O tu­ris­mo e o ae­ro­por­to

Correio da Bahia - - Mais -

Um exem­plo dra­má­ti­co da fal­ta de in­fra­es­tru­tu­ra na ati­vi­da­de tu­rís­ti­ca é a che­ga­da dos vo­os in­ter­na­ci­o­nais no ae­ro­por­to de Sal­va­dor. Um in­cau­to tu­ris­ta que ve­nha do ex­te­ri­or num voo di­re­to pa­ra Sal­va­dor vai le­var cer­ca de três ho­ras pa­ra po­der sair do ae­ro­por­to. Pri­mei­ro, vai pe­gar uma enor­me fi­la pa­ra ca­rim­bar os pas­sa­por­tes, com gui­chês e pes­so­al in­su­fi­ci­en­tes. De­pois, te­rá de pe­gar sua ma­la num equi­pa­men­to ob­so­le­to, com uma úni­ca en­tra­da de ba­ga­gem e que em­per­ra a to­do mo­men­to. Mais tar­de, te­rá de pas­sar pe­la Al­fân­de­ga on­de, nu­ma sa­la exí­gua, ape­nas dois equi­pa­men­tos aten­dem a mais de 250 pas­sa­gei­ros e não dá con­ta, mes­mo no sis­te­ma de amos­tra­gem.

Após es­sa ma­ra­to­na, se o pas­sa­gei­ro qui­ser fa­zer com­pras no free shop vai se de­cep­ci­o­nar, pois a lo­ja es­tá pra­ti­ca­men­te va­zia, com um es­to­que mí­ni­mo. Can­sa­do, po­de­rá to­mar um tá­xi, o que em Sal­va­dor já é por si só uma aven­tu­ra, ou pe­gar o car­ro de um pa­ren­te, mas pa­ga­rá ca­ro pe­lo es­ta­ci­o­na­men­to e fi­ca­rá ro­dan­do até en­con­trar a saí­da, já que a si­na­li­za­ção é pre­cá­ria.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.