Os ver­da­dei­ros ri­vais do Vi­tó­ria

Correio da Bahia - - Esporte -

O cronô­me­tro do ár­bi­tro mar­ca­va 14 mi­nu­tos do se­gun­do tem­po na Are­na Con­dá. Ar­gel Fucks cha­mou Eul­ler pa­ra o jo­go, pre­o­cu­pa­do com as in­ves­ti­das de Gil pe­lo la­do es­quer­do da sua de­fe­sa. Sur­pre­en­deu a to­dos ao ti­rar Zé Lo­ve, au­tor de dois dos qua­tro gols do Vi­tó­ria, num pri­mei­ro tem­po ar­ra­sa­dor con­tra a Cha­pe­co­en­se. A par­ti­da já es­ta­va 4x1 quan­do o trei­na­dor ru­bro-ne­gro re­sol­veu for­ta­le­cer a mar­ca­ção. É o re­tra­to do ti­me ver­me­lho e pre­to no Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro.

Não, is­so não é uma crí­ti­ca. Não pe­lo mo­men­to do ti­me na com­pe­ti­ção. No Vi­tó­ria, o re­sul­ta­do de­ve so­bre­por o de­sem­pe­nho. Jo­gar bo­ni­to não é o ob­je­ti­vo de Ar­gel Fucks até o fi­nal do Bra­si­lei­rão. A me­ta é se afas­tar da zo­na do re­bai­xa­men­to, e o ti­me vai cor­res­pon­den­do com lou­vor.

Mes­mo as­sim, se­ria até in­jus­to di­zer que o de­sem­pe­nho do Vi­tó­ria não me­lho­rou. Ven­cer a Cha­pe­co­en­se na Are­na Con­dá não é fá­cil. Fa­zer qua­tro gols é ta­re­fa qua­se im­pos­sí­vel. O trio for­ma­do por Ma­ri­nho, Ki­e­za e Zé Lo­ve fez sua me­lhor par­ti­da no Bra­si­lei­ro. No se­gun­do tem­po, sem Zé, o Leão jo­gou com in­te­li­gên­cia e ad­mi­nis­trou o re­sul­ta­do do “jei­to Ar­gel”: sa­ber se de­fen­der é o pri­mei­ro pas­so pa­ra con­quis­tar um bom re­sul­ta­do. No fi­nal das con­tas, qua­tro jo­gos, três triun­fos e dois gols so­fri­dos na ges­tão do no­vo téc­ni­co. O prag­ma­tis­mo ne­ces­sá­rio pa­ra a si­tu­a­ção atu­al, mes­mo com uma atu­a­ção exu­be­ran­te na Are­na Con­dá – o pon­to fo­ra da cur­va.

Mes­mo com as cam­pa­nhas ruins, ain­da cus­to a acre­di­tar que Cru­zei­ro e In­ter­na­ci­o­nal bri­ga­rão con­tra o re­bai­xa­men­to até o fim do cam­pe­o­na­to. O ti­me mi­nei­ro os­ci­la, mas dá in­dí­ci­os de que irá es­ca­par em bre­ve; os gaú­chos, que vol­ta­ram a ven­cer no sá­ba­do pas­sa­do, es­tão a três pon­tos de sair da zo­na e con­tam com oi­to vi­tó­ri­as, fa­tor que po­de ser de­ci­si­vo ao fi­nal da com­pe­ti­ção. Com is­so, a im­pres­são é de que Sport, Co­ri­ti­ba e Fi­guei­ren­se bri­guem até o fi­nal con­tra du­as va­gas, já que San­ta Cruz e Amé­ri­ca se afas­tam ca­da vez mais da Sé­rie A. A ta­be­la evi­den­cia ain­da mais os ri­vais do Vi­tó­ria con­tra a de­go­la quan­do olha­mos pa­ra o ca­len­dá­rio. O ru­bro-ne­gro en­fren­ta­rá os três: Sport e Co­ri­ti­ba fo­ra de ca­sa, e Fi­guei­ren­se em Sal­va­dor. Além dis­so, na 30ª ro­da­da, o Co­xa re­ce­be o Fi­guei­ra, que ain­da vai até Re­ci­fe en­fren­tar o Leão da Ilha no úl­ti­mo jo­go de am­bos. Um Bra­si­lei­rão pa­ra­le­lo es­tá de­se­nha­do pa­ra qua­tro ti­mes, e o ru­bro-ne­gro bai­a­no só pre­ci­sa fi­car à fren­te de dois de­les. No que­si­to re­sul­ta­do, a equi­pe de Ar­gel Fucks tem le­va­do van­ta­gem. Ar­ris­co es­cre­ver que, no de­sem­pe­nho, tam­bém.

Is­so não é uma crí­ti­ca. No Vi­tó­ria, o re­sul­ta­do de­ve so­bre­por o de­sem­pe­nho. A me­ta é se afas­tar da zo­na do re­bai­xa­men­to, e o ti­me vai cor­res­pon­den­do

com lou­vor

OS RI­VAIS DO BAHIA

O cam­pe­o­na­to pa­ra­le­lo do Bahia tem mui­to mais par­ti­ci­pan­tes. Aci­ma do tri­co­lor, Avaí, Lon­dri­na e Bra­sil de Pe­lo­tas man­têm uma re­gu­la­ri­da­de ir­ri­tan­te. Abai­xo, CRB, Náutico, Cri­ciú­ma e Ce­a­rá os­ci­lam, mas ain­da se­guem mui­to pró­xi­mos. Das se­te equi­pes, os co­man­da­dos de Gu­to Fer­rei­ra en­fren­tam Bra­sil de Pe­lo­tas e Ce­a­rá na Fon­te No­va, mas na pró­xi­ma ro­da­da já en­ca­ra o Lon­dri­na no in­te­ri­or pa­ra­na­en­se. Seis de­les pre­ci­sam fi­car pa­ra trás.

Pe­lo re­tros­pec­to re­cen­te, o Bahia ain­da não é o me­lhor da tur­ma. Nos úl­ti­mos cin­co jo­gos, Avaí, Náutico e Cri­ciú­ma so­ma­ram mais pon­tos que a equi­pe azul, ver­me­lha e bran­ca. Po­rém, no que­si­to de­sem­pe­nho, o tri­co­lor mos­tra mais con­sis­tên­cia, so­bre­tu­do jo­gan­do na Fon­te No­va, on­de fa­rá dois dos pró­xi­mos três jo­gos. Os inú­me­ros con­fron­tos di­re­tos en­tre os oi­to ti­mes des­te “mun­do pa­ra­le­lo” da Sé­rie B tam­bém podem aju­dar o Bahia, que tem a se­gun­da me­lhor cam­pa­nha do se­gun­do tur­no. Até o fi­nal da tem­po­ra­da, ire­mos as­sis­tir vá­ri­os cam­pe­o­na­tos den­tro de uma úni­ca com­pe­ti­ção.

el­ton.ser­ra@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.