Ri­va­li­da­de à flor da pe­le

Correio da Bahia - - Vida - Moy­sés Su­zart moy­ses.su­zart@re­de­bahia.com.br

Bat­man e Co­rin­ga, ga­to e ra­to, Vi­tó­ria e Bahia, Ro­má­rio e Tú­lio, Ar­gel Fucks e Cha­pe­co­en­se. Ad­ver­sá­ri­os, ri­vais que se res­pei­tam, mas se pro­vo­cam eter­na­men­te. Uma mis­tu­ra de amor e ódio con­tí­nu­os. No jo­go de ama­nhã, pe­lo me­nos pa­ra o Vi­tó­ria, a Cha­pe­co­en­se é só mais um ad­ver­sá­rio en­tre os 11 que fal­tam na Sé­rie A. Pa­ra o téc­ni­co Ar­gel Fucks, po­rém, é um ri­val que já ge­rou mui­tas re­se­nha e con­fu­são. Em San­ta Ca­ta­ri­na, o al­vi­ver­de é o úni­co clu­be en­tre os gran­des de lá em que Ar­gel não trei­nou.

Bas­ta mis­tu­rar o no­me Ar­gel Fucks com a Cha­pe­co­en­se no Go­o­gle pa­ra lis­tar um me­nu com­ple­to de con­fu­sões. Em uma de­las, no Ca­ta­ri­nen­se de 2015, após ven­cer a Cha­pe­co­en­se no jo­go de ida, Fucks trei­na­va o Fi­guei­ren­se e te­ria di­to: “Não me pre­o­cu­po com o jo­go de vol­ta, cer­ta­men­te se­rá ou­tra vi­tó­ria, lá é cam­po neu­tro, não tem pres­são ne­nhu­ma”. Ar­gel ne­ga, ape­sar de ou­tras con­fu­sões com a di­re­to­ria do al­vi­ver­de. O cer­to é que qua­se sem­pre o téc­ni­co do Leão é re­ce­bi­do com uma so­no­ra vaia na Are­na Con­dá.

Mais um mo­ti­vo pa­ra no­vas al­fi­ne­ta­das de Ar­gel. “A tor­ci­da, eu te­nho res­pei­to em qual­quer lu­gar que eu vou. Mas quan­do vo­cê en­tra no es­tá­dio ad­ver­sá­rio e a tor­ci­da de lá te xin­ga to­do, é si­nal que vo­cê tem o res­pei­to de­les. Nin­guém chu­ta car­ro­cho mor­to, né? Quan­do eu era jo­ga­dor era as­sim, quan­do me tor­nei trei­na­dor foi da mes­ma for­ma. É nor­mal”, dis­se o téc­ni­co ru­bro-ne­gro.

BO­LA AÉ­REA

Ar­gel ten­ta apa­zi­guar a ri­va­li­da­de. Pa­ra ele, to­do o tu­mul­to não pas­sa de um mal-en­ten­di­do e ci­ta dois exem­plos. No pri­mei­ro, o Vi­tó­ria trei­na ho­je no CT da Cha­pe­co­en­se. O se­gun­do exem­plo é pes­so­al.

“Co­nhe­ço bem a Cha­pe­co­en­se. Mi­nha es­po­sa é de Cha­pe­có. Te­nho pa­ren­tes lá. Te­nho res­pei­to mui­to gran­de pe­la ci­da­de e pe­lo clu­be. Co­nhe­ço eles, mas eles tam­bém me co­nhe­cem e sa­bem meu jei­to de tra­ba­lhar. Já en­fren­tei a Cha­pe­co­en­se vá­ri­as ve­zes. Eles vi­e­ram aqui no Bar­ra­dão e con­se­gui­ram se im­por di­an­te do Vi­tó­ria e ven­ce­ram. A gen­te tam­bém tem con­di­ção de che­gar lá e bus­car o jo­go. Fa­zer nos­so tra­ba­lho”, des­pis­ta.

No pri­mei­ro tur­no, a Cha­pe ga­nhou por 2x1 do Vi­tó­ria ain­da trei­na­do por Man­ci­ni.

Co­nhe­cen­do bem o ad­ver­sá­rio, Ar­gel apro­vei­tou a se­ma­na pa­ra se pro­te­ger da me­lhor ar­ma da Cha­pe­co­en­se: as bo­las al­tas. “Eles pos­su­em uma bo­la aé­rea mui­to for­te. Es­can­teio, fal­ta, eles apro­vei­tam tu­do pa­ra jo­gar na área. Por is­so vo­cês vi­ram eu trei­nan­do mui­to is­to, tan­to de­fen­den­do quan­to ata­can­do. Te­mos que sur­pre­en­der, pois nós tam­bém es­ta­mos for­tes nas bo­las pa­ra­das. Con­tra o In­ter e São Pau­lo, ven­ce­mos as­sim. E va­mos bus­car o re­sul­ta­do des­ta ma­nei­ra tam­bém”, adi­an­ta.

O Vi­tó­ria es­tá em 15º lu­gar com 32 pon­tos, dois pon­tos à fren­te do Cru­zei­ro, que abre a zo­na de re­bai­xa­men­to. O Fi­guei­ren­se é o 16º, com 31.

Pa­re­ce es­tra­nho, mas téc­ni­co Ar­gel tem ri­xa an­ti­ga com Cha­pe­co­en­se

Ar­gel ori­en­ta os jo­ga­do­res do Vi­tó­ria du­ran­te o úl­ti­mo trei­no no Bar­ra­dão an­tes de en­fren­tar a Cha­pe­co­en­se, ama­nhã, em San­ta Ca­ta­ri­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.