re­gião ocu­lar res­pon­sá­vel pe­la for­ma­ção das ima­gens en­vi­a­das pa­ra o cé­re­bro. O apa­re­ci­men­to da RD es­tá as­so­ci­a­do ao tem­po de du­ra­ção da do­en­ça e ao grau de des­con­tro­le da glicemia, sen­do con­si­de­ra­da uma im­por­tan­te cau­sa de ce­guei­ra nos pa­ci­en­tes de fai­xa etá­ria en­tre 20 e 74 anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.