Talentos es­pe­ci­ais

Correio da Bahia - - Mais - Do­ris Mi­ran­da do­ris.mi­ran­da@re­de­bahia.com.br Co­ta­ção

Não é pre­ci­so ter li­do o best-sel­ler de Ran­som Riggs, que ins­pi­rou a fan­ta­sia O Lar das Cri­an­ças Pe­cu­li­a­res, pa­ra sair en­can­ta­do do ci­ne­ma. E não me ve­nha di­zer que o li­vro (no ca­so, O Or­fa­na­to da Sr­ta. Pe­re­gri­ne pa­ra Cri­an­ças Pe­cu­li­a­res/Ed. Leya) é me­lhor e que o no­vo tra­ba­lho da fil­mo­gra­fia Tim Bur­ton não cap­tu­rou a es­sên­cia do ori­gi­nal, por­que li­vro é li­vro, fil­me é fil­me. Até quan­do um mu­da um pou­co a di­re­ção do ou­tro.

O que im­por­ta aqui é que am­bos, li­vro e fil­me, ca­da um em seu qua­dra­do, con­tam a mes­ma his­tó­ria de for­ma efi­ci­en­te e com ri­que­za de po­e­sia, bi­zar­ri­ce e aven­tu­ra. Ca­da vez mais au­to­ral, Tim Bur­ton con­tri­bui com mui­ta pro­pri­e­da­de pa­ra con­tar a his­tó­ria fas­ci­nan­te de um gru­po de cri­an­ças ex­cluí­das, com es­tra­nhas ha­bi­li­da­des, que vi­ve iso­la­da nu­ma ilha dis­tan­te da In­gla­ter­ra sob a tu­te­la da mis­te­ri­o­sa Sr­ta. Pe­re­gri­ne (Eva Gre­en). Tan­to que, quan­to leu a obra de Riggs pe­la pri­mei­ra vez, Bur­ton ques­ti­o­nou: “Tem cer­te­za que não fui eu quem es­cre­veu is­so?”

Se vo­cê en­xer­ga se­me­lhan­ça com os X-Men, da Mar­vel, sai­ba que a pro­xi­mi­da­de se en­cer­ra na pre­mis­sa dos po­de­res e do afas­ta­men­to so­ci­al. Os pu­pi­los de Pe­re­gri­ne não são su­per-he­róis. Ape­sar de cri­an­ças, eles têm mais uma es­pé­cie de mis­são es­pi­ri­tu­al nes­se mun­do. Pa­ra evi­tar es­se ti­po de com­pa­ra­ção, po­rém, tan­to Bur­ton quan­to Riggs evi­tam di­zer que as cri­an­ças têm su­per­po­de­res. Pre­fe­rem di­zer “dons so­bre­na­tu­rais”. Com to­ques de Pei­xe Gran­de e Su­as His­tó­ri­as Ma­ra­vi­lho­sas (2008), até na car­te­la de co­res re­trô, o di­re­tor mos­tra be­le­za de uma ga­ro­ti­nha de 5 anos com tan­ta for­ça que po­de le­van­tar um car­ro, ou uma me­ni­na tão le­ve que, pa­ra não flu­tu­ar, usar sa­pa­tos de chum­bo e ain­da um ga­ro­to in­vi­sí­vel. Até mes­mo Miss Pe­re­gri­ne, ela tam­bém tem seu ta­len­to de me­ta­mor­fa.

A tra­ma mos­tra co­mo o he­rói ado­les­cen­te Ja­ke (o pro­mis­sor Asa But­terl­fi­eld, aque­la lin­de­za de A In­ven­ção de Hu­go Ca­bret, de Scor­ce­se) des­co­bre o or­fa­na­to e che­ga lá após a mor­te de seu avô sob cir­cuns­tân­ci­as cau­sa­das pe­lo vi­lão de Sa­mu­el L. Jackson. Em­bo­ra nun­ca te­nha pi­sa­do na­que­le lu­gar, Ja­ke tem no­ção de quem são seus ha­bi­tan­tes, afi­nal eram per­so­na­gens nas his­tó­ri­as con­ta­das por seu avô.

O que Ja­ke não sa­be é que ele pró­prio tem uma mis­são es­pe­ci­al na vi­da, um pro­pó­si­to mui­to es­pe­cí­fi­co pa­ra es­tar ali. E que exis­tem ou­tros or­fa­na­tos co­mo aque­le ao re­dor do mun­do, to­dos em pe­ri­go.

Os ti­pos es­tra­nhos tão ca­ros a Tim Bur­ton que fa­zem par­te da tra­ma em O Lar das Cri­an­ças Pe­cu­li­a­res têm um sig­ni­fi­ca­do es­pe­ci­al na cons­tru­ção do li­vro de Ran­som Riggs. Há anos, ele co­le­ci­o­na fo­to­gra­fi­as si­nis­tras, com­pra­das em fei­ras de an­ti­gui­da­des. Um dia, per­ce­beu que tan­ta bi­zar­ri­ce ren­de­ria um li­vro so­bre um mun­do es­con­di­do. Mui­tas des­sas ima­gens es­tão re­pro­du­zi­das na pu­bli­ca­ção e ser­vi­ram de ins­pi­ra­ção pa­ra os per­so­na­gens da tra­ma.

Ti­pos bi­zar­ros e poé­ti­cos dão o tom da fan­ta­sia O Lar das Cri­an­ças Pe­cu­li­a­res

Eva Gre­en vi­ve a se­nho­ri­ta Pe­re­gri­ne, uma guar­diã de mui­tos talentos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.