Re­ves­ti­men­to de­li­ca­do

Co­nhe­ça quais os prin­ci­pais pro­ble­mas de um dos ór­gãos mais afe­ta­dos pe­lo pas­sar dos anos: a pe­le!

Coleção Almanaque da Saúde - - EDITORIAL - Tex­To Mi­che­le cus­tó­Dio/co­lA­bo­rA­Do­rA De­sign AnA MAs­sA/co­lA­bo­rA­Do­rA

Ve­ja as con­di­ções que po­dem afe­tar a pe­le

Ader­me ido­sa tam­bém so­fre a in­fluên­cia do en­ve­lhe­ci­men­to, sen­do pos­sí­vel per­ce­ber al­gu­mas ca­rac­te­rís­ti­cas mui­to evidentes des­sa fa­se da vi­da: o ór­gão fi­ca mais sus­ce­tí­vel a le­sões, man­chas, in­fec­ções e tem seu pro­ces­so de ci­ca­tri­za­ção re­tar­da­do. Além dis­so, a re­cor­ren­te fal­ta de cui­da­dos ao lon­go da exis­tên­cia tam­bém po­de re­pre­sen­tar um fa­tor de ris­co pa­ra o sur­gi­men­to de al­gu­mas pa­to­lo­gi­as. Con­fi­ra quais são elas e co­mo se pre­ve­nir!

Der­ma­ti­te

do idoso, pois quan­do es­tá mui­to se­ca cau­sa qu­a­dros de co­cei­ra e, às ve­zes, po­de le­var a um pro­ces­so de es­co­ri­a­ções, ma­chu­ca­dos e, até mes­mo, in­fec­ções se­cun­dá­ri­as, por­que a unha é uma re­gião mui­to con­ta­mi­na­da”, ex­pli­ca a der­ma­to­lo­gis­ta Te­re­sa No­vi­el­lo.

É me­lhor pre­ve­nir

Exis­tem al­guns cui­da­dos que de­vem ser to­ma­dos no dia a dia, co­mo evi­tar ba­nhos mui­to quen­tes, não uti­li­zar bu­chas pa­ra es­fre­gar a pe­le, pre­fe­rir sa­bo­ne­tes mais neu­tros ou com pro­pri­e­da­des hi­dra­tan­tes e sem­pre man­ter uma boa in­ges­tão de água. Es­se ter­mo en­glo­ba di­ver­sas do­en­ças que cau­sam in­fla­ma­ção, co­cei­ra e ver­me­lhi­dão na pe­le. En­tre­tan­to, uma des­sas pa­to­lo­gi­as é pro­pri­a­men­te ca­rac­te­rís­ti­ca da ter­cei­ra ida­de: a der­ma­ti­te se­nil. Ela é cau­sa­da pe­la fal­ta de ole­o­si­da­de, si­tu­a­ção que é agra­va­da com o pas­sar dos anos e com a ve­lhi­ce. “É ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te a hi­dra­ta­ção da pe­le

Man­chas es­cu­ras ou bran­cas

Ge­ral­men­te en­con­tra­das em áre­as co­mo ros­to, mãos, bra­ços e per­nas, es­ses si­nais são con­sequên-

cia da ex­po­si­ção des­pro­te­gi­da ao sol du­ran­te mui­to tem­po. Re­sul­ta­do de uma vi­da de ex­ces­sos, es­sas man­chas po­dem ser evi­ta­das com o uso de pro­te­to­res so­la­res, rou­pas com pro­te­ção ul­tra­vi­o­le­ta, cha­péus e som­bri­nhas.

De­pois De man­chaDo

A re­cu­pe­ra­ção da pe­le é fei­ta com a aju­da de um der­ma­to­lo­gis­ta, que pres­cre­ve­rá cre­mes cla­re­a­do­res e pro­ces­sos clí­ni­cos que au­xi­li­a­rão na re­ge­ne­ra­ção das cé­lu­las atin­gi­das.

Man­chas acas­ta­nha­das com cas­qui­nha

“São le­sões se­nis, ou se­ja, cau­sa­das pe­la ida­de. Cos­tu­mam sur­gir com o pas­sar do tem­po e não têm uma cau­sa es­pe­ci­fi­ca nem uma cor­re­la­ção di­re­ta com o cân­cer de pe­le, na mai­o­ria das ve­zes”, afir­ma a pro­fis­si­o­nal. Co­nhe­ci­das tam­bém co­mo ce­ra­to­se se­bor­rei­ca, elas não pos­su­em co­mo fa­tor de ris­co ex­po­si­ção ex­ces­si­va ao sol, po­den­do sur­gir em áre­as co­mo ab­do­me e cos­tas.

Tra­Tan­Do o pro­ble­ma

O ide­al é que o mé­di­co se­ja pro­cu­ra­do as­sim que es­ses si­nais co­me­cem a sur­gir. Pois, em ca­sos ra­ros, es­sas man­chas po­dem evo­luir pa­ra qu­a­dros ma­lig­nos. Den­tre os cui­da­dos dis­po­ní­veis, es­tão a ele­tro­cau­te­ri­za­ção e a apli­ca­ção de ni­tro­gê­nio lí­qui­do, pro­ce­di­men­tos sim­ples e que não dei­xam ci­ca­tri­zes.

si­nais de san­gue na pe­le

São pe­que­nas man­chas aver­me­lha­das que se formam por bai­xo da der­me e não re­pre­sen­tam ne­nhum pe­ri­go pa­ra saú­de. “Tra­ta-se de um agru­pa­men­to de va­sos san­guí­ne­os di­la­ta­dos na su­per­fí­cie da pe­le: pos­su­em ca­rá­ter he­re­di­tá­rio e sur­gem ao lon­go da vi­da em re­giões co­mo ab­do­me, pes­co­ço, co­lo e fa­ce”, aler­ta a der­ma­to­lo­gis­ta Fer­nan­da Se­a­bra.

sem pre­o­cu­pa­ção

“Te­mos al­guns tra­ta­men­tos e pro­ce­di­men­tos que de­vem ser fei­tos por um der­ma­to­lo­gis­ta. Mas o mais im­por­tan­te é cha­mar a aten­ção pa­ra o fa­to de que são le­sões que sur­gem com a ida­de, não têm uma cau­sa es­pe­cí­fi­ca e que são to­tal­men­te be­nig­nas”, res­sal­ta Te­re­sa. Ain­da as­sim, al­gu­mas re­co­men­da­ções são sem­pre vá­li­das: não es­que­ça o fil­tro so­lar, sem­pre man­te­nha a pe­le hi­dra­ta­da e lem­bre-se de be­ber água, ok?

cân­cer de pe­le

Tra­ta-se de uma das ver­sões mais agres­si­vas da do­en­ça, jus­ta­men­te por nem sem­pre ser di­ag­nos­ti­ca­da pre­co­ce­men­te. “O me­la­no­ma são aque­las pin­ti­nhas pre­tas e ir­re­gu­la­res, que po­dem ser, às ve­zes, um ma­chu­ca­di­nho que não ci­ca­tri­za”, es­cla­re­ce a es­pe­ci­a­lis­ta Te­re­sa.

o pri­mei­ro pas­so

Ao per­ce­ber al­te­ra­ções na pe­le, pro­cu­re um pro­fis­si­o­nal es­pe­ci­a­li­za­do em der­ma­to­lo­gia. Além dis­so, fa­ça uma vi­si­ta ao mé­di­co pe­lo me­nos uma vez ao ano. Ca­so ha­ja a sus­pei­ta de cân­cer de pe­le, se­rá ne­ces­sá­ria uma bióp­sia que ava­li­a­rá o grau de com­pro­me­ti­men­to do te­ci­do. O tra­ta­men­to é fei­to por meio de ci­rur­gi­as pa­ra re­ti­rar as man­chas can­ce­rí­ge­nas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.