Co­lé­gio Mi­li­tar li­de­ra ta­xa de per­ma­nên­cia na Bahia

Correio da Bahia - - Mais -

Des­de 2014, o Inep (ins­ti­tu­to li­ga­do ao MEC res­pon­sá­vel pe­lo Enem) di­vul­ga os da­dos com um in­di­ca­dor de per­ma­nên­cia na es­co­la – ou se­ja, a quan­ti­da­de de alu­nos que fi­ze­ram to­do o en­si­no mé­dio na­que­la ins­ti­tui­ção. En­tre as uni­da­des com a mai­or ta­xa de per­ma­nên­cia – de 80% a 100% dos es­tu­dan­tes –, o Co­lé­gio Mi­li­tar de Sal­va­dor tem a mai­or mé­dia. As ou­tras es­co­las bem po­si­ci­o­na­das ti­ve­ram ín­di­ces en­tre 60% e 80% de per­ma­nên­cia.

Mas, pa­ra o te­nen­te-co­ro­nel Mo­ra­es Ra­mos, che­fe da di­vi­são de en­si­no do Co­man­do da 6ª Re­gião do Exér­ci­to, o ín­di­ce ain­da po­de­ria ser mai­or, se tan­tos alu­nos não fos­sem trans­fe­ri­dos de­vi­do ao fa­to de se­rem fi­lhos de mi­li­ta­res. “A gen­te vê com mui­ta fe­li­ci­da­de os bons re­sul­ta­dos dos nos­sos alu­nos por­que é fru­to de um tra­ba­lho sé­rio e de­di­ca­do. São alu­nos que gos­tam de es­tar no Co­lé­gio Mi­li­tar. Eles acre­di­tam na nos­sa pro­pos­ta pe­da­gó­gi­ca. Ain­da que nos­so ín­di­ce se­ja al­to, não é mais al­to ain­da por con­ta de trans­fe­rên­ci­as de­vi­do à pro­fis­são mi­li­tar”, diz.

Atu­al­men­te, 63% dos es­tu­dan­tes da ins­ti­tui­ção são fi­lhos de mi­li­ta­res. É o ca­so de Lu­a­na Qu­ei­roz, alu­na do 3º ano. Ela fez o 6º e 7º anos no Co­lé­gio Mi­li­tar de Bra­sí­lia e, des­de o 8º, es­tá em Sal­va­dor. “Fui cri­a­da no sis­te­ma mi­li­tar e não te­nho do que re­cla­mar, por­que ve­jo os re­sul­ta­dos. Es­se sis­te­ma in­flu­en­cia mui­to nos­sas no­tas e o de­sem­pe­nho é uma pre­pa­ra­ção pa­ra a vi­da, em ques­tão de ho­rá­rio, com­por­ta­men­to e va­lo­res cí­vi­cos”, diz a ado­les­cen­te,que quer fa­zer En­ge­nha­ria Quí­mi­ca na Uni­ver­si­da­de de Por­to, em Por­tu­gal - uma das ins­ti­tui­ções es­tran­gei­ras que acei­tam o Enem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.