Se­gun­da tem­po­ra­da de Mag­ní­fi­ca 70 es­treia ama­nhã

Correio da Bahia - - Vida - Ha­ga­me­non Bri­to, de São Pau­lo ha­ga­me­non.bri­to@re­de­bahia.com.br

De­pois do su­ces­so da pri­mei­ra tem­po­ra­da, que tam­bém foi exi­bi­da nos EUA e Rei­no Uni­do, on­de me­re­ceu elo­gi­os do The Gu­ar­di­an, Mag­ní­fi­ca 70 vol­ta ao ar ama­nhã, às 22h, no ca­nal HBO, em dez ca­pí­tu­los.

No mes­mo dia, os ca­nais HBO/Max pro­mo­vem uma ma­ra­to­na da pri­mei­ra tem­po­ra­da, com si­nal aber­to em to­das as ope­ra­do­ras de TV, o mes­mo va­len­do pa­ra a aguar­da­da es­treia de Westworld, às 23h.

An­te­ri­or­men­te, o es­pec­ta­dor acom­pa­nhou a sa­ga de Vi­cen­te (Mar­cos Win­ter), um fun­ci­o­ná­rio do De­par­ta­men­to da Cen­su­ra Bra­si­lei­ra que tem a vi­da trans­for­ma­da ao en­trar no mun­do da pro­du­ção de ci­ne­ma, na Bo­ca do Li­xo, na São Pau­lo dos anos 1970, em ple­na di­ta­du­ra mi­li­tar.

De­pois de ini­ci­ar uma ines­pe­ra­da car­rei­ra co­mo ro­tei­ris­ta e di­re­tor, Vi­cen­te se tor­na só­cio da pro­du­to­ra Mag­ní­fi­ca. Ago­ra, nes­sa no­va fa­se, a pro­du­to­ra pas­sa por um mo­men­to con­tur­ba­do e a tra­ma da sé­rie di­ri­gi­da por Cláu­dio Tor­res (Re­den­tor, O Ho­mem do Fu­tu­ro) se apro­fun­da no pro­ces­so de fa­zer ci­ne­ma.

"O es­pí­ri­to da sé­rie é sa­ber se apro­fun­dar, mas con­ti­nu­ar a mes­ma. Pa­ra is­so, a his­tó­ria deu um pu­lo de um ano e meio, in­cluin­do um cer­to mis­té­rio. Is­so cria uma ca­ma­da de sur­pre­sa que vai sen­do ex­pli­ca­da ao lon­go da tem­po­ra­da. Foi um mo­do de hon­rar a es­tru­tu­ra da pri­mei­ra tem­po­ra­da e ir além", afir­ma Tor­res so­bre a atra­ção que tem bo­ni­ta fo­to­gra­fia e cu­jo te­ma de aber­tu­ra é o clás­si­co San­gue La­ti­no, dos Se­cos & Mo­lha­dos.

Os pro­ble­mas da pro­du­to­ra Mag­ní­fi­ca na se­gun­da tem­po­ra­da in­clu­em uma chan­ta­gem pa­ra par­ti­ci­par de um es­que­ma de cor­rup­ção jun­to à Em­bra­fil­me. Além dis­so, Do­ra Du­mar (Si­mo­ne Spo­la­do­re) é pres­si­o­na­da por um de­le­ga­do e vol­ta à pro­du­to­ra pa­ra ten­tar en­tre­gar os an­ti­gos co­le­gas à po­lí­cia.

"Cons­truir a Do­ra na se­gun­da tem­po­ra­da foi bem in­te­res­san­te. Ela vi­ve ou­tra his­tó­ria nes­se um ano e meio e es­tá com a cul­pa de ter ma­ta­do uma pes­soa. Tra­ba­lhei com uma pro­fes­so­ra de dan­ça, fiz um tra­ba­lho pa­ra ten­tar ser o mais téc­ni­co pos­sí­vel na ho­ra de en­trar em ce­na. Foi mui­to for­te fa­zer a Do­ra no­va­men­te e achei ba­ca­na man­ter a sen­su­a­li­da­de da per­so­na­gem, que é uma ca­rac­te­rís­ti­ca de­la", diz Spo­la­do­re.

"Os per­so­na­gens es­tão to­dos ali, ne­nhum es­tá fa­zen­do um mo­vi­men­to gra­tui­to e in­co­e­ren­te com o que acon­te­ceu na pri­mei­ra tem­po­ra­da. Ca­da um de­les vai se mo­vi­men­tar pa­ra re­sol­ver su­as pró­pri­as ques­tões ou as ques­tões do gru­po, dos Mag­ní­fi­cos", co­men­ta Mar­cos Win­ter so­bre os ru­mos dos per­so­na­gens.

Comments

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.