mais saú­de no pra­to

O que vo­cê acha de in­ves­tir na ali­men­ta­ção pa­ra pre­ve­nir as cau­sas e sin­to­mas das doen­ças lis­ta­das nas pá­gi­nas an­te­ri­o­res?

Coleção Almanaque da Saúde - - DEFINIÇÃO -

Ve­ja uma lis­ta de ali­men­tos que aju­da a ame­ni­zar as do­res reumáticas!

Quan­do uma pes­soa é di­ag­nos­ti­ca­da com al­gum pro­ble­ma reu­má­ti­co, é ne­ces­sá­rio ado­tar no­vos hábitos que afas­tem as do­res, co­mo re­a­li­zar ati­vi­da­des fí­si­cas e ter o acom­pa­nha­men­to de um es­pe­ci­a­lis­ta que po­de­rá in­di­car o que de­ve ser fei­to pa­ra ele­var a qua­li­da­de de vi­da do pa­ci­en­te. Po­rém, vo­cê sa­bia que a ali­men­ta­ção é uma for­te ali­a­da de quem so­fre com es­se ti­po de do­en­ça? Is­so acon­te­ce por­que al­guns in­gre­di­en­tes e ali­men­tos pos­su­em pro­pri­e­da­des anti-in­fla­ma­tó­ri­as, que re­du­zem a ação des­ses sin­to­mas. “Se­guir uma di­e­ta ba­lan­ce­a­da, sem exa­ge­ros, evi­tan­do o ga­nho de pe­so, pro­te­ge as pes­so­as con­tra uma sé­rie de pa­to­lo­gi­as, in­clu­si­ve o reu­ma­tis­mo”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Mi­ri­an Mar­ti­nez. A se­guir, vo­cê con­fe­re uma se­le­ção de in­gre­di­en­tes ca­pa­zes de pro­te­ger sua saú­de e afas­tar os pro­ble­mas cau­sa­dos pe­las doen­ças reumáticas. Mas lem­bre-se: não dei­xe de la­do os me­di­ca­men­tos e as re­co­men­da­ções do seu mé­di­co!

Ai­po

Ain­da pou­co con­su­mi­do no dia a dia das pes­so­as, ele é efi­caz con­tra o pro­ces­so in­fla­ma­tó­rio, de­vi­do a pre­sen­ça de um com­pos­to de­no­mi­na­do lu­te­o­li­na. Es­sa subs­tân­cia con­se­gue im­pe­dir que as in­fla­ma­ções apa­re­çam de ma­nei­ra su­ces­si­va, me­lho­ran­do o bem-es­tar de quem so­fre com as do­res.

Aba­ca­te

É mui­to ri­co nu­tri­ci­o­nal­men­te. A fru­ta de­sem­pe­nha um po­de­ro­so pa­pel anti-in­fla­ma­tó­rio no or­ga­nis­mo, além de con­tar com a pre­sen­ça de ôme­ga 3 em sua com­po­si­ção, áci­do gra­xo es­sen­ci­al que com­ba­te os sin­to­mas da artrite reu­ma­toi­de.

Aba­ca­xi

Além de sua gran­de quan­ti­da­de de vi­ta­mi­na C, res­pon­sá­vel por fa­vo­re­cer o sis­te­ma imu­no­ló­gi­co, ele é ri­co em bro­me­li­na, uma en­zi­ma que co­la­bo­ra não só com a di­ges­tão da car­ne, mas tam­bém com o blo­queio de agen­tes que cau­sam as in­fla­ma­ções nas mais di­ver­sas re­giões de cor­po.

Ace­ro­la

Res­pon­sá­vel por car­re­gar con­si­go uma quan­ti­da­de bas­tan­te sig­ni­fi­ca­ti­va de vi­ta­mi­na C, es­sa fru­ta aju­da na for­ma­ção do co­lá­ge­no, subs­tân­cia en­con­tra­da em to­das as ar­ti­cu­la­ções do cor­po hu­ma­no. Só pa­ra se ter uma ideia, 100g de ace­ro­la apre­sen­ta mais de 1.500mg de vi­ta­mi­na C. Por ter um sa­bor con­si­de­ra­do aze­do por mui­tos, a fru­ta po­de ser con­su­mi­da em gran­des quan­ti­da­des co­mo in­gre­di­en­te de di­ver­sos su­cos.

Alho

O bul­bo é fa­mo­so por pro­por­ci­o­nar be­ne­fí­ci­os ao sis­te­ma car­di­o­vas­cu­lar, ou se­ja,

com­ba­te a pres­são al­ta e de­sem­pe­nha po­de­ro­sas ações an­ti­o­xi­dan­tes, por meio de um com­pos­to cha­ma­do ali­ci­na, subs­tân­cia que de­sem­pe­nha ações imu­no­es­ti­mu­lan­tes, an­ti­bac­te­ri­a­nas, an­ti­vi­rais e anti-in­fla­ma­tó­ri­as.

Azei­te

Ex­ce­len­te anti-in­fla­ma­tó­rio e an­ti­o­xi­dan­te, ele é um acom­pa­nha­men­to ide­al pa­ra sa­la­das e ou­tros pra­tos. “O azei­te tam­bém au­xi­lia na neu­tra­li­za­ção dos ra­di­cais li­vres, aju­dan­do a com­ba­ter o en­ve­lhe­ci­men­to das cé­lu­las e di­mi­nuin­do as chan­ces de de­sen­ca­de­ar al­guns ti­pos de doen­ças co­mo o cân­cer”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Lu­a­na Vas­con­ce­los.

Ba­ta­ta-do­ce

É a gran­de ami­ga das di­e­tas fit­ness e tam­bém pos­sui van­ta­gens con­tra as doen­ças reumáticas. Is­so por­que a ba­ta­ta-do­ce é ri­ca em vi­ta­mi­na A e tem uma gran­de par­ti­ci­pa­ção na re­ge­ne­ra­ção ce­lu­lar, além de con­tri­buir pa­ra a boa atu­a­ção das de­fe­sas do cor­po, po­ten­ci­a­li­zan­do o sis­te­ma imu­ne. Mas um de seus prin­ci­pais be­ne­fí­ci­os con­tra o reu­ma­tis­mo é a ca­pa­ci­da­de de man­ter um cres­ci­men­to ós­seo sau­dá­vel e evi­tar a de­ge­ne­ra­ção das ar­ti­cu­la­ções, já que a de­fi­ci­ên­cia da vi­ta­mi­na no or­ga­nis­mo po­de oca­si­o­nar es­ses dois pro­ble­mas. Sem con­tar que o ali­men­to pos­sui car­boi­dra­tos de len­ta ab­sor­ção, ide­al pa­ra di­a­bé­ti­cos.

Be­ter­ra­ba

É co­nhe­ci­da por sua co­lo­ra­ção ver­me­lha clás­si­ca po­rém é um le­gu­me ri­co em um com­pos­to co­nhe­ci­do co­mo be­ta­laí­na, que po­de con­tro­lar e eli­mi­nar in­fla­ma­ções e, com is­so, re­du­zir os sin­to­mas da artrite e até mes­mo da artrose. Ela ain­da pos­sui quan­ti­da­des sig­ni­fi­ca­ti­vas de an­ti­o­xi­dan­tes, vi­ta­mi­na C e fi­bras, que aju­dam a afas­tar doen­ças car­día­cas e até mes­mo o cân­cer.

Bró­co­lis

Além de ser mui­to sa­bo­ro­so e con­ter uma vas­ta lis­ta de qua­li­da­des nu­tri­ci­o­nais, o bró­co­lis tam­bém pos­sui ação con­tra as in­fla­ma­ções, de­vi­do à pre­sen­ça de sul­fo­ra­fa­nos, fi­toquí­mi­cos que ini­bem o seu de­sen­vol­vi­men­to. Além dis­so, a pre­sen­ça de cál­cio, em al­tas con­cen­tra­ções, au­xi­lia na saú­de dos os­sos e atua na pre­ven­ção de uma das mais pe­ri­go­sas doen­ças reumáticas: a osteoporo­se. “O bró­co­lis pos­sui subs­tân­ci­as an­ti­o­xi­dan­tes e é ri­co em fi­bras, atu­an­do na re­du­ção da hi­per­ten­são ou pres­são al­ta e com­ba­ten­do a pri­são de ven­tre. É fon­te de cál­cio, aju­dan­do na pre­ven­ção da osteoporo­se e na for­ma­ção dos os­sos e den­tes, sen­do im­por­tan­te pa­ra ido­sos, cri­an­ças, ado­les­cen­tes e ges­tan­tes”, res­sal­ta a nu­tri­ci­o­nis­ta Te­re­sa La­ban­ca.

Ce­bo­la

Mui­to usa­da pa­ra tem­pe­rar os mais va­ri­a­dos pra­tos, ela pos­sui ní­veis con­si­de­rá­veis de fi­toquí­mi­cos, que afas­tam o ris­co de in­fla­ma­ções no cor­po. Al­guns es­tu­dos afir­mam que a quer­ce­ti­na, subs­tân­cia pre­sen­te na ce­bo­la, é a res­pon­sá­vel por es­se efei­to.

Chá bran­co

Es­sa be­bi­da é ri­ca em an­ti­o­xi­dan­tes e com­pos­tos fe­nó­li­co, os quais po­dem di­mi­nuir a in­ci­dên­cia de in­fla­ma­ções por to­do o cor­po. Por­tan­to, o chá bran­co é uma op­ção sau­dá­vel pa­ra os lan­ches in­ter­me­diá­ri­os.

Chá ver­de

A con­cen­tra­ção de ca­te­qui­nas, po­li­fe­nóis que atu­am con­tra as in­fec­ções e in­fla­ma­ções de doen­ças com po­der de­ge­ne­ra­ti­vo, faz do chá ver­de um gran­de ali­a­do na lu­ta con­tra o reu­ma­tis­mo. “O chá ver­de é an­ti­o­xi­dan­te e pos­sui ca­pa­ci­da­de de de­sin­to­xi­car o or­ga­nis­mo, pois ati­va en­zi­mas do fí­ga­do que eli­mi­nam as to­xi­nas. A be­bi­da ain­da é ri­ca em po­li­fe­nóis, co­mo as ca­te­qui­nas”, com­ple­ta a nu­tri­ci­o­nis­ta Grei­ce Ca­ro­li­ne Bag­gio.

Chia

A se­men­te é mui­to po­de­ro­sa, pois pro­mo­ve ga­nhos im­por­tan­tes ao cor­po. “A chia é uma das me­lho­res fon­tes ve­ge­tais de ôme­ga-3. Ela é con­si­de­ra­da um su­pe­ra­li­men­to por con­ter mui­tos be­ne­fí­ci­os à saú­de e, em par­ti­cu­lar, pe­la pre­sen­ça des­se áci­do gra­xo, que com­ba­te as in­fla­ma­ções do or­ga­nis­mo”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Ro­be­na Mo­li­na­ri. Além dis­so, a chia mos­tra-se efi­caz na pre­ven­ção de doen­ças car­di­o­vas­cu­la­res, di­a­be­tes e até mes­mo em al­guns ti­pos de cân­cer.

Co­co

Além de pos­suir pro­pri­e­da­des anti-in­fla­ma­tó­ri­as, es­sa fru­ta é res­pon­sá­vel por con­fe­rir ou­tros be­ne­fí­ci­os à saú­de. Is­so acon­te­ce por­que ela é fon­te de sais mi­ne­rais, co­mo po­tás­sio, fós­fo­ro, só­dio e clo­ro. Quer mais mo­ti­vos pa­ra in­cluir o co­co em seu car­dá­pio diá­rio? Ele con­ta com pro­teí­nas im­por­tan­tes pa­ra o fun­ci­o­na­men­to do or­ga­nis­mo e fi­bras que es­ti­mu­lam a ati­vi­da­de in­tes­ti­nal.

Cou­ve

A hor­ta­li­ça faz par­te da lis­ta de ali­men­tos anti-inflamatórios por pos­suir um al­to po­ten­ci­al an­ti­o­xi­dan­te, que au­xi­lia o or­ga­nis­mo a com­ba­ter os ra­di­cais li­vres e a for­ta­le­cer as de­fe­sas do cor­po, de­sem­pe­nhan­do ações pre­ven­ti­vas con­tra agen­tes in­va­so­res que pos­sam de­sen­vol­ver uma pos­sí­vel in­fla­ma­ção. “O po­der an­ti­o­xi­dan­te da cou­ve se de­ve ao seu ele­va­do te­or de vi­ta­mi­na C. Por ser an­ti­o­xi­dan­te, seu con­su­mo re­duz ris­co de cân­cer e de doen­ças car­di­o­vas­cu­la­res, além de con­tri­buir pa­ra a saú­de da pe­le”, acres­cen­ta a nu­tri­ci­o­nis­ta Ana­lui­za No­guei­ra dos San­tos.

Mo­ran­go

Da fa­mí­lia das fru­tas ver­me­lhas, pos­sui áci­do elá­gi­co que, além de an­ti­o­xi­dan­te, ain­da de­sem­pe­nha ações an­ti­can­ce­rí­ge­nas. “As fru­tas ver­me­lhas tam­bém são ri­cas em an­to­ci­a­ni­nas, subs­tân­ci­as com ação an­ti­o­xi­dan­te e anti-in­fla­ma­tó­ria, que com­ba­tem o en­ve­lhe­ci­men­to pre­co­ce e pre­vi­nem doen­ças”, ex­pli­ca a nu­tri­ci­o­nis­ta Ca­ro­li­na Mar­ques.

Gen­gi­bre

Pos­sui subs­tân­ci­as na­tu­ral­men­te anti-in­fla­ma­tó­ri­as, co­mo o gin­ge­rol, que re­duz a pro­du­ção de com­pos­tos cha­ma­dos pros­ta­glan­di­nas, res­pon­sá­veis por ge­rar pro­ces­sos inflamatórios no nos­so or­ga­nis­mo. “Além dis­so, por ser ri­co em vi­ta­mi­nas C e B6, o gen­gi­bre apre­sen­ta pro­pri­e­da­des an­ti­o­xi­dan­tes que pro­te­gem o or­ga­nis­mo de bac­té­ri­as e fun­gos, au­men­tan­do a imu­ni­da­de.”, en­si­na a nu­tri­ci­o­nis­ta He­loi­sa Te­ves Scat­ti­ni. Por is­so, sem­pre que pos­sí­vel, op­te por uti­li­zar es­se tem­pe­ro em su­as pre­pa­ra­ções. Li­mão Mui­to lem­bra­do de­vi­do ao seu al­to te­or de vi­ta­mi­na C, a fru­ta tam­bém é re­co­men­da­da pa­ra pes­so­as que que­rem di­mi­nuir os pro­ble­mas cau­sa­dos pe­las doen­ças reumáticas.

Um dos seus com­po­nen­tes es­sen­ci­ais, os bi­o­fla­vo­noi­des (mais en­con­tra­dos na cas­ca), atu­am co­mo um efe­ti­vo an­ti­bió­ti­co na­tu­ral no or­ga­nis­mo e tam­bém ali­via qual­quer ti­po de in­fla­ma­ção.

Li­nha­ça

A se­men­te, em si, já pro­mo­ve gran­des be­ne­fí­ci­os ao or­ga­nis­mo, co­mo a re­gu­la­ção do in­tes­ti­no e o com­ba­te ao co­les­te­rol ruim (LDL) por meio da al­ta con­cen­tra­ção de fi­bras. Já quan­do con­su­mi­da em for­ma de óleo, os áci­dos gra­xos são mais apro­vei­ta­dos, o que se tor­na um pra­to cheio con­tra as in­fla­ma­ções. “No óleo, é pos­sí­vel en­con­trar áci­dos gra­xos que atu­am de ma­nei­ra be­né­fi­ca na in­fla­ma­ção, na re­du­ção do co­les­te­rol e na saú­de do co­ra­ção. Por­tan­to, quan­do se con­so­me o óleo da se­men­te de li­nha­ça, seus be­ne­fí­ci­os se­rão ga­ran­ti­dos com mai­or efe­ti­vi­da­de”, es­cla­re­ce a nu­tri­ci­o­nis­ta Li­li­an Spe­zi­a­li.

Ma­çã

Uma das fru­tas mais con­su­mi­das pe­los bra­si­lei­ros, a ma­çã tem mais um mo­ti­vo pa­ra fa­zer par­te do seu pla­no ali­men­tar: ela é ca­paz de tra­tar qual­quer ti­po de pro­ces­so in­fla­ma­tó­rio. De acor­do com um es­tu­do re­a­li­za­do pe­lo De­par­ta­men­to de Imu­no­lo­gia e Doen­ças In­fec­ci­o­sas da Uni­ver­si­da­de Es­ta­tal de Mon­ta­na (Es­ta­dos Uni­dos), a cas­ca des­sa fru­ta con­tém uma en­zi­ma que aju­da a lu­tar con­tra as cha­ma­das cé­lu­las T, que pro­du­zem as in­fla­ma­ções. Ela tam­bém po­de ser uti­li­za­da no pre­pa­ro de su­cos, pois seu sa­bor neu­tro é bas­tan­te ver­sá­til.

Ma­mão

A pa­paí­na en­con­tra­da nes­sa fru­ta é a res­pon­sá­vel por di­mi­nuir as in­fla­ma­ções em to­do o cor­po, in­clu­si­ve nas ar­ti­cu­la­ções. Além dis­so, o ma­mão tem po­de­res di­ges­ti­vos, que me­lho­ram o fun­ci­o­na­men­to do in­tes­ti­no e ex­pul­sam subs­tân­ci­as in­de­se­ja­das. A fru­ta tam­bém tem pa­pel an­ti­o­xi­dan­te e eli­mi­na os ra­di­cais li­vres do or­ga­nis­mo.

No­zes

É uma ole­a­gi­no­sa fon­te do mi­ne­ral man­ga­nês. “Ele é ne­ces­sá­rio pa­ra o cres­ci­men­to e a re­pro­du­ção de os­sos nor­mais. Além dis­so, atua na saú­de dos ner­vos, do sis­te­ma imu­no­ló­gi­co e na nor­ma­li­za­ção do ní­vel de gli­co­se no san­gue”, afir­ma a nu­tri­ci­o­nis­ta Li­li­an Spe­zi­al­li.

Pi­men­tas

A vi­ta­mi­na C, en­con­tra­da nas pi­men­tas atua co­mo um an­ti­o­xi­dan­te. Ao mes­mo tem­po, aju­da a com­ba­ter os ra­di­cais li­vres no seu cor­po e re­du­zir a in­fla­ma­ção. De­vi­do a is­so, di­mi­nui a quan­ti­da­de de dor que a artrite cau­sa.

Re­po­lho ro­xo

É a ver­são me­nos con­su­mi­da da hor­ta­li­ça e po­de ser pre­pa­ra­do co­mo sa­la­da com ou­tros le­gu­mes. O re­po­lho con­tém gran­des quan­ti­da­des de an­to­ci­a­ni­nas, subs­tân­ci­as que fa­zem da hor­ta­li­ça um po­de­ro­so agen­te con­tra in­fla­ma­ções. Além dis­so, tam­bém é res­pon­sá­vel por con­tro­lar a ab­sor­ção de açú­car no san­gue, me­lho­rar a vi­são e pro­te­ger o estô­ma­go de pro­ble­mas co­mo as úl­ce­ras e a gas­tri­te.

To­ma­te

Qu­e­ri­di­nho na ho­ra do pre­pa­ro das sa­la­das, ele é ri­co em li­co­pe­no, um po­de­ro­so an­ti­o­xi­dan­te que com­ba­te a in­fla­ma­ção dos pul­mões e de ou­tras par­tes do cor­po. Ele tam­bém aju­da na pre­ven­ção do cân­cer de prós­ta­ta, ma­ma, có­lon e pân­cre­as. E o me­lhor é que, quan­do aque­ci­do, o to­ma­te au­men­ta a quan­ti­da­de des­sa subs­tân­cia, ou se­ja, os mo­lhos na­tu­rais tam­bém são uma im­por­tan­te ar­ma con­tra os pro­ces­sos inflamatórios e po­dem ser con­su­mi­dos sem qual­quer ti­po de per­da dos nu­tri­en­tes.

Ra­ba­ne­te

Per­ten­ce à fa­mí­lia das Bras­si­ca­ce­ae. Es­ses ve­ge­tais são co­nhe­ci­dos pe­la sua ri­que­za em pro­pri­e­da­des an­ti­o­xi­dan­tes. Além dis­so, seu con­su­mo re­duz a tem­pe­ra­tu­ra do cor­po e a ali­via a in­fla­ma­ção.

Na­bo

É um ex­ce­len­te anti-in­fla­ma­tó­rio na­tu­ral, se­ja em uso ex­ter­no ou in­ter­no, pa­ra além de ou­tras pro­pri­e­da­des me­di­ci­nais que pos­sui. O seu ca­ta­plas­ma com­ba­te fri­ei­ras, ar­do­res e in­fla­ma­ções ge­rais.

Al­mei­rão

Es­se ve­ge­tal traz alí­vio pa­ra quem so­fre com do­res mus­cu­la­res e nas ar­ti­cu­la­ções. Is­so é uma van­ta­gem pa­ra quem so­fre com es­se ti­po de pro­ble­ma ou se de­di­ca com frequên­cia a ati­vi­da­des fí­si­cas e não de­se­ja fi­car pa­ra­do por mui­to tem­po quan­do en­fren­tar es­se ti­po de si­tu­a­ção em de­cor­rên­cia de seus trei­na­men­tos.

Mir­ti­lo

Es­sa fru­ta é uma das fon­tes na­tu­rais mais ri­cas de an­to­ci­a­ni­nas. Seus com­po­nen­tes são os res­pon­sá­veis pe­la sua cor azul, o que con­fe­re al­ta quan­ti­da­de de an­ti­o­xi­dan­tes à fru­ta. Em­bo­ra se­ja mais co­nhe­ci­do por me­lho­rar a vi­são, há re­la­tos de que o mir­ti­lo aju­da a bai­xar o ní­vel de açú­car no san­gue, tem efei­tos anti-inflamatórios e aju­da a con­tro­lar o co­les­te­rol ruim.

Ama­re­na

De acor­do com um es­tu­do re­a­li­za­do pe­la Ore­gon & Sci­en­ce Uni­ver­sity em São Fran­cis­co, as ama­re­nas (Pru­nus ce­ra­sus), pos­su­em ex­ce­len­tes pro­pri­e­da­des anti-in­fla­ma­tó­ri­as e, por­tan­to são mui­to in­di­ca­das pa­ra aque­les que so­frem de artrite. Os atle­tas, que su­jei­tam o es­que­le­to e as ar­ti­cu­la­ções ao es­tres­se ex­ces­si­vo, tam­bém de­vem apro­vei­tar des­te fru­to pa­ra pro­por­ci­o­nar alí­vio ao cor­po.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.