Re­for­ma do ensino mé­dio tam­bém vai mu­dar Enem

Correio da Bahia - - Mais - Thais.bor­ges@re­de­bahia.com.br

Des­de a se­ma­na pas­sa­da, o anún­cio de que o ensino mé­dio vai mu­dar, fei­to pe­lo go­ver­no fe­de­ral, tem dei­xa­do os es­tu­dan­tes com mui­tas in­cer­te­zas — e não só de quem es­tá em al­gu­ma das três sé­ri­es do ci­clo. Mais do que a po­lê­mi­ca mu­dan­ça nos con­teú­dos, a re­for­ma sig­ni­fi­ca no­vi­da­des na pro­va do Exa­me Na­ci­o­nal do Ensino Mé­dio (Enem).

Se­gun­do o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção (MEC), a edi­ção des­te ano, que acon­te­ce nos di­as 5 e 6 de no­vem­bro, não so­fre­rá ne­nhu­ma al­te­ra­ção. Mas, após o pe­río­do de adap­ta­ção, que in­clui 2017, a edi­ção do Enem de 2018 já de­ve ser um pou­co di­fe­ren­te. O MEC ain­da es­tu­da as pos­si­bi­li­da­des e, de acor­do com a se­cre­tá­ria-exe­cu­ti­va da pas­ta, Maria Helena Gui­ma­rães Cas­tro, uma de­las é de que exis­ta uma pro­va na­ci­o­nal se­gui­da de ou­tra ava­li­a­ção “de apro­fun­da­men­to” na área do cur­so es­co­lhi­do.

Es­sa pro­va — que, de cer­ta for­ma, lem­bra a an­ti­ga ‘se­gun­da fa­se’ de ves­ti­bu­la­res co­mo o da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Bahia (Ufba) — po­de­ria ser fei­ta tan­to a ní­vel na­ci­o­nal quan­to pe­la fa­cul­da­de pre­ten­di­da pe­lo alu­no. Ou­tra op­ção, ain­da se­gun­do ela, é de que a pro­va fi­que mais exi­gen­te — e pa­re­ci­da com o ves­ti­bu­lar da Fu­vest, que se­le­ci­o­na os es­tu­dan­tes pa­ra a Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP).

“Es­tou fa­lan­do em uma hi­pó­te­se: po­de­mos ter um Enem na­ci­o­nal que ava­lia o que for apro­va­do no pró­xi­mo ano na Ba­se Na­ci­o­nal Co­mum (BNCC) e po­de­mos ter ava­li­a­ções na­ci­o­nais ou en­tão das pró­pri­as uni­ver­si­da­des da­qui­lo que é área de apro­fun­da­men­to”, afir­mou ela ao por­tal G1.

“En­tão, por exem­plo, pa­ra en­trar no cur­so de Me­di­ci­na, pos­so ter uma pro­va na­ci­o­nal só na área de apro­fun­da­men­to de ci­ên­ci­as da saú­de, de­pois de ter fei­to a pro­va da ba­se na­ci­o­nal co­mum obri­ga­tó­ria pa­ra to­dos. Daí, te­nho uma pro­va na área de apro­fun­da­men­to até mui­to mais exi­gen­te do que o atu­al Enem, co­mo é, por exem­plo, o ves­ti­bu­lar da USP ho­je”, com­ple­tou.

Pa­ra o su­pe­rin­ten­den­te de Edu­ca­ção Bá­si­ca da Se­cre­ta­ria da Edu­ca­ção do Es­ta­do (SEC), Ney Cam­pel­lo, não há dú­vi­da de que o Enem pre­ci­sa mu­dar. “O que sus­ten­ta­va es­se mo­de­lo é que a apli­ca­ção era úni­ca. O sis­te­ma ra­ci­o­ci­na­va que era pos­sí­vel fa­zer um úni­co Enem. Se mu­dou o mo­de­lo, o go­ver­no fe­de­ral te­rá que mu­dar o Enem e a pro­va te­rá que li­dar com as di­fe­ren­ças re­gi­o­nais”, dis­se.

Go­ver­no si­na­li­za mo­di­fi­ca­ção em exa­me pa­ra os pró­xi­mos anos

MAIS ES­TU­DOS

En­tre os es­tu­dan­tes, a no­tí­cia ca­sou um re­bu­li­ço — até por­que nin­guém sa­be, ao cer­to, co­mo as coi­sas se­rão. Aluna do 2º ano do Co­lé­gio Ber­noul­li, Lai­sa Pai­va, 17 anos, es­tá pre­o­cu­pa­da com o quan­to se­rá afe­ta­da pe­las no­vi­da­des, já que es­tá no meio do ci­clo do ensino mé­dio. “Se as uni­ver­si­da­des pú­bli­cas vol­ta­rem com as ques­tões de pro­vas aber­tas, por exem­plo, co­mo uma se­gun­da fa­se, vai im­pli­car em bas­tan­te di­fi­cul­da­de, por­que, ca­so es­sa se­gun­da fa­se se­ja em ou­tro es­ta­do, até pas­sa­gem va­mos ter que com­prar”, pon­de­rou.

As ‘se­gun­das fa­ses’ dos pro­ces­sos se­le­ti­vos pa­ra a uni­ver­si­da­de eram bem co­muns an­tes da mai­o­ria das ins­ti­tui­ções ado­tar o Sis­te­ma Úni­co de Se­le­ção Uni­fi­ca­da (Si­su). A Ufba, in­clu­si­ve, man­te­ve o Enem co­mo pri­mei­ra fa­se e fa­zia uma se­gun­da eta­pa pró­pria até 2013. “Is­so me pre­o­cu­pa mui­to, por­que uma pro­va des­sas é mui­to di­fe­ren­te do Enem. Tem con­teú­dos es­pe­cí­fi­cos, obras pa­ra ler... Co­mo que­ro fa­zer Me­di­ci­na, o de­ses­pe­ro du­pli­ca”.

Já no 3º ano do Co­lé­gio Vi­tó­ria-Ré­gia, o es­tu­dan­te Pe­dro Le­al es­tá um pou­co mais tran­qui­lo — mas só por­que es­tá con­fi­an­te o su­fi­ci­en­te pa­ra ter qua­se cer­te­za que a apro­va­ção em Ge­o­fí­si­ca vi­rá já es­te ano. “Me pre­pa­rei e acho que pas­so lo­go, mas fi­quei pre­o­cu­pa­do, por­que es­sa re­for­ma tem coi­sas bo­as, mas tem mui­tas coi­sas ruins. A coi­sa de es­co­lher a gra­de cur­ri­cu­lar é al­go bom, mas acho que os es­tu­dan­tes bra­si­lei­ros não têm ma­tu­ri­da­de pa­ra is­so”.

Pe­dro Le­al, que es­tá cur­san­do o 3º ano, acre­di­ta que mu­dan­ça no Enem pre­ci­sa con­si­de­rar as­pec­tos so­ci­ais

Lai­sa Pai­va, 17, aluna do 2º ano, acre­di­ta que mu­dan­ças no ensino mé­dio po­dem tra­zer mais di­fi­cul­da­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.