Gas­tan­do so­la de sa­pa­to

Correio da Bahia - - Front Page -

Pa­re­ce até que o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) fez de tu­do pa­ra cas­ti­gar os po­lí­ti­cos nes­tas elei­ções. Os can­di­da­tos em to­do o país - in­te­ri­or e ca­pi­tais -, na fal­ta de ver­ba sol­ta, a va­ler, de en­xur­ra­da, cau­da­lo­sa e sem con­tro­le, ori­gi­ná­ri­as de do­a­ções ge­ne­ro­sas das gran­des em­pre­sas, só ti­ve­ram uma op­ção: gas­tar as so­las dos sa­pa­tos, an­dan­do, ba­ten­do cal­ça­da, fa­zen­do ca­mi­nha­das, in­do on­de ja­mais es­ti­ve­ram, pe­din­do vo­to, ten­do de aper­tar as mãos sem tem­po pa­ra lim­par com len­ços ume­de­ci­dos e chei­ro­sos e, de que­bra, olhar nos olhos dos ci­da­dãos.

Fal­tou di­nhei­ro pa­ra fa­zer san­ti­nho, pra­gui­nhas, pra­gões, pi­ru­li­tos, fai­xas, car­ta­zes e car­ta­ze­tes, ban­ners, plo­ta­gem, per­fu­ra­dos e, prin­ci­pal­men­te, dar ad­ju­tó­rio. A mai­o­ria dos can­di­da­tos a pre­fei­tos e ve­re­a­do­res não te­ve ver­ba pa­ra pa­gar aque­le con­ser­to no te­lha­do, aque­le cré­di­to na far­má­cia, a den­ta­du­ra, a cer­ve­ja­da e o chur­ras­co e, pa­ra pi­o­rar, fal­tou lar­jan pa­ra con­tra­tar os ôni­bus e mi­cro-ôni­bus, as vans, kom­bis, ca­mi­o­ne­tes e mo­tos pa­ra le­var ou tra­zer as cla­ques pa­ra os co­mí­ci­os.

Cla­ro que te­ve can­di­da­to que de for­ma “má­gi­ca”, além da ver­ba par­ti­dá­ria, con­se­guiu o mi­la­gre da mul­ti­pli­ca­ção e fez cam­pa­nha com fo­gue­tó­rio e re­ga-bo­fe, mas foi uma mi­no­ria tão mí­ni­ma que cau­sou in­ve­ja na mai­o­ria que pas­sa (ou pas­sou) es­tas elei­ções nu­ma cam­pa­nha ex­tre­ma­men­te fran­cis­ca­na. Pa­ra pi­o­rar, as pe­ças de cam­pa­nha fi­ca­ram mais ca­ras por cau­sa da cri­se econô­mi­ca que o país atra­ves­sa e nin­guém te­ve mo­le­za por par­te das grá­fi­cas ou das pro­du­to­ras: se viu obri­ga­da a ti­rar do bol­so o quan­to an­tes. Pa­gar adi­an­ta­do, sem cré­di­to. Os for­ne­ce­do­res que já vi­nham res­sa­bi­a­dos de ou­tras cam­pa­nhas em que le­va­ram o birô (is­so num tem­po em que ver­ba ro­la­va sol­ta), ti­nham cer­te­za que, sem do­a­ções em­pre­sa­ri­ais ou Cai­xa 2 abas­te­ci­do, o ris­co de não re­ce­ber es­ta­va ex­po­nen­ci­al­men­te ele­va­do.

Mas, pe­lo que se lê, mes­mo na fri­vo­li­da­de das mí­di­as so­ci­ais, tem can­di­da­to que con­se­gue fa­zer cer­tas re­cei­tas, in­ven­ti­vo, achou mei­os pa­ra de­fen­der seu bol­so e to­car a cam­pa­nha co­mo se na­da de no­vo ti­ves­se acon­te­ci­do, e ou­tras mo­da­li­da­des de “ar­ran­jos” pa­re­cem ter sur­gi­do do na­da. Te­mos co­mo exem­plo o le­van­ta­men­to fei­to pe­lo Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral que iden­ti­fi­cou mais de dez ti­pos de ir­re­gu­la­ri­da­des em ter­mos de do­a­ção de par­ti­cu­la­res. Fo­ram mais de 400 mi­lhões de re­ais mo­ni­to­ra­dos. Pas­me, so­men­te dos be­ne­fi­ciá­ri­os do pro­gra­ma Bol­sa Fa­mí­lia as “do­a­ções” vi­e­ram de 17 mi­lhões de ele­men­tos. Cla­ro que tem tre­ta.

O TSE ain­da en­con­trou do­a­ções de pes­so­as já mor­tas – is­so sem­pre exis­tiu e é con­ju­ga­do a vo­to de mor­to. Vin­te mil pes­so­as que fi­ze­ram do­a­ções de for­ma in­com­pa­tí­vel com seu ren­di­men­to e mi­lha­res abri­ram mão do sa­lá­rio nas pre­fei­tu­ras pa­ra dar de mão bei­ja­da pa­ra seus can­di­da­tos. E quem ga­ran­te que o Cai­xa 2 ain­da não con­ti­nua com to­do seu es­pec­tro? Acre­di­te que se a in­ten­ção do STF era aca­bar com ele, deu com os bur­ros n´água. Es­ta foi uma elei­ção com ca­ra do “por fo­ra”. Com cer­te­za, na pró­xi­ma elei­ção ha­ve­rá uma gui­na­da e tu­do po­de vol­tar a ser co­mo an­tes. Quer apos­tar?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.