Der­ro­ta do acor­do de paz com as Farc ge­ra in­cer­te­zas na Colôm­bia

Correio da Bahia - - Mundo -

PÓS-REFERENDO Após o acor­do de paz com as For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (Farc) so­frer uma du­ra der­ro­ta no referendo de an­te­on­tem, os co­lom­bi­a­nos se per­gun­ta­vam o que acon­te­ce­ria ago­ra em um país gol­pe­a­do pe­la gu­er­ra, que não tem um pla­no B pa­ra sal­var um acor­do que pre­ten­dia pôr um pon­to fi­nal em meio sé­cu­lo de vi­o­lên­cia. Ain­da há in­cer­te­zas so­bre os efei­tos da vo­ta­ção. As pes­qui­sas mos­tra­vam que o “sim” ao acor­do de paz ven­ce­ria com van­ta­gem de dois vo­tos a ca­da um do “não”. Hou­ve, con­tu­do, uma der­ro­ta dos par­ti­dá­ri­os da paz com as Farc por uma mar­gem pe­que­na, com 49,8% dos vo­tos a fa­vor do pac­to e 50,2% de­les con­tra. O pre­si­den­te co­lom­bi­a­no, Ju­an Ma­nu­el San­tos, e os lí­de­res das Farc, que fe­cha­ram o acor­do após qua­tro anos de di­fí­ceis ne­go­ci­a­ções, pro­me­te­ram se­guir tra­ba­lhan­do, sem dar si­nais de que de­se­jem re­to­mar uma gu­er­ra na qual já mor­re­ram 220 mil pes­so­as e oi­to mi­lhões ti­ve­ram de fu­gir de su­as ca­sas por cau­sa da vi­o­lên­cia. “Não me ren­de­rei, bus­can­do a paz até o úl­ti­mo mi­nu­to de meu man­da­to”, dis­se San­tos em men­sa­gem na te­le­vi­são, na qual pe­diu pa­ra o referendo não “de­ses­ta­bi­li­zar o país”. O pre­si­den­te co­lom­bi­a­no res­sal­tou que con­vo­ca­rá as “for­ças po­lí­ti­cas da Colôm­bia”, prin­ci­pal­men­te as que fi­ze­ram cam­pa­nha pe­lo “não” no referendo, pa­ra es­cu­tar su­as res­sal­vas ao acor­do. O co­man­dan­te má­xi­mo das Farc, Ti­mo­león Ji­mé­nez, o Ti­mo­chen­ko, dis­se a jor­na­lis­tas que as Farc “la­men­tam pro­fun­da­men­te que o po­der des­tru­ti­vo dos que se­mei­am o ódio e o ran­cor te­nha in­fluí­do na opi­nião da po­pu­la­ção co­lom­bi­a­na”. Di­an­te da in­cer­te­za, to­dos os olhos se vol­tam pa­ra o an­ti­go che­fe e ho­je prin­ci­pal ri­val de San­tos: o ex-pre­si­den­te Ál­va­ro Uri­be, que li­de­rou a cam­pa­nha con­tra o acor­do. Uri­be deu voz a mi­lhões de co­lom­bi­a­nos, mui­tos de­les ví­ti­mas das Farc co­mo ele pró­prio, in­dig­na­dos pe­los ter­mos de um acor­do de 297 pá­gi­nas que per­mi­tia aos lí­de­res re­bel­des evi­tar a pri­são se con­fes­sas­sem seus cri­mes, pos­si­bi­li­ta­va aos guer­ri­lhei­ros pres­tar con­cur­so pú­bli­co e da­va ain­da aos re­bel­des dez ca­dei­ras no Con­gres­so. Após o re­sul­ta­do, Uri­be pe­diu “um gran­de pac­to na­ci­o­nal” e in­sis­tiu em “cor­re­ções” que ga­ran­tam o res­pei­to à Cons­ti­tui­ção e à ini­ci­a­ti­va pri­va­da e tam­bém que não ha­ja im­pu­ni­da­de. Por ora, o ces­sar-fo­go se­gue em vi­gor no país. Mas ain­da não se sa­be co­mo o pre­si­den­te vai re­sol­ver o im­pas­se. Seu pri­mei­ro de­sa­fio po­de ser no­me­ar um no­vo lí­der pa­ra as ne­go­ci­a­ções já que Hum­ber­to de la Cal­le, che­fe ne­go­ci­a­dor do go­ver­no da Colôm­bia nos diá­lo­gos com as Farc, co­lo­cou on­tem seu car­go à dis­po­si­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.