‘Grr’, ‘amei’: sa­ba­ti­na com pre­fei­tu­rá­veis bom­ba na web

Correio da Bahia - - Mais - Ale­xan­dro Mo­ta ale­xan­dro.mo­ta@re­de­bahia.com.br

Deu o que fa­lar. A sa­ba­ti­na ao vi­vo pe­lo Fa­ce­bo­ok pro­mo­vi­da pe­lo CORREIO e si­te iBahia en­tre se­gun­da e an­te­on­tem, com os prin­ci­pais can­di­da­tos à pre­fei­tu­ra de Sal­va­dor, ge­rou mais de 53 mil in­te­ra­ções (cur­ti­das, co­men­tá­ri­os e com­par­ti­lha­men­tos) com o Pas­tor Isi­dó­rio (PDT), Cláu­dio Sil­va (PP), Ali­ce Por­tu­gal (PC­doB) e o can­di­da­to à re­e­lei­ção, ACM Ne­to (DEM). Eles fo­ram co­lo­ca­dos em fren­te às câ­me­ras e ti­ve­ram que con­ven­cer os elei­to­res que ge­ra­ram mais de 132 mil vi­su­a­li­za­ções aos ví­de­os das en­tre­vis­tas, que tam­bém con­ta­ram com per­gun­tas de jor­na­lis­tas do CORREIO e de um ti­me de es­pe­ci­a­lis­tas das áre­as de mo­bi­li­da­de, saú­de, edu­ca­ção e se­gu­ran­ça.

Os elei­to­res se di­ver­ti­ram com Isi­dó­rio, prin­ci­pal­men­te, quan­do ele se re­fe­riu a “to­le­tes de bos­ta” ao cri­ti­car o es­go­ta­men­to da ci­da­de, dan­do pi­cos de “haha”. A prin­ci­pal re­a­ção a Ali­ce foi de raiva (“grr”), que cres­ceu quan­do ela se re­fe­riu à cri­se que as ci­da­des no Bra­sil vi­vem e a ar­re­ca­da­ção de Sal­va­dor. Já Ne­to se des­ta­cou com “amei”, que te­ve pi­co quan­do ele propôs a apro­xi­ma­ção do em­pre­go à mo­ra­dia. As es­ta­tís­ti­cas são dis­po­ni­bi­li­za­das pe­lo Fa­ce­bo­ok e os da­dos fo­ram co­lhi­dos pe­lo CORREIO as­sim que o fim das trans­mis­sões de ca­da can­di­da­to com­ple­tou 24 ho­ras. As equi­pes de cam­pa­nha não fo­ram in­for­ma­das so­bre es­sa co­le­ta.

TEN­DÊN­CIA

A pes­qui­sa­do­ra bai­a­na Ni­na San­tos, dou­to­ran­da em co­mu­ni­ca­ção na Uni­ver­si­da­de Panthéon-As­sas (Fran­ça) e con­sul­to­ra em mí­di­as di­gi­tais, ex­pli­ca que já há uma ten­dên­cia de cru­zar da­dos de re­des so­ci­ais com o de pes­qui­sas de opi­nião. “É pos­sí­vel ti­rar si­nais que po­dem ser úteis pa­ra in­ter­pre­tar co­mo es­tá o cli­ma so­ci­al so­bre os can­di­da­tos e tam­bém a te­mas”, afir­ma. Po­rém, ela des­ta­ca que a for­ma co­mo o pú­bli­co re­a­ge no Fa­ce­bo­ok po­de até dar pis­tas so­bre o pro­ces­so elei­to­ral, mas não po­de se es­ten­der pa­ra to­da a ci­da­de.

“Quem aces­sa e uti­li­za es­ses mei­os é um pú­bli­co es­pe­cí­fi­co que tem uma de­mo­gra­fia de ida­de, ren­da e es­co­la­ri­da­de di­fe­ren­te da de­mo­gra­fia ge­ral da po­pu­la­ção, além de ser uma in­te­ra­ção que se dá de for­ma di­fe­ren­te do vo­to. Uma pes­soa cli­car co­ra­ção em uma pos­ta­gem não sig­ni­fi­ca que vai vo­tar na­que­le can­di­da­to”, es­cla­re­ce.

En­quan­to a mai­o­ria do elei­to­ra­do bai­a­no é fe­mi­ni­no (52%), o pú­bli­co que as­sis­tiu foi ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te mas­cu­li­no (62%), mas com fai­xa de ida­de pa­re­ci­da com a fai­xa ma­jo­ri­tá­ria do elei­to­ra­do bai­a­no: 25 a 34 anos.

O des­ta­que das ex­pres­sões de amor e ódio são de­mons­tra­ções de co­mo a po­lí­ti­ca mo­ve pai­xões. É o que acre­di­ta Mar­cel Ay­res, dou­to­ran­do em Ci­ber­cul­tu­ra e só­cio da Com In­te­li­gên­cia Di­gi­tal. “O que a gen­te vê em po­lí­ti­ca é uma qua­se bri­ga de tor­ci­da”, ilus­tra o pes­qui­sa­dor. Pa­ra Mar­cel, as ca­ri­nhas com re­a­ções per­mi­ti­ram aos usuá­ri­os do Fa­ce­bo­ok ex­pres­sar de for­ma mais cla­ra a sua re­la­ção com o con­teú­do, ain­da que não se­ja des­car­ta­da a pos­si­bi­li­da­de de dis­tor­ções, di­an­te de ações co­or­de­na­das pró ou con­tra al­gum can­di­da­to.

En­tre­vis­tas fo­ram vis­tas mais de 130 mil ve­zes e de­ram pis­tas so­bre plei­to

INO­VA­ÇÃO

Es­sa é a pri­mei­ra vez que o CORREIO e o iBahia re­a­li­zam uma co­ber­tu­ra elei­to­ral nes­se for­ma­to e os nú­me­ros su­pe­ra­ram as ex­pec­ta­ti­vas dos or­ga­ni­za­do­res. Qua­se a to­ta­li­da­de de quem as­sis­tiu es­ta­va na Bahia. A edi­to­ra-che­fe do CORREIO, Lin­da Be­zer­ra, acre­di­ta que o es­pa­ço aber­to deu opor­tu­ni­da­de pa­ra os can­di­da­tos se co­mu­ni­ca­rem com a ci­da­de e mos­tra­rem pro­pos­tas. “To­do mun­do diz que a in­ter­net é ter­ra de nin­guém, que nem sem­pre os con­teú­dos são con­fiá­veis. A nos­sa ideia foi jus­ta­men­te co­lo­car na re­de con­teú­do de in­te­res­se pú­bli­co e, no ca­so das elei­ções, dis­cu­tir pro­pos­tas pa­ra a ci­da­de”, dis­se.

“Fi­ca­mos fe­li­zes de ofe­re­cer ao lei­tor es­se con­teú­do e, prin­ci­pal­men­te, qua­li­fi­car o seu en­ten­di­men­to em re­la­ção aos can­di­da­tos”, ava­li­ou o edi­tor-che­fe do iBahia, Ra­fa­el Se­na.

As sa­ba­ti­nas ti­ve­ram o pa­tro­cí­nio da Uni­jor­ge. Quem quer ver (ou re­ver) as en­tre­vis­tas po­de aces­sar a se­ção de ví­deo na nos­sa pá­gi­na no Fa­ce­bo­ok: fb.com/cor­rei­o24ho­ras.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.