‘Foi exe­cu­ção’ 19

Correio da Bahia - - Vida - BRU­NO WEN­DEL

Pa­ra o co­man­dan­te do Ba­ta­lhão de Cho­que, te­nen­te-co­ro­nel Sérgio Frei­re, o soldado Jor­ge Ja­nuá­rio da Sil­va Filho, 32 anos, não foi mor­to du­ran­te um as­sal­to. As­sas­si­na­do na noi­te de sex­ta-fei­ra, por vol­ta das 23h30, o PM es­ta­va em um bar na Bo­ca do Rio acom­pa­nha­do de ami­gos quan­do foi ba­le­a­do no pei­to.

“Foi exe­cu­ção. Ele es­ta­va em um bar com um ca­sal de ami­gos e um ho­mem se apro­xi­mou e ati­rou no pei­to e le­vou a ar­ma de­le. Não foi as­sal­to. Ti­nham vá­ri­as pes­so­as na ho­ra, mas ele (as­sas­si­no) foi di­re­ta­men­te ao po­li­ci­al”, de­cla­rou o co­man­dan­te, na ma­nhã de on­tem, du­ran­te o en­ter­ro de Jor­ge, no Ce­mi­té­rio Cam­po San­to, na Fe­de­ra­ção. Se­gun­do a cor­po­ra­ção, Jor­ge foi o 16º po­li­ci­al mi­li­tar mor­to es­te ano.

O ca­so se­rá in­ves­ti­ga­do pe­la for­ça-ta­re­fa da Se­cre­ta­ria da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca (SSP), que apu­ra mor­tes de po­li­ci­ais. Se­gun­do in­for­ma­ções da SSP, es­te ano, 19 po­li­ci­ais - 16 PMs, dois ci­vis e um po­li­ci­al ro­do­viá­rio fe­de­ral, fo­ram mor­tos.

Até agos­to, se­te en­vol­vi­dos nos as­sas­si­na­tos fo­ram pre­sos e dez aca­ba­ram mor­tos em con­fron­to. Oi­to ca­sos fo­ram elu­ci­da­dos e os de­mais se­guem sob in­ves­ti­ga­ção.

So­bre as in­ves­ti­ga­ções, o co­man­dan­te do Ba­ta­lhão de Cho­que pre­fe­riu não dar de­ta­lhes. “Exis­tem al­gu­mas in­for­ma­ções, mas são si­gi­lo­sas. Es­ta­mos jun­tos com o De­par­ta­men­to de Ho­mi­cí­dio e Pro­te­ção à Pes­soa (DHPP) pa­ra que pos­sa­mos pren­der o cri­mi­no­so, que agiu co­var­de­men­te”, dis­se o co­man­dan­te.

A in­ten­ção do cri­mi­no­so, pa­ra o co­man­dan­te do Ba­ta­lhão de Cho­que, era ma­tar pa­ra pe­gar a ar­ma do PM. “(O as­sas­si­no) sa­bia que ele an­da­va ar­ma­do. Ge­ral­men­te, pe­gam as ar­mas dos po­li­ci­ais pa­ra fa­zer ou­tros cri­mes. Tu­do le­va a crer que to­da a ação foi pla­ne­ja­da”, de­cla­rou.

A Po­lí­cia Mi­li­tar di­vul­gou que o po­li­ci­al es­ta­va sen­ta­do com ami­gos no To­nes Bar, na Rua Hei­tor Di­as. Um ho­mem se apro­xi­mou, anun­ci­ou o as­sal­to, de acor­do com a cor­po­ra­ção, e efe­tu­ou os dis­pa­ros. Jor­ge Ja­nuá­rio foi atin­gi­do no pei­to e não re­sis­tiu aos fe­ri­men­tos.

Cer­ca de 150 pes­so­as, en­tre ami­gos, pa­ren­tes e co­le­gas do po­li­ci­al com­pa­re­ce­ram ao se­pul­ta­men­to. Aba­la­dos, fa­mi­li­a­res e ou­tros co­le­gas de Jor­ge não qui­se­ram fa­lar so­bre o cri­me. Jor­ge era ti­do no ba­ta­lhão co­mo um po­li­ci­al exem­plar.

“Ele era uma pes­soa pa­cí­fi­ca, com­pro­me­ti­da com os de­ve­res. Uma pes­soa que­ri­da, fan­tás­ti­ca, cum­pri­do­ra de seus de­ve­res. Um pro­fis­si­o­nal de boa con­du­ta, ape­sar de pou­co tem­po na po­lí­cia”, lem­brou Frei­re.

Tes­te­mu­nhas con­fir­ma­ram ao COR­REIO que o cri­mi­no­so fu­giu com a ar­ma do po­li­ci­al, uma pis­to­la. Ape­sar de es­tar de fol­ga, o PM es­ta­va ar­ma­do.

Tes­te­mu­nhas in­for­ma­ram ain­da que o po­li­ci­al ti­nha as­sis­ti­do à trans­mis­são do jo­go do Bahia con­tra o Cri­ciú­ma no lo­cal e per­ma­ne­ceu be­ben­do com os ami­gos.

No mo­men­to do cri­me, o bar es­ta­va cheio. Re­la­tos dão con­ta tam­bém que fo­ram efe­tu­a­dos pe­lo me­nos qua­tro dis­pa­ros na di­re­ção do po­li­ci­al e que o au­tor dos ti­ros é um ho­mem de es­ta­tu­ra me­di­a­na, ma­gro, cor par­da, que usa­va cal­ça je­ans e blu­sa rosa e fu­giu na di­re­ção do fi­nal de li­nha da Bo­ca do Rio.

O soldado in­te­gra­va a Po­lí­cia Mi­li­tar há seis anos. Se­gun­do da­dos da PM, dos 16 po­li­ci­ais mi­li­ta­res as­sas­si­na­dos, um es­ta­va em ser­vi­ço na ho­ra do cri­me, no­ve de fol­ga e seis per­ten­ci­am à re­ser­va ou eram re­for­ma­dos.

De acor­do com le­van­ta­men­to fei­to pe­lo COR­REIO, são 44 os po­li­ci­ais mi­li­ta­res ba­le­a­dos es­te ano.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.