Abai­xo do es­pe­ra­do

Correio da Bahia - - Mais - Thais.bor­ges@re­de­bahia.com.br

Com to­do res­pei­to ao gran­de ju­ris­ta Ruy Bar­bo­sa, mas, tal­vez, a me­lhor al­cu­nha pa­ra Fei­ra de San­ta­na não se­ja a que foi da­da por ele: Prin­ce­sa do Ser­tão. E nem é por­que Fei­ra, na ver­da­de, fi­ca no agres­te bai­a­no, mas por­que ca­be­ria bem se ela fos­se ba­ti­za­da ago­ra de “ca­pi­tal do Exa­me Na­ci­o­nal do En­si­no Mé­dio (Enem)” na Bahia. En­tre as 100 es­co­las com me­lhor de­sem­pe­nho no exa­me no país, só du­as são bai­a­nas – e jus­ta­men­te de Fei­ra.

Na ver­da­de, as du­as es­co­las já são co­nhe­ci­das de qu­em acom­pa­nha os ran­kings do Enem: o pri­mei­ro lu­gar, nas ques­tões ob­je­ti­vas, é do Co­lé­gio Helyos – na mé­dia ge­ral da pro­va ob­je­ti­va, ocu­pa a 43ª po­si­ção no ran­king na­ci­o­nal. Lo­go em se­gui­da, es­tá o Co­lé­gio Aces­so, tam­bém em Fei­ra, 77º no ran­king na­ci­o­nal, mas com me­lhor de­sem­pe­nho que o Helyos na Redação - é o úni­co bai­a­no en­tre as 100 mai­o­res mé­di­as nos tex­tos dis­ser­ta­ti­vos, ocu­pan­do o 35º lu­gar.

RE­FE­RÊN­CIA

Não é à toa que a ci­da­de tem atraí­do jo­vens de mu­ni­cí­pi­os vi­zi­nhos pa­ra es­tu­dar por lá. No Helyos, por exem­plo, tem gen­te que veio até de Pe­tro­li­na (PE), se­gun­do a co­or­de­na­do­ra pe­da­gó­gi­ca do en­si­no mé­dio, Patrícia Mol­des. “Te­nho alu­nos de to­da a Bahia. Es­sa já é uma re­a­li­da­de nos­sa. Nor­mal­men­te, eles vêm es­tu­dar co­nos­co no en­si­no mé­dio, qu­an­do a fa­mí­lia já con­fia. Al­guns mo­ram com pa­ren­tes”, con­ta.

De Sal­va­dor, são três no en­si­no mé­dio. Um de­les é Ge­or­ge Washing­ton Car­va­lho, 16 anos – e o úni­co que atu­al­men­te es­tá no 3º ano. O ado­les­cen­te che­gou na es­co­la no ano pas­sa­do, de­pois que a mãe foi tra­ba­lhar em Te­o­do­ro Sam­paio, tam­bém no Cen­tro-Nor­te do es­ta­do, e ele pas­sou a mo­rar com uma tia. An­tes, es­tu­da­va no Co­lé­gio An­chi­e­ta.

“O que foi mais mar­can­te pa­ra mim é que, no Helyos, co­mo mui­tos co­lé­gi­os do in­te­ri­or, vo­cê con­se­gue ti­rar uma dú­vi­da na au­la, é mais fo­ca­do. A di­fe­ren­ça é a aten­ção que o co­lé­gio te dá (por ter me­nos alu­nos)”, opi­na Ge­or­ge, que pre­ten­de cur­sar En­ge­nha­ria Ae­ro­náu­ti­ca no Ins­ti­tu­to Tec­no­ló­gi­co de Ae­ro­náu­ti­ca (ITA). “E tem di­fe­ren­ça por­que a ga­le­ra aqui pres­ta aten­ção pa­ra fa­zer o ves­ti­bu­lar já. As pes­so­as em Sal­va­dor sa­bem que tem o cur­si­nho e po­dem pas­sar de­pois, mas aqui é fo­ca­do em pas­sar lo­go”, co­men­ta.

Já a co­or­de­na­do­ra Patrícia acre­di­ta que a di­fe­ren­ça po­de ser cau­sa­da por ra­zões dis­tin­tas. “Acre­di­to que, qu­an­do uma es­co­la é mui­to gran­de, aca­ba per­den­do um pou­co do acom­pa­nha­men­to diário. Nos­sa es­co­la não é gran­de por op­ção. Além dis­so, no in­te­ri­or, o alu­no tem o vis­lum­bre de um no­vo uni­ver­so (sain­do da­li). E a ca­pi­tal já ofe­re­ce mui­tos as­pec­tos cul­tu­rais, es­pa­ços de la­zer, praia, que o in­te­ri­or não ofe­re­ce. Por is­so, o alu­no tem fo­co”. Ain­da as­sim, ela des­ta­ca que há bons alu­nos na ca­pi­tal – que, mui­tas ve­zes, têm re­sul­ta­dos es­con­di­dos, em meio a gru­pos gran­des de co­le­gas. Va­le des­ta­car que das 20 es­co­las bai­a­nas com me­lho­res no­tas no Enem 2015, 11 fi­cam no in­te­ri­or.

MAIS BA­RA­TO

Ou­tro fa­tor bem atra­en­te é o fa­to de o cus­to de vi­da em Fei­ra ser mais em con­ta do que em Sal­va­dor. As­sim, a mé­dia das men­sa­li­da­des nas es­co­las é um pou­co me­nor. Só pa­ra dar uma ideia, o 3º ano no Helyos cus­ta R$ 2 mil por mês. No Co­lé­gio Aces­so, é R$ 1,3 mil. Na ca­pi­tal, a es­co­la mais bem co­lo­ca­da no ran­king das ques­tões ob­je­ti­vas do Enem, o Co­lé­gio An­chi­e­ta, tem uma men­sa­li­da­de de cer­ca de R$ 2,9 mil no úl­ti­mo ano do en­si­no mé­dio.

“O va­lor aqui é mui­to in­fe­ri­or”, re­for­ça a di­re­to­ra do Aces­so, Ci­a­ne Fon­se­ca. Ape­sar de co­me­mo­rar os re­sul­ta­dos – e des­ta­car que são fru­to de tra­ba­lho cons­tan­te –, ela diz que não acre­di­ta que as fa­mí­li­as de­vem es­co­lher a es­co­la de um fi­lho ou de uma fi­lha so­men­te pe­los re­sul­ta­dos do Enem.

“Ho­je, mui­tas fa­mí­li­as pro­cu­ram as es­co­las pe­lo ran­king, mas acho que não de­ve ser is­so iso­la­da­men­te, tem que exis­tir to­do um tra­ba­lho de for­ma­ção. No ca­so do Aces­so, acre­di­to que pro­cu­ram a es­co­la por ofe­re­cer al­go me­lhor em Fei­ra. Ho­je, não pre­ci­sa ir pa­ra Sal­va­dor pa­ra ter bo­as es­co­las”, ana­li­sa.

Pa­ra a no­ta da Redação, a di­re­to­ra diz que o co­lé­gio au­men­tou a car­ga ho­rá­ria se­ma­nal de au­las de pro­du­ção de tex­to es­te ano – pas­sou de du­as pa­ra três ho­ras. No en­tan­to, ain­da não acha que é su­fi­ci­en­te. “Mas os alu­nos se en­vol­vem no pro­ces­so. O au­men­to de car­ga ho­rá­ria não te­ve re­cla­ma­ções, por exem­plo. Eles es­tão to­tal­men­te en­vol­vi­dos”, des­ta­ca.

Mãe de um alu­no do 3º ano que mo­ra em San­to Es­te­vão, a pro­fes­so­ra Di­no­rá Da­mas­ce­no, 45, con­cor­da que o pre­ço é aces­sí­vel. “Mas qu­an­do pen­sa­mos em co­lo­cá-lo na es­co­la, ob­ser­va­mos a pro­pos­ta pe­da­gó­gi­ca, os ide­ais de edu­ca­ção. O per­fil dos es­tu­dan­tes lá é de alu­nos mui­to dis­ci­pli­na­dos, fo­ca­dos no Enem. Às quar­tas-fei­ras, meu fi­lho tem au­la de ma­nhã, de tar­de e de noi­te, mas não é mo­ti­vo de re­cla­ma­ção. Eles que­rem atin­gir o al­vo”, con­ta. O fi­lho, João Pe­dro, 16, so­nha em cur­sar As­tro­no­mia na Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro (UFRJ).

Bahia tem só du­as es­co­las en­tre as 100 mai­o­res no­tas, am­bas do in­te­ri­or

EXEM­PLOS

Se o de­sem­pe­nho das es­co­las bai­a­nas fi­cou abai­xo do es­pe­ra­do, há bons exem­plos en­tre nos­sos vi­zi­nhos. En­tre as 10 mai­o­res mé­di­as das pro­vas ob­je­ti­vas em 2015 apa­re­cem cin­co es­co­las da re­gião Nor­des­te: qua­tro de For­ta­le­za (CE) e uma de Te­re­si­na (PI). Já en­tre as 10 mai­o­res mé­di­as na Redação, há qua­tro co­lé­gi­os da ca­pi­tal pi­aui­en­se e dois do Ce­a­rá.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.