Vi­da

Correio da Bahia - - Mais - Marília Moreira, de Join­vil­le ma­ri­lia.sil­va@re­de­bahia.com.br *A JOR­NA­LIS­TA VI­A­JOU A CON­VI­TE DA COELBA, EM­PRE­SA AMI­GA DO BOLSHOI

No pal­co, sor­ri­sos lar­gos, pas­sos rit­ma­dos, aplau­sos da pla­teia. Uma ho­ra an­tes, cor­re­ria nos bas­ti­do­res: entrevista, fi­gu­ri­no, ma­qui­a­gem, sel­fi­es no ca­ma­rim. Há dois anos, es­sa ro­ti­na não pas­sa­va de um so­nho dis­tan­te. Mas os bai­a­nos Gi­o­va­ne San­ta­na de Je­sus, 13 anos, e Ja­de­son San­tos Reis, 11, fi­ze­ram por on­de tu­do is­so se tor­nar re­a­li­da­de. A pe­que­na tra­je­tó­ria de vi­da de ca­da um de­les po­de ser re­su­mi­da em qu­a­tro pa­la­vras: de­se­jo, de­ter­mi­na­ção, dis­ci­pli­na e gra­ti­dão.

Com o apoio da fa­mí­lia e de ami­gos, os dois che­ga­ram, ano pas­sa­do, à Es­co­la do Te­a­tro Bolshoi, em Join­vil­le, San­ta Ca­ta­ri­na. Pas­sa­ram por um ri­go­ro­so pro­ces­so se­le­ti­vo que su­pe­ra os mais con­cor­ri­dos ves­ti­bu­la­res do país, com mais de 50 can­di­da­tos con­cor­ren­do a uma va­ga .

Atu­al­men­te, 219 es­tu­dan­tes es­tão ma­tri­cu­la­dos no Bolshoi, sen­do 18 de­les bai­a­nos. Os alu­nos re­ce­bem bol­sa in­te­gral pa­ra es­tu­dar dan­ça e mú­si­ca. Na úni­ca fi­li­al do re­no­ma­do ba­lé rus­so em to­do mun­do, eles ain­da têm di­rei­to a mui­tos be­ne­fí­ci­os, pe­los quais não pa­gam na­da.

Pa­ra is­so, os ga­ro­tos pre­ci­sam man­ter um bom de­sem­pe­nho na es­co­la re­gu­lar du­ran­te os oi­to anos de for­ma­ção co­mo bai­la­ri­nos pro­fis­si­o­nais. Ja­de­son e Gi­o­va­ne fa­zem par­te dos 78% de alu­nos do Bolshoi ma­tri­cu­la­dos em es­co­las pú­bli­cas de Join­vil­le e ain­da in­te­gram ou­tro da­do: es­tão en­tre os 30% de bol­sis­tas da ins­ti­tui­ção cu­jas fa­mí­li­as vi­vem com ape­nas um sa­lá­rio mí­ni­mo.

MU­DAN­ÇA

No ca­so de Gi­o­va­ne, a fa­mí­lia em­bar­cou no so­nho jun­to com ele. Em ja­nei­ro de 2015, ain­da mo­ran­do em Ci­pó, no nor­des­te bai­a­no, eles ba­te­ram de por­ta em por­ta e con­se­gui­ram o di­nhei­ro pa­ra pa­gar as pas­sa­gens aé­re­as e cus­te­ar a mu­dan­ça. Na­que­le mo­men­to, o ir­mão de Gi­o­va­ne, que mo­ra­va com ele e a mãe, te­ve de se se­pa­rar da fa­mí­lia e ir vi­ver com o pai, que já re­si­dia em São Pau­lo.

Com me­nos pes­so­as em Join­vil­le, as coi­sas tal­vez pu­des­sem ser re­sol­vi­das mais fa­cil­men­te. “Foi uma ba­ta­lha, só eu e Gi­o­va­ne, sau­da­de do ou­tro, dos ami­gos, mas con­se­gui­mos”, con­tou a mãe do ga­ro­to, Ivo­ne Ca­ri­bé.

Já Ja­de­son te­ve de en­fren­tar a mai­o­ria das mu­dan­ças lon­ge dos pais e dos três ir­mãos. A fa­mí­lia de­le é de Ita­bu­na, no sul da Bahia. A mãe tra­ba­lha co­mo fei­ran­te e o pai co­mo mo­to­ris­ta de ôni­bus. O de­se­jo de ser dan­ça­ri­no nas­ceu no nú­cleo fa­mi­li­ar, quan­do viu o ir­mão, qu­a­tro anos mais ve­lho, dan­çar na es­co­la em que es­tu­da­va. Ins­pi­ra­ção pa­ra Ja­de­son, Wad­son tam­bém par­ti­ci­pou da mes­ma se­le­ção do Bolshoi, mas não foi apro­va­do na se­le­ti­va fi­nal. Por con­ta dis­so, Ja­de­son te­ve de se­guir so­zi­nho pa­ra o Sul do país.

Mais de 2 mil km se­pa­ram a Bahia de Join­vil­le e ou­tros 527 Ci­pó de Ita­bu­na. A des­pei­to da ge­o­gra­fia e jus­ta­men­te por con­ta de­la, ho­je, Ja­de­son e Gi­o­va­ne são ami­gos in­se­pa­rá­veis. Na sa­la de au­la, ao mi­rar um, o ou­tro vai sem­pre es­tar por per­to. E os pla­nos pa­ra o fu­tu­ro tam­bém se as­se­me­lham: os dois pen­sam em dan­çar, mas so­bre­tu­do em en­si­nar a ou­tras cri­an­ças o que apren­de­ram.

O ca­mi­nho já foi tri­lha­do por pro­fes­so­res que ho­je dão au­la a eles. É o ca­so de Mai­kon Go­li­ni, que en­trou na es­co­la aos 7 anos, na pri­mei­ra tur­ma do Bolshoi, e ho­je la­pi­da ta­len­tos, co­mo Gi­o­va­ne e Ja­de­son. “Ele é mui­to le­gal, en­si­na mui­tas coi­sas pra gen­te e sem­pre nos apoia, por­que ele tam­bém vi­veu is­so”, des­ta­ca­ram.

Há dois anos em Join­vil­le, bai­a­nos dão pro­va de su­pe­ra­ção diá­ria

DIS­TÂN­CIA

A sau­da­de de quem fi­cou pa­ra trás dói, mas tam­bém sus­ten­ta. “Tem que aguen­tar, por­que meu so­nho es­tá se re­a­li­zan­do e tam­bém por­que eu que­ro is­so aqui pa­ra aju­dar mi­nha fa­mí­lia, dar uma vi­da me­lhor a eles”, dis­se Ja­de­son, com cer­ta ti­mi­dez, mas mui­ta se­gu­ran­ça. A di­fi­cul­da­de de vi­ver em uma ca­sa so­ci­al fi­ca evi­den­te no olhar, que por mui­tas ve­zes du­ran­te a entrevista pro­cu­ra o chão. “E eu já te­nho mui­tos ami­gos aqui tam­bém”, con­ti­nu­ou, dei­xan­do pa­ra lá o bai­xo as­tral e fo­can­do nos seis anos que ain­da res­tam pa­ra con­cluir o cur­so.

Em dois anos, Ja­de­son re­viu a fa­mí­lia em du­as opor­tu­ni­da­des: nas fé­ri­as do fim do ano pas­sa­do, em que pô­de vol­tar pa­ra Ita­bu­na, e em me­a­dos des­te ano, quan­do um pro­gra­ma de TV ban­cou a vi­a­gem dos pais e dos três ir­mãos de­le pa­ra as­sis­tir pe­la pri­mei­ra vez a uma apre­sen­ta­ção de­le no Bolshoi, uma das coi­sas que o ga­ro­to mais de­se­ja­va. “Foi mui­to emo­ci­o­nan­te, sem­pre quis que eles me vis­sem no pal­co”, lem­brou, so­bre a emo­ção de ter a fa­mí­lia por per­to.

Gi­o­va­ne, por sua vez, não vol­tou à Bahia. “A pas­sa­gem es­ta­va mui­to ca­ra, aca­bei in­do pra São Pau­lo vi­si­tar meu pai no fi­nal do ano pas­sa­do tam­bém”, con­tou. E as vi­das des­ses dois bai­a­ni­nhos con­ti­nu­am se­guin­do chei­as de de­sa­fi­os diá­ri­os. “A gen­te sa­be que é is­so que a gen­te quer e va­mos con­ti­nu­ar per­sis­tin­do”, di­zem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.