O sol é o li­mi­te

Correio da Bahia - - Front Page - MARIA LANDEIRO

Em ter­ra de smartpho­ne, quem tem um bom car­re­ga­dor rei­na. Ca­da vez mais po­ten­tes, os ce­lu­la­res tam­bém con­so­mem mais ba­te­ria, que pre­ci­sa ser car­re­ga­da mais de uma vez ao dia. Foi pensando nis­so que es­tu­dan­tes do Cen­tro Es­ta­du­al de Edu­ca­ção Pro­fis­si­o­nal Isai­as Al­ves (CEEP), no Bar­ba­lho, de­sen­vol­ve­ram um car­re­ga­dor por­tá­til à ba­se de ener­gia so­lar.

O in­ven­to foi apresentado an­te­on­tem, du­ran­te a Se­ma­na de Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia da es­co­la. Des­de se­gun­da-fei­ra, 52 pro­je­tos vol­ta­dos à sus­ten­ta­bi­li­da­de e à qua­li­da­de de vi­da da po­pu­la­ção já fo­ram apre­sen­ta­dos e o dis­po­si­ti­vo que une o sol ao “cel” foi um dos des­ta­ques da mos­tra.

Quem deu vi­da à in­ven­ção foi a tur­ma do 1º ano do cur­so téc­ni­co - o pro­je­to foi en­ca­be­ça­do pe­los ami­gos Ber­nar­do No­guei­ra, 15 anos, Radhi­ja Men­des, 14, e Wil­li­am Freitas, 15. “Há dois me­ses co­me­ça­mos a pen­sar em qual pro­je­to apre­sen­tar na fei­ra, mas a ideia do car­re­ga­dor só veio há du­as se­ma­nas”, con­tou Wil­li­am.

Se­gun­do ele, pa­ra de­sen­vol­ver o pro­tó­ti­po, o gru­po re­a­li­zou vá­ri­as pes­qui­sas e des­co­briu que, pa­ra car­re­gar o ce­lu­lar uma vez por dia du­ran­te um ano, gas­ta-se cer­ca de R$ 20. “Eu car­re­go meu ce­lu­lar três ve­zes ao dia, o que re­pre­sen­ta um gas­to de R$ 60 (por ano). Nos­so de­sa­fio era fa­zer uma tec­no­lo­gia fá­cil, útil, não po­luí­vel e ba­ra­ta”, des­ta­cou o es­tu­dan­te.

O car­re­ga­dor é com­pos­to por um con­ver­sor de USB, re­gu­la­do­res de ten­são e pe­que­nas pla­cas fo­to­vol­tai­cas. Ao con­trá­rio das pla­cas so­la­res, que cap­tam a luz so­lar, as fo­to­vol­tai­cas cap­tam as cé­lu­las pre­sen­tes nes­sa luz. “Is­so faz com que não pre­ci­se ne­ces­sa­ri­a­men­te es­tar ao sol pa­ra o apa­re­lho fun­ci­o­nar”, lem­brou Radhi­ja.

Ber­nar­do, o ide­a­li­za­dor da en­ge­nho­ca, ex­pli­ca que ela é com­pos­ta de três pla­cas: uma po­si­ti­va, uma ne­ga­ti­va e uma neu­tra. “Quan­do a luz en­tra em con­ta­to com a pla­ca po­si­ti­va, ela es­quen­ta e ge­ra ener­gia. Es­sa ener­gia é dis­tri­buí­da no cir­cui­to in­ter­no e de­pois vem pa­ra o USB”, de­ta­lhou. “Aí, é só co­nec­tar o ce­lu­lar e, se es­ti­ver fun­ci­o­nan­do, a lâm­pa­da de led irá li­gar”, con­cluiu.

De­sen­vol­vi­do às pres­sas, os es­tu­dan­tes não ima­gi­na­vam que o pro­je­to fa­ria tan­to su­ces­so. “No iní­cio, nos­so es­tan­de es­ta­va va­zio. Aí quan­do as pes­so­as che­ga­ram e vi­ram o que era, fi­ca­ram en­can­ta­das”, co­men­tou Wil­li­am.

A fei­ra faz par­te do pro­je­to Ci­ên­cia na Es­co­la, pro­gra­ma de edu­ca­ção ci­en­tí­fi­ca da Se­cre­ta­ria da Edu­ca­ção do Es­ta­do (SEC), que es­tá em sua sex­ta edi­ção. “As fei­ras es­co­la­res são a pri­mei­ra eta­pa do pro­je­to. De­pois, tem uma edi­ção com a Bahia in­tei­ra”, afir­mou a co­or­de­na­do­ra do pro­je­to, Shir­lei Cos­ta. A úl­ti­ma edi­ção ocor­re­rá em no­vem­bro, na Are­na Fon­te No­va, e con­ta­rá com a par­ti­ci­pa­ção de 542 es­co­las ins­cri­tas.

Ape­sar do su­ces­so, o car­re­ga­dor à ba­se de ener­gia so­lar não con­se­guiu se clas­si­fi­car pa­ra a eta­pa es­ta­du­al, e por is­so, tam­bém não es­ta­rá pre­sen­te na eta­pa bai­a­na. “Ago­ra o car­re­ga­dor fi­ca­rá en­tre os três pa­ra aper­fei­ço­ar”, ex­pli­cou Radhi­ja. “Se a gen­te con­se­guis­se um pa­tro­cí­nio, iría­mos pa­ten­te­ar, tro­car as pla­cas fo­to­vol­tai­cas e melhorar o cir­cui­to in­ter­no pa­ra di­mi­nuir o es­pa­ço”, con­tou ela. Por en­quan­to, a dis­pu­ta é pa­ra ver quem irá le­var o pro­tó­ti­po pa­ra ca­sa.

Tur­ma do cur­so téc­ni­co do CEEP com car­re­ga­dor de ce­lu­lar à

ba­se de ener­gia so­lar

Ou­tro gru­po de­sen­vol­veu app de saú­de que ori­en­ta mé­di­cos e pa­ci­en­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.