Der­ro­ta es­pe­ra­da

Correio da Bahia - - Seu Voto - Jor­ge Gauthi­er jor­ge.sou­za@re­de­bahia.com.br

A de­pu­ta­da fe­de­ral Ali­ce Por­tu­gal (PC­doB) te­ve co­mo mo­te de cam­pa­nha pa­ra a prefeitura da ca­pi­tal bai­a­na “Di­ga Sim a Sal­va­dor”. Mas, on­tem, nas ur­nas, ela só re­ce­beu o ‘sim’ de 14,55% (192.980) dos elei­to­res e não con­se­guiu su­pe­rar o prefeito ACM Ne­to (DEM), que te­ve 73,99% (981.703) dos vo­tos vá­li­dos. Re­sig­na­da com o re­sul­ta­do, a can­di­da­ta dis­se, após a con­fir­ma­ção da re­e­lei­ção do atu­al prefeito, que já es­pe­ra­va a der­ro­ta.

“Já es­pe­rá­va­mos o re­sul­ta­do em fun­ção de to­da a di­fi­cul­da­de es­tru­tu­ral da cam­pa­nha. Só tí­nha­mos qua­tro car­ros de som pa­ra per­cor­rer to­da a ci­da­de. Mas eu te­nho cer­te­za que nos­so pa­pel foi fei­to com mui­ta hon­ra­dez e, aci­ma de tu­do, sem re­jei­ção da po­pu­la­ção. O re­sul­ta­do é uma se­me­a­du­ra de idei­as de­mo­crá­ti­cas”, afir­mou Ali­ce quan­do foi re­ce­bi­da por cer­ca de 150 mi­li­tan­tes do par­ti­do no gi­ná­sio do Sin­di­ca­to dos Ban­cá­ri­os, no bair­ro Dois de Ju­lho.

Ape­sar da der­ro­ta, o cli­ma no es­pa­ço era de fes­ta e ce­le­bra­ção. Das 17h, quan­do a vo­ta­ção foi en­cer­ra­da, até 17h30, o som do es­pa­ço to­ca­va nas al­tu­ras can­ções de Wes­ley Sa­fa­dão en­quan­to os mi­li­tan­tes acom­pa­nha­vam os re­sul­ta­dos pe­los ce­lu­la­res. Quan­do a apu­ra­ção foi avan­çan­do e a der­ro­ta se con­su­mou, o sam­ba do gru­po La­dai­nha to­mou con­ta do es­pa­ço pa­ra re­ce­ber a de­pu­ta­da fe­de­ral.

Vi­ce na cha­pa, a de­pu­ta­da es­ta­du­al Maria Del Car­men (PT) não foi ao es­pa­ço mas, por te­le­fo­ne, dis­se ao COR­REIO que “o re­sul­ta­do das ur­nas re­fle­te o fa­to da cam­pa­nha cur­ta, que só te­ve 45 di­as. Se ti­vés­se­mos mais tem­po, o re­sul­ta­do se­ria ou­tro”.

LU­LA E DILMA

Pa­ra a pre­si­den­te mu­ni­ci­pal do PC­doB, Olí­via San­ta­na, hou­ve um er­ro na ar­ti­cu­la­ção da can­di­da­tu­ra da opo­si­ção em Sal­va­dor em fun­ção da con­jun­tu­ra po­lí­ti­ca na­ci­o­nal. “A lu­ta con­tra o golpe nos to­mou mui­to tem­po. O ano de 2016 já en­trou den­tro de uma ba­ta­lha mui­to du­ra con­tra o golpe. A dis­pu­ta elei­to­ral foi pos­ter­ga­da em fun­ção da ba­ta­lha mai­or, que era evi­tar o golpe”, des­ta­cou Olí­via re­fe­rin­do-se ao processo de im­pe­a­ch­ment da pre­si­den­te Dilma Rous­seff.

Ali­ce, por sua vez, ava­li­ou que, mes­mo em fun­ção da con­jun­tu­ra na­ci­o­nal, pre­fe­riu não omi­tir na sua cam­pa­nha os apoi­os do ex-pre­si­den­te Lu­la (que é in­ves­ti­ga­do na La­va Ja­to) e Dilma Rous­seff, que te­ve o man­da­to cas­sa­do.

“A po­lí­ti­ca é a ar­te de con­ven­cer e de per­su­a­dir e não de en­ga­nar. En­tão, eu sou is­so. Eu sou do PC­doB, re­pre­sen­to es­sa co­li­ga­ção, es­ses anos de vi­tó­ri­as so­ci­ais pa­ra o nos­so po­vo que se en­cer­ra­ram nos go­ver­nos de Lu­la e Dilma”, des­ta­cou Ali­ce, que re­for­çou que, a par­tir de ho­je, re­to­ma­rá sua agen­da par­la­men­tar, on­de es­tá no 6º man­da­to, com for­te opo­si­ção ao go­ver­no do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer.

Ali­ce diz que já pre­via o re­sul­ta­do ne­ga­ti­vo nas ur­nas con­tra Ne­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.