‘Sem re­for­ma, nem eu vou re­ce­ber apo­sen­ta­do­ria’, diz Mi­chel Te­mer

Correio da Bahia - - Brasil -

PRE­VI­DÊN­CIA O pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Mi­chel Te­mer, afir­mou on­tem que a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia é um te­ma pri­mor­di­al da pau­ta de lon­go pra­zo do go­ver­no. Se­gun­do ele, o go­ver­no es­tá tra­ba­lhan­do pa­ra en­vi­ar ao Con­gres­so uma pro­pos­ta viá­vel, que ga­ran­ta a sus­ten­ta­bi­li­da­de da Pre­vi­dên­cia. Mes­mo as­sim, ele ga­ran­tiu que nin­guém que já es­tá apo­sen­ta­do per­de­rá di­rei­tos.

“Se não fi­zer­mos na­da, em seis ou se­te anos, quan­do eu, apo­sen­ta­do, for lá no go­ver­no bus­car meu be­ne­fí­cio, eles não te­rão di­nhei­ro pa­ra pa­gar”, co­men­tou du­ran­te um even­to da Re­vis­ta Exa­me. O pre­si­den­te lem­brou que o dé­fi­cit do re­gi­me ge­ral da Pre­vi­dên­cia de­ve atin­gir R$ 150 bi­lhões es­te ano e su­bir pa­ra al­go en­tre R$ 180 bi­lhões e R$ 190 bi­lhões em 2017. “Hoje, os nú­me­ros da Pre­vi­dên­cia não fe­cham e as ex­pe­ri­ên­ci­as de ou­tros paí­ses mos­tram os gra­ves da­nos so­ci­ais de pos­ter­gar re­for­mas pre­vi­den­ciá­ri­as”, acres­cen­tou. O pre­si­den­te res­sal­tou en­fa­ti­ca­men­te que não ha­ve­rá per­das de di­rei­tos ad­qui­ri­dos. O pre­si­den­te vol­tou a di­zer que o go­ver­no não quer au­men­to da car­ga tri­bu­tá­ria e que, se a Pro­pos­ta de Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal (PEC) que li­mi­ta o gas­to pú­bli­co for apro­va­da, não se­rá pre­ci­so nem se­quer pen­sar em au­men­tos de tri­bu­tos. “A car­ga che­gou a seu li­mi­te e es­ta­mos lu­tan­do pa­ra evi­tar seu au­men­to”, afir­mou Te­mer. Ele dis­se es­tar con­fi­an­te na apro­va­ção da PEC 241 e de ou­tras me­di­das que o go­ver­no en­vi­a­rá pa­ra apre­ci­a­ção do Con­gres­so. Te­mer rei­te­rou que se a PEC 241 não for apro­va­da, a dí­vi­da pú­bli­ca po­de­rá che­gar a

100% do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) em 2024. “A apro­va­ção da PEC é fun­da­men­tal pa­ra evi­tar­mos uma es­pi­ral in­fla­ci­o­ná­ria e uma re­ces­são mais pro­fun­da. Se não for apro­va­da, a dí­vi­da bru­ta po­de­rá che­gar a 100% do PIB em 2024, ou an­tes. Is­so se­rá a fa­lên­cia do Es­ta­do”, avi­sou. O pre­si­den­te fez ques­tão de dei­xar cla­ro que o pro­ble­ma fis­cal e o de­sem­pre­go fo­ram her­da­dos da ad­mi­nis­tra­ção Dil­ma Rous­seff, ape­sar de em ne­nhum mo­men­to ter ci­ta­do o no­me de sua an­te­ces­so­ra. “Che­ga­mos a 12 mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos e a cul­pa não é mi­nha”, re­for­çou. Te­mer dis­se que as­su­miu o go­ver­no com to­dos os ín­di­ces de in­fla­ção em al­ta e com res­tos a pa­gar de qua­se R$ 186 bi­lhões.

Pre­si­den­te Mi­chel Te­mer fa­lou so­bre a re­la­ção en­tre des­con­tro­le das con­tas pú­bli­cas e o de­sem­pre­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.