Opor­tu­ni­da­de his­tó­ri­ca

Correio da Bahia - - Front Page -

A ten­dên­cia de cres­ci­men­to dos gas­tos pú­bli­cos (pri­má­ri­os, sem con­si­de­rar as des­pe­sas fi­nan­cei­ras) é de lon­ga da­ta. Por mui­to tem­po, fi­nan­ci­a­mos os gas­tos com emis­são de mo­e­da, ou se­ja, via in­fla­ção. Quan­do a in­fla­ção foi de­be­la­da com o Pla­no Re­al, o fi­nan­ci­a­men­to pas­sou a ser com o au­men­to de car­ga tri­bu­tá­ria, do en­di­vi­da­men­to pú­bli­co e com pri­va­ti­za­ções. Mais re­cen­te­men­te, a for­te al­ta dos pre­ços in­ter­na­ci­o­nais das com­mo­di­ti­es e o cres­ci­men­to do con­su­mo do­més­ti­co ge­ra­ram au­men­to da ar­re­ca­da­ção, per­mi­tin­do a per­ma­nen­te ex­pan­são da des­pe­sa do go­ver­no.

O avan­ço con­tí­nuo dos gas­tos pres­si­o­na a de­man­da agre­ga­da, exi­gin­do ta­xas de ju­ros ele­va­das pa­ra equi­li­brar in­ves­ti­men­to e pou­pan­ça. Adi­ci­o­nal­men­te, es­sa di­nâ­mi­ca ge­ra in­cer­te­zas quan­to à sus­ten­ta­bi­li­da­de do en­di­vi­da­men­to pú­bli­co, o que pres­si­o­na os prê­mi­os de ris­co e, por ta­be­la, as ta­xas de ju­ros. As­sim, em que pe­se a im­por­tân­cia das di­ver­sas te­ses al­ter­na­ti­vas pa­ra ten­tar ex­pli­car os ju­ros al­tos no Bra­sil, a raiz do pro­ble­ma pa­re­ce ser mes­mo a po­lí­ti­ca fis­cal.

Nes­se sen­ti­do, es­ta­mos di­an­te de uma opor­tu­ni­da­de his­tó­ri­ca. A PEC 241, que pro­põe um te­to pa­ra o cres­ci­men­to dos gas­tos pú­bli­cos, é im­por­tan­te não ape­nas por­que as fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to pa­re­cem ago­ra ter se es­go­ta­do, mas tam­bém por ser uma ma­nei­ra de re­pen­sar a for­ma que fa­ze­mos o or­ça­men­to no país. His­to­ri­ca­men­te, dis­cu­ti­mos o or­ça­men­to de bai­xo pa­ra ci­ma: de­ci­di­mos quan­to de­ve­mos gas­tar em ca­da ru­bri­ca pa­ra de­pois ver se ca­be no or­ça­men­to. Se cou­ber, óti­mo; se não, au­men­tam-se os im­pos­tos ou o en­di­vi­da­men­to. Por ve­zes, a de­ci­são de gas­to é au­to­má­ti­ca, de­vi­do às vin­cu­la­ções, sem se dis­cu­tir a ne­ces­si­da­de e a for­ma de ca­da dis­pên­dio. Não ra­ro, é ne­ces­sá­rio gas­tar de for­ma ace­le­ra­da e sem cri­té­rio pa­ra não de­sen­qua­drar do mí­ni­mo es­ta­be­le­ci­do pe­lo ca­len­dá­rio fis­cal.

A con­jun­tu­ra in­ter­na­ci­o­nal fa­vo­re­ce ju­ros me­no­res. Es­tá se con­so­li­dan­do a pers­pec­ti­va de que as ta­xas de ju­ros nos paí­ses cen­trais se­rá bai­xa por mui­tos anos ain­da. O Ban­co Cen­tral do Ja­pão aca­bou de si­na­li­zar ju­ros per­to de ze­ro pa­ra os pró­xi­mos 10 anos. Na Eu­ro­pa, os ju­ros bá­si­cos es­tão no ter­ri­tó­rio ne­ga­ti­vo e o BCE dis­cu­te se a eco­no­mia pre­ci­sa de ain­da mais es­tí­mu­los. Mes­mo nos EUA, que de­vem re­to­mar a al­ta de ju­ros nes­te fi­nal de ano, o processo de­ve ser gra­du­al e cau­te­lo­so.

Se for­mos ca­pa­zes des­sa his­tó­ri­ca mu­dan­ça em nos­sa es­tru­tu­ra de ges­tão da po­lí­ti­ca fis­cal, e le­van­do em con­ta a con­jun­tu­ra econô­mi­ca, o es­pa­ço pa­ra que­da de ju­ros em 2017 po­de ser subs­tan­ci­al. O ano que vem po­de fi­car mar­ca­do pe­la re­to­ma­da da con­ver­gên­cia se­gu­ra pa­ra ta­xas de ju­ros es­tru­tu­ral­men­te mais bai­xas pa­ra to­dos, e não ape­nas pa­ra aque­les que se be­ne­fi­ci­am de cré­di­to sub­si­di­a­do, abrin­do es­pa­ço pa­ra o cres­ci­men­to sus­ten­tá­vel da eco­no­mia. Se­ria um gran­de ga­nho pa­ra a so­ci­e­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.