Mo­men­to di­fí­cil

Aten­te-se às de­mais pa­to­lo­gi­as que tam­bém po­dem sur­gir ao lon­go do tem­po

Coleção Almanaque da Saúde - - EDITORIAL - Tex­To pau­la san­Ta­na De­sign ana mas­sa/CO­la­bO­ra­dO­ra

Mui­tas en­fer­mi­da­des po­dem atin­gir a ter­cei­ra ida­de e é es­sen­ci­al se in­for­mar pa­ra re­tar­dá-las

Co­mo vo­cê já con­fe­riu até aqui, as dis­fun­ções que po­dem sur­gir com o pas­sar dos anos são di­ver­sas. Tu­do vai de­pen­der dos hábitos que fo­ram cul­ti­va­dos ao lon­go da vi­da, as­sim co­mo da genética de ca­da um e de de­mais fa­to­res ex­ter­nos. “Além dos mais co­nhe­ci­dos, tam­bém ocor­rem de­clí­ni­os na vi­são e na au­di­ção, afe­tan­do as ha­bi­li­da­des lin­guís­ti­cas. O en­fra­que­ci­men­to na saú­de fí­si­ca ge­ral­men­te di­mi­nui o aces­so ao mun­do às opor­tu­ni­da­des de con­ver­sar, de ir à bi­bli­o­te­ca, en­tre ou­tras”, exem­pli­fi­ca a psi­có­lo­ga e neu­rop­si­có­lo­ga Elai­ne Di Sar­no. Os tó­pi­cos se­guin­tes tra­zem de­mais pa­to­lo­gi­as que ain­da não fo­ram des­cri­tas no de­cor­rer des­sa edi­ção, mas que tam­bém po­dem ser co­muns. Que tal co­nhe­cê-los?

Trom­bo­se

O que é: tra­ta-se do pro­ces­so de co­a­gu­la­ção do san­gue den­tro de um va­so san­guí­neo ou den­tro do co­ra­ção, que aca­ba for­man­do “trom­bos”. Po­de ser ar­te­ri­al (ocor­rer em uma ar­té­ria, va­so que le­va san­gue aos ór­gãos) ou

“A Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS) de­fi­ne que a ve­lhi­ce é ba­se­a­da na ida­de cro­no­ló­gi­ca, na qual a de­fi­ni­ção de idoso ini­cia aos 65 anos nos paí­ses de­sen­vol­vi­dos e aos 60 anos nos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to”, Elai­ne Di Sar­no, psi­có­lo­ga e neu­rop­si­có­lo­ga

ve­no­sa (ocor­rer em uma veia, va­so que re­ti­ra san­gue dos ór­gãos). É mais co­mum em mu­lhe­res e na re­gião das per­nas. Cau­sas: en­ve­lhe­ci­men­to, obesidade, he­re­di­ta­ri­e­da­de, pas­sar mui­to tem­po sen­ta­do ou sem mo­vi­men­tar as per­nas, le­sões, gra­vi­dez e uso de al­guns ti­pos de an­ti­con­cep­ci­o­nal po­dem fa­ci­li­tar seu de­sen­vol­vi­men­to. Tra­ta­men­tos: mei­as com­pres­so­ras e uso de me­di­ca­men­tos pres­cri­tos com ação di­lui­do­ra de san­gue são al­gu­mas op­ções que o mé­di­co po­de­rá re­co­men­dar.

do­en­ças pul­mo­na­res

O que são: elas atin­gem os tu­bos que le­vam oxi­gê­nio e ou­tros ga­ses pa­ra den­tro e fo­ra dos pul­mões - por meio do es­trei­ta­men­to ou do blo­queio das vi­as aé­re­as. Al­guns exem­plos são: as­ma, en­fi­se­ma, fi­bro­se pul­mo­nar, em­bo­lia e bron­qui­te. Cau­sas: he­re­di­ta­ri­e­da­de, ta­ba­gis­mo, alér­ge­nos (cau­sa­do­res de aler­gi­as), po­lui­ção do ar, in­fec­ções vi­rais e efei­tos co­la­te­rais de me­di­ca­men­tos são al­gu­mas de­las. Tra­ta­men­tos: ge­ral­men­te, após o di­ag­nós­ti­co, a me­di­ca­ção pres­cri­ta é in­dis­pen­sá­vel. Cui­da­dos com a ro­ti­na co­mo evi­tar es­for­ços fí­si­cos, prin­ci­pal­men­te du­ran­te uma cri­se, e afas­tar alér­ge­nos do dia a dia tam­bém pre­ci­sam ser colocados em prá­ti­ca.

dis­fun­ções gas­troin­tes­ti­nais

O que são: são pro­ble­mas que afe­tam o sis­te­ma di­ges­tó­rio, ou se­ja, boca, lín­gua, esô­fa­go, estô­ma­go, pân­cre­as, fí­ga­do, in­tes­ti­no del­ga­do, in­tes­ti­no gros­so, re­to e ânus. Com o pas­sar dos anos, a pro­pen­são a de­sen­vol­ver di­ver­ti­cu­lo­se (bol­sas sa­li­en­tes que se formam no in­tes­ti­no e pre­ju­di­cam a eli­mi­na­ção das fe­zes) e cons­ti­pa­ção au­men­tam, já que são co­mo um efei­to co­la­te­ral por to­mar cer­tos me­di­ca­men­tos (ge­ral­men­te, co­muns na ter­cei­ra ida­de). Cau­sas: co­mo já di­to, o uso de me­di­ca­men­tos a lon­go pra­zo po­de pre­ju­di­car o sis­te­ma gas­troin­tes­ti­nal dos idosos, as­sim co­mo o pro­ces­so de en­ve­lhe­ci­men­to na­tu­ral ten­de a re­sul­tar em dis­fun­ções nos ór­gãos. Tra­ta­men­tos: vai de­pen­der do pro­ble­ma em ques­tão, e só o mé­di­co po­de­rá so­li­ci­tar exa­mes e dar o di­ag­nós­ti­co pre­ci­so. No en­tan­to, man­ter uma ali­men­ta­ção equi­li­bra­da com a de­vi­da in­ges­tão de água, as­sim co­mo não dei­xar o se­den­ta­ris­mo to­mar con­ta da ro­ti­na e fa­zer exa­mes re­gu­lar­men­te, são ati­tu­des fun­da­men­tais pa­ra cui­dar des­sa re­gião tão im­por­tan­te.

Va­le lem­brar!

pro­ble­mas re­nais e al­guns ti­pos de cân­cer (co­mo o de pe­le e o de có­lon) tam­bém têm mai­or in­ci­dên­cia na ter­cei­ra ida­de. Is­so re­for­ça a im­por­tân­cia de se con­sul­tar re­gu­lar­men­te com o mé­di­co ge­ri­a­tra e le­var uma vi­da o mais sau­dá­vel pos­sí­vel, pa­ra que os ma­les pos­sam ser pre­ve­ni­dos ou adi­a­dos. E as ati­vi­da­des fí­si­cas são ex­ce­len­tes saí­das pa­ra ter uma qua­li­da­de de vi­da me­lhor nes­sa fa­se! “Em um gru­po es­pe­ci­al de pes­so­as com 50, 60, 70, 80, 90 anos ou com li­mi­ta­ções di­ver­sas cau­sa­das por do­res ou do­en­ças, o trei­na­men­to de for­ça te­ra­pêu­ti­co ou mus­cu­la­ção te­ra­pêu­ti­ca se­rá um re­cur­so se­gu­ro e efi­ci­en­te no com­ba­te e tra­ta­men­to de to­das es­sas do­en­ças a ca­mi­nho de uma vi­da in­de­pen­den­te!”, acon­se­lha a fi­si­o­te­ra­peu­ta már­cia Vi­a­na. Que tal co­me­çar a se me­xer, já?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.