A im­por­tân­cia da Edu­ca­ção Fí­si­ca

Correio da Bahia - - Esporte -

Co­nhe­ci ela na es­co­la. Es­sa fra­se po­de até pa­re­cer ro­mân­ti­ca se vo­cê ima­gi­nar um jo­vem atlé­ti­co. Mas eu era ape­nas um ga­ro­to cheio de ener­gia que dei­xa­va meus pais de ca­be­los em pé. Eu fa­zia ati­vi­da­de fí­si­ca. Mi­nha ir­mã fa­zia ati­vi­da­de fí­si­ca. Pa­ra to­dos os nos­sos co­le­gas, ela es­ta­va lá, en­tre uma au­la de Ma­te­má­ti­ca e ou­tra de Por­tu­guês. Nun­ca vou me es­que­cer do que apren­di na­que­las au­las.

Quan­do uns pre­fe­ri­am a prá­ti­ca do atle­tis­mo, vô­lei, bas­que­te, eu co­me­cei a me apai­xo­nar pe­lo fu­te­bol. Não éra­mos “ga­lá­ti­cos”, mas ela não res­trin­gia nin­guém por sua ha­bi­li­da­de na ati­vi­da­de fí­si­ca. Quan­do uns se ati­ra­vam pa­ra o la­do, ou­tros trom­ba­vam no la­do opos­to. Não im­por­ta­va, na­que­les mi­nu­tos es­tá­va­mos imer­sos nos con­cei­tos e nos prin­cí­pi­os pas­sa­dos pe­lo pro­fes­sor. Foi pai­xão à pri­mei­ra vis­ta. Não só pra mim, acho. Des­cul­pe a brin­ca­dei­ra, a pa­ró­dia do tex­to vi­ral “Des­cul­pe o trans­tor­no, pre­ci­so fa­lar da Cla­ri­ce”, do co­lu­nis­ta da Fo­lha Gre­gó­rio Du­vi­vi­er é uma li­cen­ça poé­ti­ca pa­ra mos­trar que al­go mui­to im­por­tan­te co­mo a Edu­ca­ção Fí­si­ca na es­co­la me­re­ce a mes­ma aten­ção – ou até mais – que foi da­da à de­cla­ra­ção de amor. Pre­ci­sa­mos le­var es­se as­sun­to a sé­rio.

Na úl­ti­ma quin­ta-fei­ra, o Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção (MEC) di­vul­gou um do­cu­men­to, em for­ma de me­di­da pro­vi­só­ria, en­vi­a­do ao Con­gres­so, com um pla­no de re­for­ma pa­ra o ensino mé­dio. Ne­le, as dis­ci­pli­nas de Edu­ca­ção Fí­si­ca, Ar­tes, Fi­lo­so­fia e So­ci­o­lo­gia dei­xam de ser obri­ga­tó­ri­as. Fo­ra o fa­to de o anún­cio ter si­do fei­to um mês de­pois de o Rio de Ja­nei­ro ter se­di­a­do os Jo­gos Olím­pi­cos, a po­lê­mi­ca ge­ra­da pe­la ex­clu­são da obri­ga­to­ri­e­da­de, prin­ci­pal­men­te da Edu­ca­ção Fí­si­ca e das Ar­tes dos bo­le­tins dos alu­nos, me­re­ce a dis­cus­são. Tu­do bem que o MEC vol­tou atrás nes­sa de­ci­são. O se­cre­tá­rio de Edu­ca­ção Bá­si­ca do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção, Ros­si­e­li So­a­res, afir­mou, no dia se­guin­te, que “não es­tá de­cre­ta­do o fim de ne­nhum con­teú­do, de ne­nhu­ma dis­ci­pli­na. [...] To­das elas se­rão obri­ga­tó­ri­as na par­te da Ba­se Na­ci­o­nal Co­mum: Ar­tes, Edu­ca­ção Fí­si­ca, Por­tu­guês, Ma­te­má­ti­ca, Fí­si­ca, Quí­mi­ca. A Ba­se Na­ci­o­nal Co­mum se­rá obri­ga­tó­ria a to­dos”. Mas a re­per­cus­são em tor­no des­sa pos­si­bi­li­da­de, tan­to as inú­me­ras crí­ti­cas co­mo, tam­bém, a co­me­mo­ra­ção por par­te de al­guns alu­nos, pre­ci­sa de uma re­fle­xão. Um es­tu­do da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al do Rio de Ja­nei­ro (Uerj) apre­sen­ta­do es­te ano no Con­gres­so Bra­si­lei­ro de Car­di­o­lo­gia apon­tou que, nos úl­ti­mos 30 anos, a obe­si­da­de tri­pli­cou en­tre cri­an­ças e ado­les­cen­tes de 10 a 15 anos. Não é di­fí­cil en­con­trar cri­an­ças e ado­les­cen­tes aci­ma do pe­so. Só que is­so não se re­su­me a um pro­ble­ma es­té­ti­co, o so­bre­pe­so traz tam­bém o al­to ris­co de do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res, hi­per­ten­são, di­a­be­tes, etc. Es­sa fór­mu­la só se agra­va se es­ses jo­vens se tor­nam adul­tos com os mes­mos há­bi­tos, po­den­do pro­vo­car in­far­to e aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral (AVC) an­tes dos 40 anos.

Em um ce­ná­rio co­mo es­se, uma es­co­la com Edu­ca­ção Fí­si­ca se tor­na ain­da mais ne­ces­sá­ria. Nem sem­pre den­tro de ca­sa exis­te o es­tí­mu­lo pa­ra a ati­vi­da­de fí­si­ca. E com a in­va­são da tec­no­lo­gia, con­se­guir que uma cri­an­ça ou um ado­les­cen­te se mo­vi­men­te se tor­nou uma ta­re­fa ár­dua. Con­tu­do, se is­so é exi­gi­do na es­co­la, até mes­mo os mais re­sis­ten­tes po­dem des­co­brir os be­ne­fí­ci­os dos exer­cí­ci­os fí­si­cos.

E es­ses be­ne­fí­ci­os não se res­trin­gem à saú­de. Nas au­las de Edu­ca­ção Fí­si­ca apren­de­mos, tam­bém, va­lo­res co­mo o tra­ba­lho em equi­pe, a com­pe­ti­ção jus­ta, co­o­pe­ra­ção, dis­ci­pli­na, con­cen­tra­ção e com­pa­nhei­ris­mo, is­so só pra ci­tar al­guns. E com um país que se en­can­tou com os exem­plos da Olim­pía­da do Rio, o es­tí­mu­lo ao es­por­te nas es­co­las atra­vés da Edu­ca­ção Fí­si­ca de­ve­ria ser um dos le­ga­dos do even­to.

Nem sem­pre den­tro de ca­sa exis­te o es­tí­mu­lo pa­ra a ati­vi­da­de fí­si­ca. E com a

in­va­são da tec­no­lo­gia, con­se­guir que uma cri­an­ça ou um ado­les­cen­te se mo­vi­men­te se tor­nou

uma ta­re­fa ár­dua

mi­ro.pal­ma@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.