Co­mo sur­ge?

Es­ses pro­ble­mas são res­pon­sá­veis por cau­sar mui­tas do­res pe­lo cor­po. En­ten­da mais so­bre co­mo is­so acon­te­ce!

Coleção Almanaque da Saúde - - DEFINIÇÃO -

En­ten­da de que ma­nei­ra o reu­ma­tis­mo po­de cau­sar in­fla­ma­ções no cor­po

Lo­co­mo­ção li­mi­ta­da ou fal­ta de for­ça na ho­ra de con­se­guir fa­zer al­gu­ma ati­vi­da­de, são al­guns si­nais que o in­di­ví­duo es­tá so­fren­do de al­gu­ma do­en­ça reu­má­ti­ca. Co­mo se não bas­tas­se a per­da de mo­vi­men­tos, ain­da po­dem pro­vo­car do­res crô­ni­cas pe­lo cor­po, va­ri­an­do de in­ten­si­da­de. O reu­ma­to­lo­gis­ta Ari Hal­pern ex­pli­ca que qual­quer con­di­ção que pro­vo­que dor nas ar­ti­cu­la­ções, nos os­sos, nos mús­cu­los e no sis­te­ma os­te­o­ar­ti­cu­lar de uma ma­nei­ra ge­ral po­de en­trar nes­sa ca­te­go­ria de doen­ças.

Sin­to­mas

O reu­ma­tis­mo po­de se ma­ni­fes­tar de vá­ri­as for­mas e, pra­ti­ca­men­te, em qual­quer par­te do cor­po, des­de a ca­be­ça até os de­dos dos pés. “As doen­ças reumáticas são en­fer­mi­da­des que pre­ju­di­cam (prin­ci­pal­men­te) as ar­ti­cu­la­ções, os os­sos e os mús­cu­los. Além des­sas par­tes do cor­po, po­dem atin­gir vís­ce­ras, co­ra­ção, pul­mão, rins, sis­te­ma ner­vo­so cen­tral, pe­le, car­ti­la­gem, san­gue e ou­tras”, sin­te­ti­za a reu­ma­to­lo­gis­ta Ta­ti­a­na Mo­li­nas Ha­se­gawa.

Tra­ta­men­to

Ca­da ti­po de reu­ma­tis­mo exi­ge um tra­ta­men­to es­pe­ci­fi­co. O alí­vio das do­res cos­tu­ma exi­gir o uso de anal­gé­si­cos, mas aca­ba sen­do um pa­li­a­ti­vo, pois se a cau­sa do pro­ble­ma não for des­co­ber­ta e tra­ta­da ade­qua­da­men­te, as do­res re­tor­nam, qua­se sem­pre ain­da mais for­tes. “Por is­so, o tra­ta­men­to nu­tri­ci­o­nal aca­bou se tor­nan­do um co­ad­ju­van­te no tra­ta­men­to ge­ral des­sas en­fer­mi­da­des”, con­ta a nu­tri­ci­o­nis­ta An­drea Ma­rim.

Não dei­xe pa­ra ama­nhã

A des­co­ber­ta da cau­sa e da ori­gem do pro­ble­ma pre­ci­sa ser fei­ta o quan­to an­tes, já que, as­sim mai­o­res são as chan­ces de evi­tar pos­sí­veis com­pli­ca­ções ou o agra­va­men­to das do­res. Além dis­so, fa­ci­li­ta a pres­cri­ção de um tra­ta­men­to cor­re­to, o que aju­da a evi­tar que o incô­mo­do re­a­pa­re­ça. As­sim, é pre­ci­so ter aten­ção com os sin­to­mas. No en­tan­to, pa­ra se che­gar a um di­ag­nós­ti­co pre­ci­so de que se tra­ta de uma do­en­ça reu­má­ti­ca, é im­pres­cin­dí­vel uma vi­si­ta a um reu­ma­to­lo­gis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.