Acom­pa­nha­men­to

Exis­tem cer­tos pro­fis­si­o­nais que pre­ci­sam ser vi­si­ta­dos re­gu­lar­men­te pe­los idosos. Sai­ba quais são eles e sua im­por­tân­cia!

Coleção Almanaque da Saúde - - EDITORIAL - TEx­To Mi­che­le cus­tó­dio/co­lA­bo­rA­do­rA DE­Sign ro­dri­Go dA GrA­çA

Os exa­mes ne­ces­sá­ri­os nes­sa fai­xa etá­ria e qual mé­di­co pro­cu­rar em ca­da si­tu­a­ção

Além das mu­dan­ças que po­dem ser re­a­li­za­das no dia a dia, co­mo al­te­ra­ções na ali­men­ta­ção e ado­ção de hábitos mais sau­dá­veis, man­ter um acom­pa­nha­men­to clí­ni­co tam­bém é im­pres­cin­dí­vel pa­ra uma boa qua­li­da­de de vi­da na ter­cei­ra ida­de. Pro­fis­si­o­nais de fi­de­li­da­de Ge­ri­a­tra Es­sa especialidade é di­re­ci­o­na­da pa­ra a po­pu­la­ção mais ve­lha, jus­ta­men­te por is­so é in­te­res­san­te es­se pro­fis­si­o­nal acom­pa­nhar o pa­ci­en­te no de­cor­rer da ter­cei­ra ida­de. “O ide­al é que a pes­soa te­nha um mé­di­co de con­fi­an­ça - e o ge­ri­a­tra é um es­pe­ci­a­lis­ta com fa­mi­li­a­ri­da­de nas ques­tões da ve­lhi­ce. Mas, no Bra­sil, a re­a­li­da­de mos­tra que o nú­me­ro de ge­ri­a­tras é in­su­fi­ci­en­te pa­ra a de­man­da de aten­di­men­to. Por­tan­to, uma par­te sig­ni­fi­ca­ti­va das pes­so­as te­rá aces­so a clí­ni­cos ge­rais e mé­di­cos de fa­mí­lia”, ex­pli­ca o ge­ri­a­tra Jo­sé Car­los Aqui­no de Cam­pos Ve­lho.

car­di­o­lo­gis­ta

Com o pas­sar dos anos, al­guns sis­te­mas bi­o­ló­gi­cos co­me­çam a de­cli­nar, co­mo é o ca­so do car­di­o­vas­cu­lar. Por is­so a re­le­vân­cia de re­a­li­zar vi­si­tas re­gu­la­res ao es­pe­ci­a­lis­ta, já que, só as­sim, ele po­de­rá iden­ti­fi­car al­te­ra­ções ou de­fi­ci­ên­ci­as vas­cu­la­res que pos­sam ter se de­sen­vol­vi­do.

of­tal­mo­lo­gis­ta

Co­mo já vis­to an­te­ri­or­men­te, a vi­são do in­di­ví­duo so­fre pre­juí­zos com o pas­sar dos anos e, por es­se mo­ti­vo, é ne­ces­sá­rio man­ter uma ro­ti­na de vi­si­tas ao of­tal­mo­lo­gis­ta. Só as­sim se­rá pos­sí­vel di­ag­nos­ti­car pre­co­ce­men­te cer­tos pro­ble­mas, evi­tan­do que a saú­de ocu­lar do idoso se­ja com­pro­me­ti­da, o que ga­ran­te mais qua­li­da­de de vi­da ao pa­ci­en­te.

en­do­cri­no­lo­gis­ta

Tra­ta-se de um es­pe­ci­a­lis­ta em ques­tões hor­mo­nais, que faz o tra­ta­men­to de de­se­qui­lí­bri­os exis­ten­tes no or­ga­nis­mo, co­mo o diabetes ( fal­ta ou re­sis­tên­cia ao hormô­nio in­su­li­na), por exem­plo. Além dis­so, o pro­fis­si­o­nal tam­bém po­de ser pro­cu­ra­do pa­ra fa­zer o mé­to­do de re­po­si­ção hor­mo­nal, prin­ci­pal­men­te, em ca­sos de me­no­pau­sa pre­co­ce.

den­tis­ta

É in­dis­cu­tí­vel a im­por­tân­cia que uma boa den­ti­ção tem na vi­da do in­di­ví­duo, já que os den­tes pos­su­em um pa­pel fun­da­men­tal na ali­men­ta­ção, na dic­ção das pa­la­vras e na es­té­ti­ca pes­so­al. Is­so re­for­ça a re­le­vân­cia das con­sul­tas re­cor­ren­tes ao es­pe­ci­a­lis­ta. “Vi­si­tas re­gu­la­res ao den­tis­ta di­mi­nu­em o ris­co de uma do­en­ça cha­ma­da pneu­mo­nia bron­co­as­pi­ra­ti­va e da des­nu­tri­ção por di­fi­cul­da­de em se ali­men­tar por pró­te­se fol­ga­da, por exem­plo”, res­sal­ta a ge­ri­a­tra Pris­cil­la Mus­si.

ro­ti­na de aná­li­se

Além dos pro­fis­si­o­nais re­co­men­da­dos, al­guns exa­mes tam­bém são im­pres­cin­dí­veis pa­ra que a saú­de do idoso se­ja man­ti­da:

den­si­to­me­tria ós­sea

É uma es­pé­cie de raio-X que ava­lia a den­si­da­de ós­sea. Ser­ve pa­ra re­a­li­zar o di­ag­nós­ti­co e o acom­pa­nha­men­to da os­te­o­po­ro­se, uma con­di­ção clí­ni­ca que le­va ao au­men­to do ris­co de fra­tu­ras.

co­les­te­rol e tri­gli­cé­ri­des

Tam­bém co­nhe­ci­do co­mo li­pi­do­gra­ma, é o exa­me de san­gue ca­paz de de­ter­mi­nar a quan­ti­da­de de gor­du­ra na cir­cu­la­ção san­guí­nea, co­mo LDL, HDL, VLDL e tri­gli­ce­rí­de­os que, quan­do es­tão al­te­ra­dos, re­pre­sen­tam um ris­co pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res, co­mo an­gi­na, in­far­to, AVC (Aci­den­te Vas­cu­lar Ce­re­bral) ou trom­bo­se ve­no­sa.

Glicemia

Tra­ta-se de um exa­me de san­gue que me­de o ní­vel de açú­car na cor­ren­te san­guí­nea na­que­le mo­men­to. O tes­te de glicemia de je­jum ser­ve pa­ra fa­zer o di­ag­nós­ti­co de hi­po­gli­ce­mia ou de diabetes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.