O um­bi­go de Sa­li­e­ri

Correio da Bahia - - Mais -

Um­bi­go de Sa­li­e­ri? Re­pa­rem, se vo­cês não sa­bem quem foi Sa­li­e­ri, as­sis­tam Ama­deus (1984), um fil­me es­ta­du­ni­den­se di­ri­gi­do por Mi­los For­man, com ro­tei­ro de Pe­ter Shaf­fer, e en­con­tra­rão ele lá, An­to­nio Sa­li­e­ri, um ar­tis­ta bem-su­ce­di­do na Vi­e­na do sé­cu­lo 18, até a che­ga­da do es­ton­te­an­te Wolf­gang Ama­deus Mo­zart. Sa­li­e­ri era um ar­tis­ta me­di­a­no, com­pe­ten­te, um CDF, um nerd, mas Mo­zart era to­tal­men­te ge­ni­al, um ven­ce­dor, e tu­do que ele fa­zia da­va cer­to. Ele nem se es­for­ça­va pra is­so. Acho que nu­ma ce­na do fil­me Sa­li­e­ri per­gun­ta a Deus co­mo é que aque­le ca­ra lu­xu­ri­o­so cria tão di­vi­na­men­te? Pois é, os hu­ma­nos Mo­zart des­per­tam in­ve­ja nos Sa­li­e­ri que se es­for­çam, que acham que fo­ram in­jus­ti­ça­dos e têm cer­te­za que me­re­cem re­pa­ra­ções, ou que se acham me­lho­res ape­sar de não se­rem, já que os um­bi­gos são pe­da­ços “des­com­pre­en­di­dos” dos cor­pos e pen­sam coi­sas de seus do­nos que até os ori­xás du­vi­dam.

Ago­ra que to­do mun­do que não as­sis­tiu Ama­deus en­ten­deu Sa­li­e­ri, o que vem a ser o um­bi­go de­le? Eu usei co­mo me­tá­fo­ra pra fa­lar dos úl­ti­mos anos na Bahia, com a ins­ta­la­ção de uma Re­pú­bli­ca de Sa­li­e­ri, res­sen­ti­da, que che­gou ao po­der e, em vez de con­ti­nu­ar o tra­ba­lho dos que fa­zi­am bem e eram bem-su­ce­di­dos, os per­se­guiu pa­ra que eles não fi­zes­sem. E tam­pou­co fi­ze­ram coi­sa al­gu­ma. Por­que es­tá mais que cla­ro que quem nas­ceu pra Sa­li­e­ri nun­ca che­ga­rá a Mo­zart. An­to­nio Car­los Magalhães e Wal­dir Pi­res re­pre­sen­tam bem es­ses dois per­so­na­gens. ACM exer­ceu o po­der bai­a­no du­ran­te pra­ti­ca­men­te to­da sua vi­da, com re­a­li­za­ções ine­gá­veis. A Ci­da­de da Baía da se­gun­da me­ta­de do sé­cu­lo 20 foi cons­truí­da por ACM. Pon­to. Wal­dir che­gou ao po­der por­que ACM ele­geu um pos­te sem luz, João Dur­val, que fez uma ges­tão de­sas­tra­da. An­tes de ele­ger-se, Wal­dir pro­me­teu ri­os de lei­te e mon­ta­nhas de pão. Fez na­da e, em dois anos, trans­fe­riu o go­ver­no pra seu vi­ce, Ni­lo Co­e­lho, um hoje pou­co fa­mo­so Ni­lo Boi dos anos no­ven­ta que, em sua sa­li­e­ri­ce pro­fun­da, de­vol­veu o po­der a ACM com di­rei­to ao cor­del ACM vai vol­tar pra sal­var a Bahia. E tu­do is­so não é Car­lis­mo. É his­tó­ria. Mas Wal­dir Pi­res te­ve ou­tra chan­ce e vol­tou ao po­der com a vi­tó­ria de Lu­la, em 2002. De 2003 a 2006 foi mi­nis­tro da Con­tro­la­do­ria Ge­ral da União. Con­tro­lou? Os tur­bu­len­tos tem­pos atu­ais su­ge­rem que não. Mas quan­do Pi­res as­su­miu o Mi­nis­té­rio da De­fe­sa (2006ª2007) qua­se aca­ba com a avi­a­ção bra­si­lei­ra. Qui­e­ta aqui, cor­re aco­lá, ti­ra­ram Wal­dir Sa­li­e­ri da De­fe­sa e ele ten­tou o Se­na­do, mas não lhe de­ram o Se­na­do. En­tão, ele se can­di­da­tou a ve­re­a­dor, em 2012, pra pu­xar vo­tos, co­mo Ti­ri­ri­ca, em Sam­pa. E foi elei­to com 13.801 vo­tos, ape­nas o sex­to mais vo­ta­do. Com a mor­te do seu an­ta­go­nis­ta, em 2007, Pi­res tor­nou-se um ve­re­a­dor si­len­ci­o­so.

Um dos atra­sos do Bra­sil, so­bre­tu­do da Baía, é pro­te­ger os Sa­li­e­ri, tal­vez pe­lo de­fei­to da pi­e­da­de, des­cri­to por Ni­etzs­che com bri­lho mo­zar­ti­a­no. O que não adi­an­ta. A his­tó­ria é es­per­ta, tão es­per­ta que pou­cos hoje sa­bem quem foi Sa­li­e­ri, e os que sa­bem, sa­bem por­que as­sis­ti­ram Ama­deus ou são pro­fis­si­o­nais da música eru­di­ta. Já Mo­zart!!!

Eu usei co­mo me­tá­fo­ra pra fa­lar dos úl­ti­mos anos na Bahia, com a ins­ta­la­ção de uma Re­pú­bli­ca de Sa­li­e­ri, res­sen­ti­da, que che­gou

ao po­der e, em vez de con­ti­nu­ar o tra­ba­lho

dos que fa­zi­am bem e eram bem-su­ce­di­dos,

os per­se­guiu pa­ra que eles não fi­zes­sem. E tam­pou­co fi­ze­ram

coi­sa al­gu­ma. Por­que es­tá mais que cla­ro

que quem nas­ceu pra Sa­li­e­ri nun­ca che­ga­rá a Mo­zart. An­to­nio Car­los Magalhães e Wal­dir Pi­res re­pre­sen­tam bem es­ses

dois per­so­na­gens

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.