Mu­lhe­res do­mi­nam plei­to só em três ci­da­des bai­a­nas

Correio da Bahia - - Mais - THAIS BOR­GES

An­tes de se­guir len­do es­te tex­to, é im­por­tan­te que a lei­to­ra – e tam­bém o lei­tor – te­nha um da­do em men­te: em to­da a Bahia, mu­lhe­res re­pre­sen­tam mais de 52% do elei­to­ra­do. Ago­ra, guar­de os no­mes des­tes lu­ga­res: Ma­raú, no Sul do es­ta­do; No­va Re­den­ção, no Cen­tro-Sul, e Wan­der­ley, no Oes­te. Jun­tas, es­sas três ci­da­de­zi­nhas não che­gam a uma po­pu­la­ção de 45 mil ha­bi­tan­tes. E, lá, ho­mens não têm vez.

Pe­lo me­nos, não na dis­pu­ta pe­lo car­go mais al­to do Exe­cu­ti­vo mu­ni­ci­pal. Se­gun­do um le­van­ta­men­to re­a­li­za­do pe­lo CORREIO com da­dos do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE), en­tre os 417 mu­ni­cí­pi­os bai­a­nos, so­men­te es­ses três con­tam com ape­nas mu­lhe­res con­cor­ren­do à pre­fei­tu­ra - is­so num uni­ver­so de can­di­da­tos em que 186 são mu­lhe­res e 1060, ho­mens.

Em ca­da uma des­sas três ex­ce­ções, são du­as re­pre­sen­tan­tes fe­mi­ni­nas que dei­xam os mar­man­jos no chi­ne­lo.

Mas, se es­ses três mu­ni­cí­pi­os re­pre­sen­tam a re­sis­tên­cia fe­mi­ni­na, eles tam­bém mos­tram que a bri­ga nas trin­chei­ras é in­jus­ta: são cer­ca de 0,7% do uni­ver­so. Só pa­ra dar uma ideia, em ou­tras 261 ci­da­des, so­men­te ho­mens ten­tam ser pre­fei­tos – é o ca­so do se­gun­do e do ter­cei­ro mai­o­res co­lé­gi­os elei­to­rais do es­ta­do, Fei­ra de San­ta­na e Vi­tó­ria da Con­quis­ta.

Sal­va­dor, por sua vez, es­tá en­tre os 153 mu­ni­cí­pi­os mais equi­li­bra­dos, com can­di­da­tos ho­mens e mu­lhe­res. Po­rém, mes­mo en­tre os que têm re­pre­sen­ta­ção fe­mi­ni­na, em ape­nas 11 elas são mai­o­ria (ver ao la­do). De acor­do com a pes­qui­sa­do­ra do Nú­cleo de Es­tu­dos In­ter­dis­ci­pli­na­res so­bre a Mu­lher (Neim) da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral da Bahia (Uf­ba), Sa­le­te Ma­ria da Sil­va, es­sa re­a­li­da­de é a mes­ma do res­tan­te do país. “Mes­mo com a lei das co­tas pa­ra as mu­lhe­res, mes­mo com apro­xi­ma­ção dos par­ti­dos, es­pe­ci­al­men­te os de es­quer­da, com mu­lhe­res mi­li­tan­tes, ain­da exis­te no Bra­sil um dé­fi­cit. Cha­mo is­so de bre­cha de gê­ne­ro, por­que é uma la­cu­na mui­to gran­de no que diz res­pei­to à re­pre­sen­ta­ção fe­mi­ni­na na po­lí­ti­ca”, diz ela, que es­tu­da o te­ma e é au­to­ra do li­vro A Car­ta que Elas Es­cre­ve­ram: As Mu­lhe­res na Cons­ti­tuin­te de 1987/88, que se­rá lan­ça­do no pró­xi­mo mês.

Pa­ra Sa­le­te, is­so tam­bém é re­fle­xo da vi­si­bi­li­da­de das mu­lhe­res do tra­ba­lho e em ca­sa. “Por is­so que nós pre­ci­sa­mos in­ves­tir em mais for­ma­ção po­lí­ti­ca pa­ra as mu­lhe­res. Pre­ci­sa­mos fe­mi­ni­zar a de­mo­cra­cia, que é mui­to mas­cu­li­na”, opi­nou.

Pa­ra di­mi­nuir es­sa de­si­gual­da­de, o TSE pro­mo­ve, em anos de elei­ção, a cam­pa­nha Igual­da­de na Po­lí­ti­ca, em re­de na­ci­o­nal de rá­dio e te­le­vi­são, des­de 2014. Em 2015, es­se ti­po de ação se tor­nou obri­ga­tó­ria no país pa­ra in­cen­ti­var a par­ti­ci­pa­ção de mu­lhe­res na po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.