Rús­sia ig­no­ra ape­los por tré­gua e se­gue com bom­bar­dei­os na Sí­ria

Correio da Bahia - - Mais Mundo -

CRI­SE HU­MA­NI­TÁ­RIA A Rús­sia de­cla­rou que vai con­ti­nu­ar com a cam­pa­nha de bom­bar­dei­os aé­re­os em apoio às for­ças mi­li­ta­res do pre­si­den­te Bashar al-As­sad na Sí­ria, ape­sar dos rei­te­ra­dos ape­los dos Es­ta­dos Uni­dos pe­lo fim dos ata­ques con­tra os bair­ros re­bel­des em Alep­po, no nor­te do país, se­gun­do a Fran­ce Pres­se. “Mos­cou pros­se­gui­rá sua ope­ra­ção aé­rea em apoio à lu­ta an­ti­ter­ro­ris­ta das For­ças Ar­ma­das sí­ri­as”, de­cla­rou o por­ta-voz do Krem­lin, Dmi­tri Pes­kov. Se­gun­do o che­fe hu­ma­ni­tá­rio da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU), Stephen O'Bri­en, os ata­ques dos úl­ti­mos di­as ma­ta­ram pe­lo me­nos 320 ci­vis, sen­do que mais de 100 eram cri­an­ças, e fe­ri­ram ao me­nos 756. Ele ad­ver­tiu que a par­te les­te de Alep­po, al­vo de bom­bar­dei­os do go­ver­no sí­rio com o apoio da Rús­sia, vi­ve a pi­or “ca­tás­tro­fe hu­ma­ni­tá­ria” na guer­ra da Sí­ria. “O les­te de Alep­po, nes­te mo­men­to, não es­tá à bei­ra do pre­ci­pí­cio. Es­tá em uma ter­rí­vel que­da no abis­mo im­pi­e­do­so e im­pla­cá­vel de uma ca­tás­tro­fe hu­ma­ni­tá­ria co­mo ne­nhu­ma das que vi­mos na Sí­ria”, dis­se O'Bri­en, no iní­cio de um dis­cur­so pe­ran­te o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça. A Rús­sia che­gou a pro­por uma pau­sa de 48 ho­ras pa­ra que a aju­da hu­ma­ni­tá­ria pu­des­se che­gar à re­gião de Alep­po. Po­rém, os Es­ta­dos Uni­dos pe­dem pa­ra que a pau­sa se pro­lon­gue por se­te di­as, o que os rus­sos não acei­tam. “Es­se pra­zo [uma se­ma­na] é to­tal­men­te su­fi­ci­en­te pa­ra que os gru­pos ter­ro­ris­tas pos­sam con­se­guir mu­ni­ção, des­can­sar seus com­ba­ten­tes e re­a­gru­par su­as for­ças”, afir­mou o vi­ce-mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Ser­gei Ryab­kov.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.