Os vi­lões da ter­cei­ra ida­de

As do­en­ças de­ge­ne­ra­ti­vas se ca­rac­te­ri­zam pe­la le­são ou mor­te das cé­lu­las ce­re­brais

Coleção Almanaque da Saúde - - EDITORIAL - Tex­To Re­bec­ca cRe­pal­di/co­la­bo­Ra­do­Ra De­sign adRi­a­na oshi­Ro

Alzheimer, Parkinson e es­cle­ro­se formam o trio das pa­to­lo­gi­as mais fre­quen­tes em idosos

Vo­cê es­tá ca­mi­nhan­do pe­la rua e de­ci­de pa­rar em um res­tau­ran­te pa­ra al­mo­çar. Es­co­lhe sua co­mi­da fa­vo­ri­ta, faz a re­fei­ção, pa­ga a con­ta e vol­ta pa­ra a ca­sa. Che­gan­do lá, sua fi­lha lhe per­gun­ta on­de es­ta­va, mas vo­cê sim­ples­men­te não con­se­gue se lem­brar. Ou, ain­da, ao as­si­nar um do­cu­men­to, re­pa­ra que sua le­tra es­tá di­fe­ren­te, por­que não es­tá con­se­guin­do se­gu­rar a ca­ne­ta com fir­me­za e treme na ho­ra de es­cre­ver. Es­ses po­dem ser al­guns si­nais de Alzheimer e Parkinson, res­pec­ti­va­men­te. Nes­se mo­men­to, é pre­ci­so aten­ção, prin­ci­pal­men­te, na ter­cei­ra ida­de! “O Alzheimer é a cau­sa mais fre­quen­te de de­mên­cia, e sua in­ci­dên­cia tem cres­ci­do de­vi­do ao au­men­to de so­bre­vi­da da po­pu­la­ção mun­di­al. O ris­co de de­sen­vol­vi­men­to é de 10% a 12% nas pes­so­as em ge­ral”, aler­ta o neu­ro­ci­rur­gião Edu­ar­do Bar­re­to.

parkinson

A en­fer­mi­da­de é ge­ra­da pe­la mor­te das cé­lu­las que pro­du­zem a do­pa­mi­na, subs­tân­cia res­pon­sá­vel pe­la trans­mis­são de im­pul­sos ner­vo­sos en­tre os neurôni­os que con­tro­lam os mo­vi­men­tos e a co­or­de­na­ção do cor­po. Ou se­ja, qu­an­to mais ve­lha a pes­soa for, mais chan­ce te­rá de “per­der” es­sas cé­lu­las, pre­ju­di­can­do di­ver­sas fun­ções do cor­po. “Os sintomas cau­sa­dos pe­la do­en­ça pi­o­ram pro­gres­si­va­men­te ao lon­go do tem­po, já que o Parkinson é de­ge­ne­ra­ti­vo e pro­gres­si­vo”, ex­pli­ca o mé­di­co Mar­co Pet­ti.

alzheimer

De acor­do com o mé­di­co neu­ro­lo­gis­ta Mar­tin Port­ner, a do­en­ça é uma pa­to­lo­gia de­ge­ne­ra­ti­va do cé­re­bro que se de­sen­vol­ve na ter­cei­ra ida­de. Sua prin­ci­pal ma­ni­fes­ta­ção é a de­mên­cia, na qual a pes­soa pas­sa a ter de­clí­nio da me­mó­ria e da or­ga­ni­za­ção das idei­as. “No iní­cio, ela co­me­ça dis­far­ça­da­men­te, com fa­lhas su­tis e des­cul­pá­veis das lem­bran­ças. Len­ta­men­te, tor­na-se mais gra­ve e, por fim, in­ca­pa­ci­tan­te”, ex­pli­ca o es­pe­ci­a­lis­ta. Sem cau­sa es­pe­cí­fi­ca e, con­se­quen­te­men­te, sem cu­ra, ca­da sin­to­ma de­ve ser tra­ta­do in­di­vi­du­al­men­te. Nes­se mo­men­to, o su­por­te e o apoio da fa­mí­lia são fun­da­men­tais pa­ra ten­tar man­ter, mes­mo que mi­ni­ma­men­te, a qua­li­da­de de vi­da do idoso.

es­cle­ro­se

É ca­rac­te­ri­za­da co­mo uma do­en­ça au­toi­mu­ne que afe­ta to­do o sis­te­ma ner­vo­so cen­tral: cé­re­bro, me­du­la e ner­vos. “A de­fe­sa do or­ga­nis­mo con­fun­de cé­lu­las sau­dá­veis com cé­lu­las in­tru­sas e as des­trói”, des­ta­ca o neu­ro­ci­rur­gião Ce­zar Au­gus­to de Oli­vei­ra. Os sintomas po­dem en­vol­ver can­sa­ço, dor­mên­cia nas mãos e nos pés, per­da da vi­são em um la­do dos olhos, fraqueza nos mem­bros, den­tre ou­tros. In­fe­liz­men­te, não exis­te cu­ra, mas há co­mo in­ter­vir! “O tra­ta­men­to vi­sa re­du­zir a ve­lo­ci­da­de de evo­lu­ção, à ba­se de in­ter­fe­ron (um ti­po de pro­teí­na). Além dis­so, os me­di­ca­men­tos pa­ra re­du­zir os efei­tos das cri­ses e a fi­si­o­te­ra­pia po­dem aju­dar”, co­men­ta Ce­zar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.