Com­pa­ra­ção in­de­vi­da

Correio da Bahia - - Economia -

Tem si­do re­pe­ti­da com frequên­cia a com­pa­ra­ção in­de­vi­da e ab­sur­da das pri­sões da La­va-Ja­to com a di­ta­du­ra. Pa­ra quem se es­que­ceu, ou não sa­be, na­que­la épo­ca as pes­so­as eram se­ques­tra­das pe­las for­ças de se­gu­ran­ça, res­pon­di­am a Inqué­ri­to Po­li­ci­al Mi­li­tar sem di­rei­to a ad­vo­ga­do, eram jul­ga­das por tri­bu­nais mi­li­ta­res, mes­mo sen­do ci­vis, e por leis di­ta­to­ri­ais que sus­pen­di­am di­rei­tos co­mo o há­be­as cor­pus.

Is­so sem fa­lar nos pi­o­res hor­ro­res, co­mo a tor­tu­ra e os as­sas­si­na­tos, mui­tas ve­zes se­gui­dos de ocul­ta­ção de ca­dá­ver. Cor­pos nun­ca fo­ram de­vol­vi­dos às fa­mí­li­as e ain­da as­som­bram o país, que não te­ve co­ra­gem de exi­gir as in­for­ma­ções so­bre as cir­cuns­tân­ci­as dos de­sa­pa­re­ci­men­tos. Is­so não se pa­re­ce, em na­da, com as pri­sões da La­va-Ja­to. O juiz Sér­gio Mo­ro de­fen­de as pri­sões cau­te­la­res e me­di­das for­tes, e an­tes que al­guém de no­vo com­pa­re com a di­ta­du­ra mi­li­tar, é bom lem­brar que ele es­tá fa­lan­do em usar to­do o ri­gor que a lei de­mo­crá­ti­ca per­mi­te, e não a su­pres­são des­sas ga­ran­ti­as cons­ti­tu­ci­o­nais. O que os pro­cu­ra­do­res da La­va-Ja­to es­tão pro­pon­do são me­di­das que le­va­ram ao Con­gres­so, pa­ra que, se vo­ta­das, fe­chem as inú­me­ras bre­chas pe­las quais foi se ex­pan­din­do o sis­te­ma de des­vio do di­nhei­ro pú­bli­co. O mi­nis­tro Ri­car­do Lewan­dows­ki de­se­du­cou jo­vens quan­do dis­se a es­tu­dan­tes do Di­rei­to da USP que o im­pe­a­ch­ment foi um “tro­pe­ço na de­mo­cra­cia”. Se ele es­ta­va con­ven­ci­do de que o país tro­pe­ça­va na de­mo­cra­cia, por que não dis­se em tem­po? Por que Lewan­dows­ki acei­tou pre­si­dir o jul­ga­men­to fi­nal des­se im­pe­a­ch­ment? E ain­da tra­tou o pro­ble­ma co­mo uma re­cor­rên­cia. “A ca­da 25, 30 anos, te­mos um tro­pe­ço na nos­sa His­tó­ria.” E acres­cen­tou: “La­men­tá­vel. Quem sa­be vo­cês jo­vens con­se­guem mu­dar o ru­mo da His­tó­ria.” La­men­tá­vel que o ex-pre­si­den­te do Su­pre­mo se re­fi­ra as­sim ao pro­ces­so que co­man­dou. O que o cons­tran­geu a fi­car por ho­ras a fio, por di­as se­gui­dos, pre­si­din­do um jul­ga­men­to, se acha­va que, na­que­le ato, o país tro­pe­ça­va na de­mo­cra­cia?

O Bra­sil te­ve mo­men­tos na sua Re­pú­bli­ca que nun­ca de­vem ser re­pe­ti­dos, co­mo os dois pe­río­dos di­ta­to­ri­ais, que atro­pe­la­ram a Cons­ti­tui­ção, as li­ber­da­des de­mo­crá­ti­cas, o Di­rei­to. Mas es­ses pas­sa­dos não po­dem ser com­pa­ra­dos ao mo­men­to do im­pe­a­ch­ment, evi­den­te­men­te. Se o mi­nis­tro Ri­car­do Lewan­dows­ki acha que a lei, a Cons­ti­tui­ção, o ri­to de­mo­crá­ti­co não es­tão sen­do res­pei­ta­dos, de­ve ser mais cla­ro e não usar uma fi­gu­ra de lin­gua­gem que in­si­nua mais do que ex­pli­ca o seu pen­sa­men­to.

Ou­tros têm si­do mais ex­plí­ci­tos, mas igual­men­te equi­vo­ca­dos. Fre­quen­te­men­te, ad­vo­ga­dos, po­lí­ti­cos, in­ves­ti­ga­dos e réus têm afir­ma­do, pa­ra de­fen­der seus pon­tos de vis­ta, que o país es­ta­ria vol­tan­do aos ex­ces­sos da di­ta­du­ra mi­li­tar. Foi o que dis­se a de­fe­sa do ex-mi­nis­tro An­to­nio Pa­loc­ci no dia da sua pri­são. Não há qual­quer se­me­lhan­ça en­tre pri­sões com or­dem ju­di­ci­al, con­fir­ma­das por ins­tân­ci­as su­pe­ri­o­res, com o que se vi­veu no re­gi­me mi­li­tar. Os que fa­zem a com­pa­ra­ção sa­bem que usam um ve­lho trau­ma do país pa­ra ma­ni­pu­lar a opi­nião das pes­so­as. A di­ta­du­ra mi­li­tar pro­vo­cou uma sequên­cia tão ter­rí­vel de aten­ta­dos aos di­rei­tos e ga­ran­ti­as in­di­vi­du­ais que o país tem hor­ror de que tal bar­bá­rie ocor­ra no­va­men­te. Pa­ra usar es­se te­mor, em seu fa­vor, é que os atin­gi­dos pe­la in­ves­ti­ga­ção, e seus de­fen­so­res, fa­zem a com­pa­ra­ção des­ca­bi­da.

Po­de­ria ser só re­tó­ri­ca, exa­ge­ro de lin­gua­gem, téc­ni­ca de de­fe­sa, não fos­se uma for­ma de de­se­du­car o país que re­cu­pe­rou a de­mo­cra­cia há ape­nas 31 anos. Se quem não vi­veu aque­le tem­po con­ti­nu­ar sen­do con­ven­ci­do de que são mo­de­los equi­va­len­tes, o país es­ta­rá ba­na­li­zan­do o que foi a di­ta­du­ra e es­ta­rá en­fra­que­cen­do a de­mo­cra­cia. Por que de­ve­ri­am os bra­si­lei­ros pre­ser­var es­se re­gi­me se ele per­mi­te “gol­pe”, “tro­pe­ço”, “pri­sões ar­bi­trá­ri­as”, “ex­ces­sos só co­me­ti­dos no re­gi­me mi­li­tar”?

O mais pe­ri­go­so des­se er­ro é re­du­zir a con­fi­an­ça na de­mo­cra­cia. Ela nos cus­tou ca­ro de­mais pa­ra que se acei­te a le­vi­an­da­de de com­pa­rá-la com o que o país vi­veu em épo­ca de terror do Es­ta­do con­tra os seus ad­ver­sá­ri­os po­lí­ti­cos. É fal­sa, abu­si­va e ab­sur­da a com­pa­ra­ção. O país vi­ve o Es­ta­do de di­rei­to e ne­le com­ba­te o fla­ge­lo da cor­rup­ção. Não há tro­pe­ços, nem ar­bí­trio.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.