do­en­ça si­lenCi­o­sa

Co­nhe­ça mais so­bre a osteoporo­se, do­en­ça que afe­ta prin­ci­pal­men­te os ido­sos!

Coleção Almanaque da Saúde - - DEFINIÇÃO -

Co­mo a osteoporo­se acon­te­ce? Sai­ba tu­do so­bre ela!

Umas das prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas des­se pro­ble­ma é que, em ge­ral, não se sen­te na­da até acon­te­cer um aci­den­te, que po­de ser uma que­da ou pan­ca­da. Ela se de­sen­vol­ve de for­ma im­per­cep­tí­vel por vá­ri­os anos, e is­so acon­te­ce por­que os os­sos são es­tru­tu­ras vi­vas, for­ma­das por pro­teí­nas (co­lá­ge­no) e cál­cio e que es­tão em cons­tan­te pro­ces­so de re­no­va­ção. Eles per­dem cé­lu­las “ve­lhas” e ga­nham “no­vas”, pa­ra po­der man­te­rem a re­sis­tên­cia. No en­tan­to, con­for­me o tem­po pas­sa, o pro­ces­so co­me­ça a fi­car de­si­gual e, com is­so, os os­sos fi­cam fra­gi­li­za­dos.

Des­co­brin­do a do­en­ça...

O nor­mal é que se vá ga­nhan­do sem­pre mais mas­sa ós­sea até atin­gir um pi­co, em ge­ral, aos 25 anos de ida­de. Mas a par­tir dos 40 anos, tan­to ho­mens co­mo mu­lhe­res ten­dem a ini­ci­ar um pro­ces­so de en­fra­que­ci­men­to dos os­sos. Mas is­so tu­do va­ria mui­to de pes­soa a pes­soa, além de ser um pro­ces­so que po­de ter re­la­ção com fa­to­res di­ver­sos co­mo ge­né­ti­ca, hábitos ali­men­ta­res, ní­vel de ati­vi­da­de fí­si­ca ou se­den­ta­ris­mo e pro­du­ção hor­mo­nal. É mui­to di­fí­cil fa­lar em sin­to­mas de osteoporo­se, pois a do­en­ça em si não cau­sa ne­nhum mal-es­tar ou des­con­for­to. Mui­tas pes­so­as ain­da acre­di­tam que a osteoporo­se cau­sa fra­tu­ras es­pon­tâ­ne­as, mas is­so é mui­to ra­ro. Só acon­te­ce em es­tá­gi­os mui­to avan­ça­dos e, em ge­ral, em pes­so­as bem mais ido­sas, a mai­o­ria com mais de 80 anos.

Tra­ta­men­to

De­pois do di­ag­nós­ti­co, a me­di­ca­ção é re­a­li­za­da a par­tir de mé­to­dos que vi­sam for­ne­cer su­ple­men­ta­ção dos nu­tri­en­tes em fal­ta no or­ga­nis­mo pa­ra evi­tar no­vas le­sões. “O tra­ta­men­to con­sis­te prin­ci­pal­men­te na ad­mi­nis­tra­ção de cál­cio e vi­ta­mi­na D”, apon­ta o reu­ma­to­lo­gis­ta Ju­lio Hor­ta. Mas sem dú­vi­da, sem­pre é bom lem­brar que a pre­ven­ção é o me­lhor ca­mi­nho. Ado­tar hábitos sau­dá­veis des­de a in­fân­cia, co­mo man­ter uma ali­men­ta­ção equi­li­bra­da e a prá­ti­ca re­gu­lar de ati­vi­da­des fí­si­cas são me­di­das es­sen­ci­ais.

Mi­ne­ral fun­da­men­tal

A osteoporo­se é ca­rac­te­ri­za­da pe­la di­mi­nui­ção da den­si­da­de mi­ne­ral ós­sea, que oca­si­o­na per­das im­por­tan­tes de cál­cio – mi­ne­ral fun­da­men­tal pa­ra a ma­nu­ten­ção do te­ci­do ós­seo. Por is­so, é ne­ces­sá­rio dar uma aten­ção es­pe­ci­al à ali­men­ta­ção, prin­ci­pal­men­te as mu­lhe­res que já ini­ci­a­ram a me­no­pau­sa. “O cál­cio po­de ser en­con­tra­do em la­ti­cí­ni­os (lei­te, quei­jos e io­gur­tes), mas tam­bém em ve­ge­tais ver­de-es­cu­ros. No en­tan­to, pre­fi­ra lei­te des­na­ta­do em vez do in­te­gral e subs­ti­tua o quei­jo ama­re­lo pe­los quei­jos bran­cos, que têm bo­as quan­ti­da­des de cál­cio, mas me­nos gor­du­ras”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta An­dréia João.

Com­bi­na­ção que de­ve ser evi­ta­da

Ape­sar de a ali­men­ta­ção ser uma das me­lho­res ma­nei­ras de pre­ve­nir a per­da de mas­sa ós­sea, al­guns nu­tri­en­tes po­dem pre­ju­di­car a ab­sor­ção de ou­tros. “Há uma com­pe­ti­ção en­tre al­guns mi­ne­rais. Nes­se ca­so, o mai­or com­pe­ti­dor do cál­cio é o fer­ro, ou se­ja, é im­por­tan­te evi­tar a pre­sen­ça dos dois em uma mes­ma re­fei­ção, pois um po­de atra­pa­lhar a ab­sor­ção do ou­tro pe­lo or­ga­nis­mo”, ex­pli­ca a es­pe­ci­a­lis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.