En­tre ce­le­bri­da­des, só pa­go­dei­ro ga­nhou

Correio da Bahia - - Mais - ALE­XAN­DRE LYRIO

Acos­tu­ma­do a ma­ra­to­nas de shows e car­na­vais ex­te­nu­an­tes, o can­tor de pa­go­de Igor Kan­ná­rio su­cum­biu aos 45 di­as de cam­pa­nha po­lí­ti­ca. Úni­co dos fa­mo­sos elei­to no plei­to de an­te­on­tem, 14º mais vo­ta­do en­tre to­dos os can­di­da­tos, o Prín­ci­pe do Gu­e­to não aguen­tou dar en­tre­vis­tas no seu pri­mei­ro dia co­mo ve­re­a­dor elei­to. Com na­da me­nos que

11.432 apoi­os, te­ve que to­mar “um re­me­di­nho” pa­ra o que se­ria uma “fe­bre emo­ci­o­nal”.

A ro­ti­na o obri­gou a di­vi­dir-se en­tre a vi­da de ar­tis­ta e a de can­di­da­to. Por is­so, jus­ta­men­te no mo­men­to de co­me­mo­rar o êxi­to nas ur­nas, Kan­ná­rio caiu de ca­ma. “Acho que é emo­ci­o­nal. Te­ve até fe­bre. Aca­bei de dar um re­me­di­nho pa­ra ele. Ho­je (on­tem) não vai aten­der nin­guém da im­pren­sa”, ex­pli­cou Ma­ria Qui­té­ria, es­po­sa do can­tor e fu­tu­ro ve­re­a­dor. Se­gun­do ela, Kan­ná­rio mal pô­de fes­te­jar ao fi­nal da vo­ta­ção. “Ele es­tá em ca­sa des­de on­tem. Co­me­mo­rou só com a fa­mí­lia, ain­da não fez fes­ta nem na­da”, ex­pli­cou.

A quan­ti­da­de de vo­tos con­quis­ta­da em­pol­gou o Par­ti­do Hu­ma­nis­ta So­li­da­ri­e­da­de (PHS), ao qual ele se fi­li­ou pa­ra par­ti­ci­par das elei­ções. Jú­ni­or Mu­niz, pre­si­den­te da le­gen­da na Bahia, adi­an­tou que exis­te uma gran­de pos­si­bi­li­da­de de Kan­ná­rio sair can­di­da­to a de­pu­ta­do em 2018. “Es­ta­du­al ou fe­de­ral. Tem po­ten­ci­al”, acre­di­ta Mu­niz.

Se­gun­do o par­ti­do, Kan­ná­rio pra­ti­ca­men­te não te­ve ver­ba de cam­pa­nha. “Não te­ve re­cur­sos. A ma­jo­ri­tá­ria (do par­ti­do) só dis­po­ni­bi­li­zou san­ti­nhos e ‘per­fu­ra­de’ (ade­si­vos per­fu­ra­dos pa­ra vi­dros de car­ros)”, dis­se Mu­niz. “Ele fez uma cam­pa­nha mui­to hu­mil­de, sim­ples”, con­fir­mou a es­po­sa. Se­gun­do o pre­si­den­te do PHS bai­a­no, Kan­ná­rio só par­ti­ci­pou de uma ca­mi­nha­da e uma car­re­a­ta ao la­do de ACM Ne­to, além de du­as ca­mi­nha­das por con­ta pró­pria.

Os fãs-clu­bes, sim, ti­ve­ram gran­de par­ti­ci­pa­ção na vi­tó­ria. Nas pa­la­vras de Mu­niz, “os fãs caí­ram pa­ra den­tro”. Além de Kan­ná­rio, o PHS ele­geu ou­tros três ve­re­a­do­res na ca­pi­tal e mais de 150 no in­te­ri­or. “Agra­de­ce­mos mui­to aos fãs de Kan­ná­rio. Te­nho cer­te­za que ele vai tra­ba­lhar pe­lo so­ci­al, pe­lo gu­e­to”, apos­ta Mu­niz.

Ou­tras ce­le­bri­da­des fi­ca­ram lon­ge do es­co­re con­quis­ta­do pe­lo Prín­ci­pe. O tam­bém pa­go­dei­ro Robys­são (396 vo­tos), a dan­ça­ri­na Leo Kret (2.270), o can­tor Ni­nha da Tim­ba­la­da (807) e o ex-lu­ta­dor Re­gi­nal­do Holly­fi­eld (1.907 vo­tos) fi­ca­ram lon­ge da CMS. Mas a elei­ção de Kan­ná­rio mo­ti­vou crí­ti­cas de mui­tas pes­so­as que o con­si­de­ram in­ca­paz pa­ra o car­go. Mas, ana­li­sa o jor­na­lis­ta An­dré Uzê­da, Igor es­tá lon­ge de re­pre­sen­tar a mai­or ver­go­nha elei­to­ral es­te ano. “O elei­tor que vo­ta em Kan­ná­rio o en­xer­ga co­mo um íco­ne for­ja­do na pró­pria fa­ve­la. En­xer­gá-lo na Câ­ma­ra não é ne­ces­sa­ri­a­men­te um de­mé­ri­to. Em­bo­ra fos­se de­se­ja­do que seu dis­cur­so po­lí­ti­co pu­des­se avan­çar pa­ra além da re­pre­sen­ta­ção so­ci­al”, ob­ser­vou em sua co­lu­na no si­te da TV Ara­tu.

Igor Kan­ná­rio: 14º mais vo­ta­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.