Ro­tei­ro fra­co e pre­vi­sí­vel

Correio da Bahia - - Esporte -

Per­doe-me, ca­ro lei­tor ou be­la leitora, se lo­go no iní­cio des­te tex­to uso o ar­ti­fí­cio meio in­con­ve­ni­en­te de fa­zer uma au­to­ci­ta­ção. Mas, pe­la nos­sa ami­za­de, acei­te tal ca­bo­ti­na­gem só por hoje: “Se a tor­ci­da não co­brar, nas ar­qui­ban­ca­das ou fo­ra de­las, uma re­so­lu­ção rá­pi­da des­se im­pas­se, o ro­tei­ro é mais do que pre­vi­sí­vel: o Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro vai afu­ni­lar e, no mo­men­to de­ci­si­vo do tor­neio, es­te­ja o ti­me em que po­si­ção es­ti­ver, lo­go sur­gi­rá a opor­tu­nis­ta des­cul­pa de que não é bom dis­cu­tir po­lí­ti­ca do clu­be en­quan­to é pre­ci­so ter fo­co no cam­po”.

O tre­cho aci­ma foi pu­bli­ca­do no dia 25 de ju­nho des­te ano aqui nes­ta co­lu­na. O im­pas­se a que se re­fe­re é um tan­to man­ja­do. Tra­ta do en­la­me­a­do pro­ces­so de de­mo­cra­ti­za­ção do Vi­tó­ria, que vai mor­ren­do an­tes mes­mo de che­gar na praia. Lá em ju­nho já es­ta­va mui­to cla­ro que a di­re­to­ria ru­bro-ne­gra, jun­ta­men­te com o cor­po de con­se­lhei­ros que lhe dá sus­ten­to, ia en­ro­lar com as mu­dan­ças es­ta­tu­tá­ri­as do Vi­tó­ria até ter a chan­ce de ti­rar do bol­so o ri­dí­cu­lo ar­gu­men­to de dar aten­ção so­men­te ao cam­po.

Pois, com o ti­me cor­ren­do sé­rio ris­co de ser re­bai­xa­do (de no­vo), o pre­vi­sí­vel opor­tu­nis­mo ga­nhou for­ma es­ta se­ma­na, em en­tre­vis­ta con­ce­di­da ao COR­REIO pe­lo pre­si­den­te ru­bro-ne­gro, Rai­mun­do Vi­a­na. Va­mos às pa­la­vras do man­da­tá­rio: “Qual­quer dis­cus­são em tor­no da po­lí­ti­ca in­ter­na afe­ta o gru­po de jo­ga­do­res. Te­nho es­pe­ran­ça de que os ru­bro-ne­gros ha­ve­rão de tam­bém se­guir co­mo nós, dei­xan­do a po­lí­ti­ca pa­ra um pou­co mais na fren­te. E aí sim ca­da um se apre­sen­te, fa­ça su­as pro­pos­tas, com as su­as cha­pas, pa­ra o só­cio do clu­be es­co­lher seus di­ri­gen­tes”. Vi­a­na de­ve­ria ter, no mí­ni­mo, ver­go­nha de dar uma de­cla­ra­ção co­mo es­sa. Afi­nal de con­tas, é por cul­pa de­le e do seu gru­po que, nas elei­ções de de­zem­bro, o “só­cio do clu­be” não te­rá o di­rei­to de es­co­lher di­ri­gen­te ne­nhum. Vi­a­na de­ve­ria tam­bém ter ver­go­nha de não va­lo­ri­zar a pró­pria pa­la­vra, pois foi ele mes­mo, quan­do as­su­miu o car­go em 2015, que de­cla­rou a ple­nos pul­mões que seu su­ces­sor se­ria es­co­lhi­do em elei­ção di­re­ta. Se Vi­a­na e sua tur­ma não ti­ves­sem boi­co­ta­do o pro­ces­so de de­mo­cra­ti­za­ção, nin­guém es­ta­ria dis­cu­tin­do is­so ago­ra. As de­cla­ra­ções do pre­si­den­te do Vi­tó­ria são tão cons­tran­ge­do­ras que, na mes­ma en­tre­vis­ta em que ro­ga pa­ra que a tor­ci­da dei­xe a po­lí­ti­ca de la­do, Rai­mun­do Vi­a­na apro­vei­ta uma das res­pos­tas pa­ra, pra­ti­ca­men­te, fa­zer um dis­cur­so de can­di­da­to à re­e­lei­ção. Às as­pas: “Quem já fez, po­de fa­zer mui­to mais. Nós re­ce­be­mos o clu­be na se­gun­da di­vi­são, fo­ra do cam­pe­o­na­to es­ta­du­al, fo­ra da Co­pa do Nor­des­te. Nós re­ce­be­mos o clu­be com uma in­fra­es­tru­tu­ra mui­to de­fi­ci­en­te. E on­de é que nós es­ta­mos? Na pri­mei­ra di­vi­são. Es­ta­mos com uma in­fra­es­tru­tu­ra ex­tra­or­di­ná­ria, vol­ta­mos à Co­pa do Nor­des­te com mé­ri­tos, so­mos cam­peões es­ta­du­ais. Quem fez tu­do is­so me­re­ce um pou­co de cré­di­to da par­te da tor­ci­da”.

Na sua fa­la de pa­lan­que, em que só fal­tou pe­dir vo­to, Rai­mun­do Vi­a­na es­que­ceu ape­nas de di­zer que to­da a he­ran­ça que re­ce­beu co­mo pre­si­den­te foi dei­xa­da pe­lo gru­po do qual ele mes­mo faz par­te. Se a es­tru­tu­ra do clu­be era “mui­to de­fi­ci­en­te”, a cul­pa é dos seus prin­ci­pais ali­a­dos. Não cus­ta na­da lem­brar que es­te gru­po, acas­te­la­do em Ca­na­bra­va há 11 anos, já le­vou o Vi­tó­ria du­as ve­zes pa­ra a se­gun­da di­vi­são ape­nas de 2010 pra cá - e só Deus sa­be co­mo ter­mi­na­rá 2016.

O sen­ti­men­to de oni­po­tên­cia dos di­ri­gen­tes do Vi­tó­ria é tão gran­de que ten­ta­ram em­pur­rar uma pro­pos­ta de re­for­ma es­ta­tu­tá­ria pa­ri­da pe­la di­re­to­ria, o que é proi­bi­do pe­la nor­ma vi­gen­te no clu­be. Tu­do fei­to pa­ra não der cer­to - e não deu.

E sa­be o que é pi­or? Eles to­cam to­da es­ta in­fâ­mia sem se­quer co­rar. Es­te sim é um gran­de mé­ri­to.

Se Rai­mun­do Vi­a­na e sua

tur­ma não ti­ves­sem boi­co­ta­do o pro­ces­so de

de­mo­cra­ti­za­ção, nin­guém es­ta­ria dis­cu­tin­do

is­so ago­ra

vu­fir­mo@gmail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.