Te­o­ri vê ‘es­pe­tá­cu­lo mi­diá­ti­co’ na di­vul­ga­ção de de­nún­cia con­tra Lu­la

Correio da Bahia - - Brasil -

LA­VA JA­TO O mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) Te­o­ri Za­vasc­ki cri­ti­cou, on­tem, a atu­a­ção dos pro­cu­ra­do­res da Ope­ra­ção La­va Ja­to du­ran­te a apre­sen­ta­ção da de­nún­cia con­tra o ex-presidente Lu­la, em se­tem­bro. Pa­ra Te­o­ri, hou­ve um “es­pe­tá­cu­lo mi­diá­ti­co mui­to for­te de di­vul­ga­ção” em Cu­ri­ti­ba. Na épo­ca, Lu­la foi apon­ta­do pe­los pro­cu­ra­do­res co­mo o che­fe de uma or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa. “Es­sa es­pe­ta­cu­la­ri­za­ção do epi­só­dio não é com­pa­tí­vel nem com o que cons­ta nos au­tos, nem com a se­ri­e­da­de que se exi­ge na apu­ra­ção des­ses fa­tos”, dis­se o mi­nis­tro.

A fa­la de Te­o­ri foi fei­ta du­ran­te a ses­são da Se­gun­da Tur­ma que ne­gou pe­di­do apre­sen­ta­do pe­la de­fe­sa de Lu­la pa­ra re­ti­rar do juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro três inqué­ri­tos que apu­ram pos­sí­veis ir­re­gu­la­ri­da­des co­me­ti­das pe­lo ex-presidente. Pa­ra Te­o­ri, os pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to “de­ram a en­ten­der” que es­ta­ri­am in­ves­ti­gan­do a or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa por trás do es­que­ma de cor­rup­ção da Pe­tro­bras, o que não cons­ta na de­nún­cia apre­sen­ta­da ju­di­ci­al­men­te pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co.

“Nós to­dos ti­ve­mos a opor­tu­ni­da­de de ve­ri­fi­car há pou­cos di­as um es­pe­tá­cu­lo mi­diá­ti­co mui­to for­te de di­vul­ga­ção, se fez lá em Cu­ri­ti­ba, não com a par­ti­ci­pa­ção do juiz, mas do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, da Po­lí­cia Fe­de­ral, se deu no­tí­cia so­bre or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa, co­lo­can­do o presidente Lu­la co­mo lí­der des­sa or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa, dan­do a im­pres­são, sim, de que se es­ta­ria in­ves­ti­gan­do es­sa or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa (em Cu­ri­ti­ba)”, co­men­tou o mi­nis­tro.

Te­o­ri des­ta­cou que o fa­to já é al­vo de in­ves­ti­ga­ção no STF, on­de tra­mi­ta um inqué­ri­to que in­ves­ti­ga a for­ma­ção de qua­dri­lha no es­que­ma de cor­rup­ção da Pe­tro­bras. “Aqui­lo que foi ob­je­to de ofe­re­ci­men­to da de­nún­cia efe­ti­va­men­te não foi na­da dis­so. En­tão re­al­men­te hou­ve es­se des­com­pas­so. Na ver­da­de, se hou­ves­se re­cla­ma­ção (por par­te da de­fe­sa de Lu­la), de­ve­ria ser con­tra es­se epi­só­dio (da apre­sen­ta­ção da de­nún­cia pe­los pro­cu­ra­do­res), não con­tra aqui­lo que cons­ta nos au­tos”, dis­se Te­o­ri.

A de­fe­sa do ex-presidente ale­ga­va que Mo­ro “usur­pa” a com­pe­tên­cia do STF pois es­ta­ria apu­ran­do fa­tos en­vol­ven­do um es­que­ma de cor­rup­ção na Pe­tro­bras que já é al­vos de in­ves­ti­ga­ção pe­la Cor­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.