O UFC é, ca­da vez mais, en­tre­te­ni­men­to

Correio da Bahia - - Esporte -

Se vo­cê ain­da bus­ca ló­gi­ca nos ca­sa­men­tos de lu­tas do UFC, es­que­ça. É nor­mal, quan­do se tra­ta de com­pe­ti­ção, es­ta­be­le­cer cri­té­ri­os ob­je­ti­vos pa­ra con­fron­tos, ain­da mais quan­do exis­te um ran­king de­fi­ni­do.

No en­tan­to, quan­do uma or­ga­ni­za­ção pas­sa a en­ve­re­dar mais pa­ra o la­do do en­tre­te­ni­men­to e usa o cri­té­rio fi­nan­cei­ro co­mo prin­ci­pal viés de su­as es­co­lhas, tor­nan­do-as sub­je­ti­vas, a qu­an­ti­da­de de con­fron­tos que fo­gem ao cri­té­rio da­que­les que pen­sam o MMA, no ca­so, co­mo es­por­te, au­men­ta.

As­sim, men­te-se, ne­ga-se al­go pa­ra uns e apro­va-se pa­ra ou­tros. Não há trans­pa­rên­cia. E, quem não sa­be jo­gar es­se jo­go su­jo, até cer­to pon­to - vai se de­cep­ci­o­nar bas­tan­te. É o ca­so de Jo­sé Al­do.

Gran­de lu­ta­dor, dez anos sem ser der­ro­ta­do, Al­do é sub­ju­ga­do pe­lo UFC por­que, sim­ples­men­te, não ven­de. Não sa­be se ex­pres­sar. A or­ga­ni­za­ção ha­via pro­me­ti­do a ele uma re­van­che pe­lo tí­tu­lo dos pe­nas, que o ma­nau­a­ra ha­via per­di­do pa­ra Co­nor McG­re­gor há qua­se um ano. Mas mar­cou um em­ba­te en­tre o ir­lan­dês e o ame­ri­ca­no Ed­die Al­va­rez, do­no do cin­tu­rão dos le­ves, pe­lo tí­tu­lo des­ta úl­ti­ma ca­te­go­ria. Al­do en­lou­que­ceu, pe­diu que seu con­tra­to fos­se ter­mi­na­do e co­gi­ta a apo­sen­ta­do­ria.

Não é di­fí­cil de en­ten­der. O UFC vai atrás de on­de po­de con­se­guir mais lu­cro. McG­re­gor ele­vou o pa­ta­mar da or­ga­ni­za­ção - e o seu tam­bém - com sua in­te­li­gên­cia e lín­gua afi­a­da. Se tor­nou o úni­co lu­ta­dor en­tre os 100 es­por­tis­tas mais pa­gos do mun­do. Fez a or­ga­ni­za­ção ba­ter re­cor­des de ven­das de pay-per-vi­ew e ser com­pra­da por R$ 13,6 bi­lhões.

Mas a li­nha é tê­nue. O es­ti­lo McG­re­gor pas­sou a ser co­pi­a­do por boa par­te dos lu­ta­do­res e eles que­rem mais gra­na do UFC. Com o Bel­la­tor in­ves­tin­do mais (já ti­rou Rory McDo­nald do UFC), os atle­tas bons de lu­ta e ruins de pa­po po­dem mi­grar de vez e, com eles, boa par­te do pú­bli­co.

No Bra­sil, se­gun­do mai­or mer­ca­do do UFC, uma even­tu­al saí­da da or­ga­ni­za­ção de um ído­lo na­ci­o­nal co­mo Al­do pe­sa­ria bas­tan­te pa­ra is­so. Man­ter o ir­lan­dês sob con­tro­le - co­mo fi­ze­ram no ca­so do can­ce­la­men­to da lu­ta de­le no UFC 200, por ele não com­pa­re­cer a uma en­tre­vis­ta co­le­ti­va - e equi­li­brar bem es­por­ti­vi­da­de/en­tre­te­ni­men­to são fun­da­men­tais pa­ra a so­bre­vi­vên­cia da or­ga­ni­za­ção. A mes­ma mão que afa­ga po­de mui­to bem te sol­tar na bei­ra do pre­ci­pí­cio.

Com o Bel­la­tor in­ves­tin­do mais (já ti­rou Rory McDo­nald do UFC), os atle­tas bons de lu­ta e

ruins de pa­po po­dem mi­grar de vez e, com eles,

boa par­te do pú­bli­co

RES­SA­CA

A res­sa­ca pós-Olim­pía­da veio for­te. A es­gri­ma per­deu o pa­tro­cí­nio. As se­le­ções mas­cu­li­nas de han­de­bol, bas­que­te e po­lo aquá­ti­co per­de­ram seus téc­ni­cos es­tran­gei­ros Jor­di Ri­be­ra, Ru­bén Mag­na­no e Rat­ko Ru­dic, res­pec­ti­va­men­te. O da ca­no­a­gem sla­lom, Et­to­re Ival­di, tam­bém é pas­sa­do.

Is­so é só a par­te me­nos ruim. Além da cri­se na Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Bas­ket­ball (CBB), que já ci­ta­mos nes­ta co­lu­na, com a in­ter­ven­ção da Fe­de­ra­ção In­ter­na­ci­o­nal de Bas­ket­ball (Fi­ba), a Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Des­por­tos Aquá­ti­cos (CBDA) en­fren­ta a mai­or cri­se - mo­ral - de sua his­tó­ria, com in­ves­ti­ga­ção e de­nún­ci­as de ir­re­gu­la­ri­da­des.

Pa­ra pi­o­rar, em as­sem­bleia na úl­ti­ma quar­ta, a con­fe­de­ra­ção re­du­ziu a voz da co­mis­são de atle­ta, que ti­nha po­der equi­va­len­te ao do pre­si­den­te nas de­ci­sões con­jun­tas. Is­so sem qual­quer re­pre­sen­tan­te dos es­por­tis­tas na re­fe­ri­da as­sem­bleia. A Con­fe­de­ra­ção Bra­si­lei­ra de Ta­ekwon­do (CBTkd), que já te­ve seu pre­si­den­te Car­los Fer­nan­des afas­ta­do pe­la Jus­ti­ça em agos­to, ago­ra tam­bém te­rá um in­ter­ven­tor, des­ta vez in­di­ca­do pe­lo Ju­di­ciá­rio. En­quan­to is­so, Mai­con Si­quei­ra, me­da­lhis­ta de bron­ze no Rio-2016, se­gue sem re­ce­ber sua pre­mi­a­ção de R$ 12,5 mil pe­la con­quis­ta.

ivan.mar­ques@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.