Sus­pei­tos po­dem ter até man­da­to cas­sa­do

Correio da Bahia - - Mais -

tor por exa­mes mé­di­cos. Nes­se es­que­ma os pa­ci­en­tes eram obri­ga­dos a en­tre­gar o tí­tu­lo de eli­tor se qui­ses­sem re­ce­ber o aten­di­men­to mé­di­co. A ile­ga­li­da­de es­ta­va sen­do pra­ti­ca­da pe­los dois can­di­da­tos.

“Além da cap­ta­ção ilí­ci­ta em tro­ca da ben­ção foi iden­ti­fi­ca­do que ha­via um es­que­ma co­man­da­do pe­lo can­di­da­to den­tro da as­so­ci­a­ção re­li­gi­o­sa pa­ra o for­ne­ci­men­to de exa­mes e con­sul­tas mé­di­cas em tro­ca do for­ne­ci­men­to do tí­tu­lo de elei­tor do pa­ci­en­te. Se o pa­ci­en­te se re­cu­sas­se a for­ne­cer o do­cu­men­to, ele não re­a­li­za­ria ou não re­ce­be­ria o exa­me”, afir­mou Mar­ques.

Tam­bém on­tem a po­lí­cia cum­priu oi­to man­da­dos de bus­ca e apre­en­são. En­tre as no­ve pes­so­as con­du­zi­das pa­ra a de­le­ga­cia pa­ra pres­tar es­cla­re­ci­men­tos es­ta­vam os dois can­di­da­tos sus­pei­tos de en­vol­vi­men­to no es­que­ma.

Eles fo­ram ou­vi­dos e li­be­ra­dos. Na saí­da da de­le­ga­cia, os dois ho­mens fo­ram abor­da­dos pe­la im­pren­sa lo­cal e ne­ga­ram en­vol­vi­men­to nos cri­mes. Ao por­tal Acor­da Ci­da­de, Pas­tor Pe­dro dis­se que es­ta­va sen­do per­se­gui­do.

NE­GO­CI­A­ÇÃO

A Po­lí­cia Fe­de­ral in­for­mou que tam­bém in­ter­cep­tou li­ga­ções dos can­di­da­tos, com au­to­ri­za­ção ju­di­ci­al, e fla­grou uma ne­go­ci­a­ção de com­pra de vo­tos por par­te do ve­re­a­dor Wel­lig­ton An­dra­de. Se­gun­do a po­lí­cia, ele foi fla­gra­do ten­tan­do com­prar um lo­te de vo­tos ofe­re­ci­do por uma li­de­ran­ça po­lí­ti­ca da re­gião.

“Eles mar­ca­ram uma reu­nião, em que a Po­lí­cia Fe­de­ral fez o acom­pa­nha­men­to e ve­ri­fi­cou que a ne­go­ci­a­ção foi con­cre­ti­za­da. In­clu­si­ve, no final da ne­go­ci­a­ção es­sa li­de­ran­ça po­lí­ti­ca re­ti­ra a plo­ta­gem que es­ta­va no seu car­ro e co­lo­ca a plo­ta­gem do can­di­da­to que é o atu­al ve­re­a­dor”, dis­se o de­le­ga­do.

Os in­ves­ti­ga­do­res apu­ra­ram tam­bém que o Pas­tor Pe­dro man­ti­nha uma lis­ta de ca­das­tra­men­to de ca­sas nas quais fa­zia a en­tre­ga de pães com o san­ti­nho de can­di­da­to, o que tam­bém é proi­bi­do pe­lo Có­di­go Elei­to­ral. A po­lí­cia acre­di­ta que exis­tem ou­tras pes­so­as en­vol­vi­das nos cri­mes e a in­ves­ti­ga­ção ain­da não foi con­cluí­da.

Se­gun­do o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Elei­to­ral, as pe­na­li­da­des apli­ca­das são di­ver­sas e po­dem ser es­ten­di­das aos elei­to­res que se be­ne­fi­ci­a­ram do es­que­ma (qua­dro ao la­do). To­do o ma­te­ri­al apre­en­di­do on­tem foi en­ca­mi­nha­do tam­bém pa­ra o MPE. Apro­xi­ma­da­men­te 40 po­li­ci­ais fe­de­rais par­ti­ci­pa­ram da ação que cum­priu to­dos os man­da­dos den­tro de Fei­ra de San­ta­na. Pro­cu­ra­dos pe­lo COR­REIO, os can­di­da­tos não fo­ram lo­ca­li­za­dos pa­ra co­men­tar o as­sun­to. Os dois can­di­da­tos a ve­re­a­dor de Fei­ra de San­ta­na que fo­ram al­vos de uma in­ves­ti­ga­ção da Po­lí­cia Fe­de­ral e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Elei­to­ral (MPE), na ma­nhã de on­tem, po­dem ser mul­ta­dos, pre­sos e, se elei­tos, po­dem ter os man­da­to cas­sa­dos.

Se­gun­do o pro­mo­tor do MPE, Al­do da Sil­va Ro­dri­gues, as pe­na­li­da­des vão de­pen­der do en­vol­vi­men­to dos sus­pei­tos nos cri­me de­nun­ci­a­dos. “As ações po­dem ser de du­as for­mas: de na­tu­re­za cri­mi­nal, com pe­di­do de pri­são a de­pen­der dos cri­mes que se­jam co­me­ti­dos, co­mo a cap­ta­ção ilí­ci­ta de su­frá­gio; e de na­tu­re­za ci­vil, que de­man­da a cas­sa­ção do re­gis­tro ou di­plo­ma, se eles fo­rem elei­tos. Po­dem tam­bém fi­car ine­le­gí­veis por oi­to anos se­guin­tes à elei­ção”, afir­mou o pro­mo­tor. Ele lem­brou que, as­sim co­mo os can­di­da­tos, os elei­to­res que se be­ne­fi­ci­a­ram do es­que­ma tam­bém po­dem ser pe­na­li­za­dos. A lei pre­vê mul­ta e até pri­são.

Wel­lig­ton é ve­re­a­dor em Fei­ra

Pas­tor Pe­dro é can­di­da­to à CMFS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.