mu­de já!

É pos­sí­vel tra­tar as doen­ças reumáticas por meio de al­gu­mas mu­dan­ças im­por­tan­tes no dia a dia. Con­fi­ra!

Coleção Almanaque da Saúde - - DEFINIÇÃO -

Con­fi­ra quais ati­tu­des vo­cê po­de to­mar pa­ra me­lho­rar sua qua­li­da­de de vi­da

Quan­do al­go não es­tá bem com o seu or­ga­nis­mo, al­guns si­nais são en­vi­a­dos co­mo for­ma de aler­ta pa­ra vo­cê pres­tar mais aten­ção em sua saú­de. Ape­sar de ser re­co­men­da­do man­ter bons hábitos des­de sem­pre, al­gu­mas pes­so­as aca­bam não to­man­do cui­da­do e ma­les co­mo doen­ças reumáticas, por exem­plo, po­dem apa­re­cer. Nes­sa ho­ra, é pre­ci­so re­ver al­gu­mas ati­tu­des. Abai­xo, con­fi­ra di­cas do que vo­cê po­de fa­zer pa­ra afas­tar es­sas doen­ças da sua ro­ti­na.

Exer­cí­ci­os aquá­ti­cos, sim!

Hi­dro­gi­nás­ti­ca, na­ta­ção mo­de­ra­da, ca­mi­nha­da den­tro d’água… Es­sas e ou­tras ati­vi­da­des são in­di­ca­das pa­ra quem tem artrite ou artrose, já que a dor é ali­vi­a­da e o cor­po fi­ca mais fle­xí­vel. Mas lem­bre-se de con­sul­tar seu mé­di­co an­tes de co­me­çar a se exer­ci­tar.

Não so­bre­car­re­gue as ar­ti­cu­la­ções

Um dos fa­to­res de ris­co pa­ra o iní­cio das doen­ças reumáticas é o avan­ço da ida­de. Nes­te pe­río­do, al­gu­mas ati­vi­da­des ro­ti­nei­ras, co­mo abai­xar pa­ra pe­gar al­go no chão ou des­cer uma es­ca­da, po­dem se tor­nar ex­tre­ma­men­te des­gas­tan­tes. As­sim, fa­zer pe­que­nas mu­dan­ças den­tro de ca­sa (co­mo adap­ta­do­res pa­ra uten­sí­li­os do­més­ti­cos e a co­lo­ca­ção de bar­ras no ba­nhei­ro, pa­ra aju­dar no apoio do pa­ci­en­te) se tor­nam im­por­tan­te, a fim de evi­tar que o qua­dro da dor se­ja agra­va­do.

Pe­so con­tro­la­do

Os qui­li­nhos a mais, além de fa­vo­re­ce­rem o de­sen­vol­vi­men­to de doen­ças co­mo di­a­be­tes, co­les­te­rol al­to e hi­per­ten­são, po­dem ser fa­to­res pri­mor­di­ais pa­ra a evo­lu­ção das doen­ças reumáticas. Is­so por­que o ex­ces­so de pe­so ten­de a cau­sar uma so­bre­car­ga so­bre o cor­po, ace­le­ran­do o pro­ces­so de de­ge­ne­ra­ção das ar­ti­cu­la­ções. Por is­so, con­ser­var o pon­tei­ro da ba­lan­ça den­tro do re­co­men­da­do é pri­mor­di­al.

Não fu­me

Ain­da não se sa­be pre­ci­sa­men­te co­mo o fu­mo con­tri­bui com o de­sen­vol­vi­men­to da do­en­ça mas, se­gun­do in­for­ma­ções do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Trau­ma­to­lo­gia e Or­to­pe­dia (In­to), o ci­gar­ro po­de es­tar re­la­ci­o­na­do à ini­bi­ção dos os­te­o­blas­tos, cé­lu­las que pro­du­zem mas­sa ós­sea. As­sim, quan­to mai­or o nú­me­ro de ci­gar­ros fu­ma­dos, mai­or o ris­co de apre­sen­tar osteoporo­se.

AFASTE A NEGATIVIDADE

As do­res per­sis­ten­tes aca­bam ge­ran­do, além de to­do des­con­for­to, um qua­dro de tris­te­za. “Es­sas do­res es­go­tam os ní­veis de en­dor­fi­na e fa­zem com que o in­di­ví­duo en­tre em pro­ces­so de de­pres­são”, ex­pli­ca o neu­ro­ci­rur­gião Edu­ar­do Bar­re­to. O sen­ti­men­to ne­ga­ti­vo dei­xa a imu­ni­da­de do cor­po mui­to ex­pos­ta, o que po­de cau­sar ou­tras doen­ças ou pi­o­rar o pro­ble­ma que já es­tá ins­ta­la­do. Por is­so, a qual­quer si­nal de tris­te­za, an­si­e­da­de ou es­tres­se, pro­cu­re se cui­dar e tra­tar com o au­xí­lio de um pro­fis­si­o­nal. “A aju­da de um te­ra­peu­ta é de gran­de va­lia e po­de­rá aju­dar o in­di­ví­duo a ca­mi­nhar pa­ra uma vi­da mais fe­liz e har­mo­ni­o­sa”, acres­cen­ta o psi­co­te­ra­peu­ta Robby Ares.

Vi­ta­mi­na D

O po­der de uma ali­men­ta­ção sau­dá­vel é in­dis­cu­tí­vel. Os nu­tri­en­tes dos ali­men­tos po­dem pre­ve­nir ou até mes­mo me­lho­rar o qua­dro das in­fla­ma­ções. Es­se é o ca­so da vi­ta­mi­na D. “Ela es­tá re­la­ci­o­na­da ao di­a­be­tes, do­en­ça ce­lía­ca, vi­ti­li­go, artrite reu­ma­toi­de e es­cle­ro­se múl­ti­pla. Em mui­tos pa­ci­en­tes, quan­do su­ple­men­ta­dos com vi­ta­mi­na D (ou até mes­mo es­ti­mu­lan­do a pro­du­ção da vi­ta­mi­na por meio da ex­po­si­ção so­lar), con­se­gue-se um re­sul­ta­do sa­tis­fa­tó­rio no tra­ta­men­to des­sas doen­ças”, des­ta­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Ca­mi­la Bor­du­qui.

Fu­ja do se­den­ta­ris­mo

Se vo­cê ain­da não pra­ti­ca ne­nhu­ma ati­vi­da­de fí­si­ca, co­me­ce já. Um cor­po que não se mo­vi­men­ta aca­ba li­mi­tan­do su­as fun­ções e ge­ran­do pro­ble­mas, co­mo in­fla­ma­ções. Por exem­plo, uma pes­soa que pos­sui al­gu­ma do­en­ça in­fla­ma­tó­ria, que não sai do so­fá e fi­ca sem­pre nu­ma po­si­ção re­pe­ti­da po­de cau­sar um acú­mu­lo de lí­qui­do no in­te­ri­or da ar­ti­cu­la­ção in­fla­ma­da. Es­sa ati­tu­de é pra­ti­ca­men­te um ati­va­dor da dor e do mal-es­tar. Por is­so, me­xa-se. Cer­ca de 21 mi­nu­tos de exer­cí­ci­os fí­si­cos au­men­tam a pro­du­ção de se­ro­to­ni­na e do­pa­mi­na, subs­tân­ci­as que pro­te­gem con­tra a dor e ain­da pro­por­ci­o­nam sen­sa­ção de bem-es­tar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.