O alu­no co­mo ator prin­ci­pal

Correio da Bahia - - Front Page -

A re­for­ma do en­si­no mé­dio no Bra­sil é pau­ta mais do que ur­gen­te. Mais alar­man­te até do que o não cum­pri­men­to das me­tas do Ideb (Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to da Edu­ca­ção Bá­si­ca) pa­ra a eta­pa, pe­la se­gun­da vez con­se­cu­ti­va, são os nú­me­ros ab­so­lu­tos de eva­são es­co­lar.

Os cer­ca de 1,3 mi­lhão de es­tu­dan­tes que dei­xam a es­co­la en­tre os 15 e 17 anos, to­dos os anos, são a com­pro­va­ção des­sa ne­ces­si­da­de de correção de ro­ta.

O en­si­no mé­dio pre­ci­sa re­fle­tir a so­ci­e­da­de e o tem­po em que os alu­nos es­tão in­se­ri­dos. Um cur­rí­cu­lo trans­ver­sal e vo­ca­ci­o­nal, com apro­fun­da­men­to em te­mas vol­ta­dos pa­ra as ap­ti­dões de ca­da alu­no, que di­a­lo­gue com a vi­da re­al, con­cei­tos apli­ca­dos em gran­de par­te do mun­do de­sen­vol­vi­do. Es­se é o ti­po de evo­lu­ção que o Bra­sil não po­de mais es­pe­rar.

É mi­o­pia ima­gi­nar que um cur­rí­cu­lo ge­ne­ra­lis­ta se­ja o me­lhor ca­mi­nho. Ao con­trá­rio, tal me­di­da dei­xa de po­ten­ci­a­li­zar in­di­vi­du­a­li­da­des que, tra­ba­lha­das des­de ce­do, po­dem pre­pa­rar me­lho­res ci­da­dãos e pro­fis­si­o­nais. Além dis­so, mui­to den­sa e ul­tra­pas­sa­da, a car­ga de dis­ci­pli­nas atu­al po­de até de­ses­ti­mu­lar es­tu­dan­tes e con­tri­buir pa­ra a eva­são.

O alu­no pre­ci­sa ser o ator prin­ci­pal de su­as es­co­lhas edu­ca­ci­o­nais. Pre­ci­sa en­con­trar en­tre su­as op­ções o ca­mi­nho e as fer­ra­men­tas que me­lhor pa­vi­men­tem su­as de­ci­sões. Pre­ci­sa ter tem­po nas ins­ti­tui­ções de en­si­no e pro­fes­so­res que pos­sam se de­di­car in­te­gral­men­te aos cen­tros de en­si­no em que le­ci­o­nam.

Mui­to se dis­cu­te so­bre o uso de uma Me­di­da Pro­vi­só­ria co­mo for­ma de im­ple­men­tar es­sa mu­dan­ça. To­da­via, não po­de­mos per­der de vis­ta o que há de mais im­por­tan­te ne­la, a si­na­li­za­ção, ao Le­gis­la­ti­vo e à so­ci­e­da­de, quan­to à ur­gên­cia de agir­mos.

É evi­den­te que ain­da há es­pa­ço pa­ra dis­cus­são, e os 120 di­as que o Con­gres­so te­rá pa­ra vo­tar e apre­ci­ar as me­di­das pro­pos­tas po­dem cum­prir es­se pa­pel. As mu­dan­ças sub­se­quen­tes do tex­to que for apro­va­do le­va­rão, tam­bém, tem­po pa­ra se­rem co­lo­ca­das em prá­ti­ca.

In­de­pen­den­te­men­te dis­so, o que não se po­de mais to­le­rar, de mo­do al­gum, é a ma­nu­ten­ção do atu­al ce­ná­rio, no qual os es­tu­dan­tes são pri­va­dos de apren­der e exer­cer o que têm de me­lhor, por fal­ta de um am­bi­en­te que os in­cen­ti­ve de ma­nei­ra cor­re­ta e lhes pro­por­ci­o­ne as me­lho­res pos­si­bi­li­da­des. O Bra­sil não po­de mais des­per­di­çar ge­ra­ções por ca­pri­chos e von­ta­des, a ho­ra é de agir.

Pre­ci­sa­mos dei­xar a inércia. O ca­mi­nho se­rá lon­go, mas es­ta­mos en­tu­si­as­ma­dos pa­ra aju­dar a cons­truir uma no­va re­a­li­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.