Cri­ses in­ter­li­ga­das

Correio da Bahia - - Economia -

O Bra­sil vi­ve a pi­or cri­se de de­sem­pre­go das úl­ti­mas dé­ca­das e ain­da não há qual­quer pro­pos­ta de co­mo en­fren­tar o pro­ble­ma. Os pro­gra­mas dos úl­ti­mos anos fo­ram fei­tos pa­ra dar di­nhei­ro pa­ra as em­pre­sas, pa­ra que elas não de­mi­tis­sem. Não fun­ci­o­nou. Há ques­tões sen­do dis­cu­ti­das que têm re­la­ção di­re­ta com uma mu­dan­ça es­tru­tu­ral des­se qua­dro, mas são vis­tas co­mo te­mas se­pa­ra­dos.

O mer­ca­do de tra­ba­lho es­tá no meio de um pro­ble­ma agu­do, mas tem tam­bém de­se­qui­lí­bri­os crô­ni­cos. O da­do de on­tem mos­trou mais uma pi­o­ra na cri­se ime­di­a­ta. Ao fim do pri­mei­ro man­da­to da ex-pre­si­den­te Dil­ma, ha­via 6,4 mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos e ago­ra são 12 mi­lhões. O au­men­to de­sen­fre­a­do, de 86%, fez com que 5,6 mi­lhões en­gros­sas­sem a fi­la das pes­so­as que pro­cu­ram em­pre­go e não en­con­tram. A sé­rie his­tó­ri­ca do Ca­ged, re­gis­tro de em­pre­ga­dos com car­tei­ra as­si­na­da, mos­tra dois mo­men­tos em que o ba­lan­ço de de­mis­sões su­pe­rou as no­vas con­tra­ta­ções e hou­ve des­trui­ção lí­qui­da de em­pre­go: no go­ver­no Col­lor e no go­ver­no Dil­ma, que ter­mi­nou dei­xan­do es­sa he­ran­ça.

Os re­mé­di­os pa­ra ação ime­di­a­ta di­an­te des­se mar de de­sem­pre­ga­dos não são os que os go­ver­nos do PT usa­ram: o de dar re­du­ção de im­pos­tos pa­ra em­pre­sas, pa­ra que elas não de­mi­tam. Is­so au­men­tou o bu­ra­co fis­cal e ape­nas adi­ou as de­mis­sões, que aca­ba­ram ocor­ren­do. O Pro­gra­ma de Pro­te­ção ao Em­pre­go tam­bém não fun­ci­o­na por­que atin­ge um pe­que­no nú­me­ro de em­pre­sas. Ele im­pli­ca em que o go­ver­no pa­gue par­te do sa­lá­rio do fun­ci­o­ná­rio da em­pre­sa pri­va­da. Evi­den­te­men­te, is­so não de­ve ser fei­to em gran­de es­ca­la.

O país pre­ci­sa de leis fle­xí­veis que atu­a­li­zem as que fo­ram for­mu­la­das pa­ra o mun­do de me­a­dos do sé­cu­lo pas­sa­do. Mas o go­ver­no es­tá re­cu­an­do da sua in­ten­ção de pro­por a re­for­ma tra­ba­lhis­ta. É ne­ces­sá­rio tam­bém re­mo­ver os obs­tá­cu­los ao au­men­to da com­pe­ti­ti­vi­da­de pa­ra tor­nar mais di­nâ­mi­co o mer­ca­do de tra­ba­lho. Ou­tra ta­re­fa é pre­pa­rar me­lhor os tra­ba­lha­do­res pa­ra o mun­do di­gi­tal, cheio de no­vas fren­tes de tra­ba­lho e mu­dan­ças pro­fun­das na for­ma de pro­du­zir.

A re­for­ma do en­si­no mé­dio po­de ser par­te da so­lu­ção. A aber­tu­ra pa­ra o en­si­no pro­fis­si­o­na­li­zan­te e téc­ni­co é, se­gun­do al­guns es­pe­ci­a­lis­tas, en­tre eles João Ba­tis­ta de Oli­vei­ra, do Ins­ti­tu­to Al­fa e Be­to, o pon­to al­to da re­for­ma. Ele cos­tu­ma cha­mar o en­si­no mé­dio atu­al de “ex­ter­mi­na­dor do fu­tu­ro” e acha que a di­ver­si­fi­ca­ção pa­ra as áre­as hu­ma­nís­ti­ca, in­dus­tri­al, agroin­dus­tri­al e de ser­vi­ços é o me­lhor ca­mi­nho. Ele acha que o Sis­te­ma S, fi­nan­ci­a­do por re­cur­sos pú­bli­cos, tem que es­tar en­vol­vi­do nes­se es­for­ço de in­cluir mais es­tu­dan­tes no en­si­no mé­dio téc­ni­co.

O mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Men­don­ça Fi­lho, que en­tre­vis­tei es­ta se­ma­na na Glo­bonews, dis­se que o Bra­sil es­tá em des­com­pas­so com o res­to do mun­do em ma­té­ria de en­si­no mé­dio por­que tem ape­nas 8,4% de ma­trí­cu­las em cur­sos vo­ca­ci­o­nais. Na Fran­ça, Rei­no Uni­do, Chi­na, Por­tu­gal, Ale­ma­nha e Itá­lia, mais de 40% dos alu­nos es­tão em cur­sos téc­ni­cos. Na Ale­ma­nha, que é con­si­de­ra­da um ca­so de su­ces­so, são 47,8%. O en­si­no pro­fis­si­o­na­li­zan­te não po­de ex­cluir a op­ção de con­ti­nu­ar os es­tu­dos na uni­ver­si­da­de, pa­ra quem quei­ra. Aliás, as ma­trí­cu­las em cur­so su­pe­ri­or tec­no­ló­gi­co mais que do­bra­ram, de 5,2% pa­ra 13,6% en­tre

2005 e 2013, e de­pois vol­ta­ram a cair.

Ou­tra ques­tão que tem si­do dis­cu­ti­da co­mo se não fi­zes­se par­te des­se to­do é a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Se hou­ver mai­or di­na­mis­mo no mer­ca­do de tra­ba­lho, ha­ve­rá mais gen­te con­tri­buin­do. Se au­men­tar o nú­me­ro de tra­ba­lha­do­res com car­tei­ra as­si­na­da, tam­bém. Is­so re­du­zi­ria o de­se­qui­lí­brio das con­tas pú­bli­cas. A re­for­ma quer re­tar­dar a apo­sen­ta­do­ria, mas o tra­ba­lha­dor só po­de per­ma­ne­cer mais tem­po em ati­vi­da­de se hou­ver em­pre­go. E é pre­ci­so que a eco­no­mia crie mais va­gas pa­ra quem es­tá en­tran­do. O de­sem­pre­go de jo­vens es­tá em 26%. A re­for­ma só da­rá cer­to se a eco­no­mia cres­cer, se for mais ba­ra­to e mais fá­cil em­pre­gar no mer­ca­do for­mal e se as em­pre­sas su­pe­ra­rem o pre­con­cei­to que hoje exis­te con­tra os mais jo­vens e os mais ve­lhos. A mai­o­ria das em­pre­sas bra­si­lei­ras tem re­gras de de­mis­são pa­ra quem faz 60 anos. Co­mo re­tar­dar a apo­sen­ta­do­ria pa­ra 65 anos? Os pro­ble­mas bra­si­lei­ros es­tão li­ga­dos co­mo par­tes de um con­ti­nen­te, e o go­ver­no es­tá olhan­do co­mo se eles fos­sem ilhas iso­la­das.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.