ENIGMASCOPE

Correio da Bahia - - Vida -

mui­to gran­de com a gen­te, é mui­to com­pe­ten­te. E é cons­ci­en­te do que a gen­te quer”, elo­gia o ba­te­ris­ta.

THE DEAD BILLIES

Rex e Mo­ro­tó, que eram in­te­gran­tes da len­dá­ria The Dead Billies, por pou­co não tra­ba­lha­ram com An­dré T ain­da na an­ti­ga ban­da. “Nós es­tá­va­mos fa­zen­do a pré-pro­du­ção do ter­cei­ro dis­co da Dead Billies, mas a ban­da aca­bou an­tes de o ál­bum sair”, re­cor­da-se Rex.

Cul­tu­a­da até ho­je, a Dead mar­cou os anos 1990 em Sal­va­dor e é lem­bra­da pe­los fãs du­ran­te os shows da Re­tro­fo­gue­tes. “Ain­da há um ca­ri­nho pe­la Dead Billies no Bra­sil in­tei­ro. Es­ti­ve em Goi­â­nia com a Re­tro­fo­gue­tes es­te ano e mui­ta gen­te me cum­pri­men­ta­va no show pa­ra lem­brar de uma apre­sen­ta­ção que nós fi­ze­mos lá em 1999. Tem gen­te que até ho­je usa ca­mi­sa da ban­da”, con­ta Rex.

O pró­prio mú­si­co abre o co­ra­ção na ho­ra de fa­lar de sua an­ti­ga ban­da: “Qu­an­do ela ain­da exis­tia, eu não fa­la­va dela por­que po­dia so­ar mal, mas, de­pois que aca­bou, de­ci­di as­su­mir que é mi­nha ban­da fa­vo­ri­ta. Eu te­nho até in­ve­ja do pú­bli­co que ia ape­nas co­mo es­pec­ta­dor aos shows da Dead Billies, por­que eu não po­dia ter es­sa ex­pe­ri­ên­cia”, brin­ca.

Com tan­tas re­fe­rên­ci­as no pas­sa­do, Rex ad­mi­te que ali­men­ta um cer­to ro­man­tis­mo em re­la­ção a ou­tras épo­cas. “A gen­te se iden­ti­fi­ca mes­mo com o que foi fei­to nos anos 50 e 60 e es­se dis­co no­vo pro­va is­so. Ele é mui­to anos 60 e is­so fi­ca mui­to evi­den­te”, re­co­nhe­ce. “Os quadrinhos que leio são ve­lhos, os fil­mes que ve­jo tam­bém. Te­nho uma co­le­ção de fil­mes clás­si­cos. Pra­ti­ca­men­te 90% do que con­su­mo é des­se pe­río­do”, con­fes­sa.

Ar­tis­ta Re­tro­fo­gue­tes

Pro­du­ção An­dré T

Lan­ça­men­to in­de­pen­den­te

Pre­ço R$ 15 (à ven­da no show, na Du­bli­ners Irish Pub, sex­ta-fei­ra)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.