Sem eu­fo­ria

Correio da Bahia - - Vida - Moy­sés Su­zart moy­ses.su­zart@re­de­bahia.com.br

Pés no chão, mas com o san­gue no olho. Es­ta é a fi­lo­so­fia ado­ta­da pe­lo téc­ni­co Ar­gel Fucks pa­ra en­fren­tar e ven­cer o Grêmio, ho­je, às 19h30, na Fon­te No­va. O san­gue no olho é atu­ar com a mes­ma pe­ga­da do triun­fo di­an­te da Chapecoense, por 4x1, mas des­ta vez com a aju­da da tor­ci­da. O pé no chão não pas­sa da re­a­li­da­de atu­al do Vi­tó­ria. Pa­ra o téc­ni­co Ar­gel Fucks, a mis­são atu­al do Vi­tó­ria é não cair. Ele nem co­gi­ta a chan­ce do Leão pe­gar uma va­ga na Li­ber­ta­do­res.

“A Li­ber­ta­do­res nem pas­sa pe­la nos­sa ca­be­ça. Nos­sa bri­ga nes­se mo­men­to é pe­la per­ma­nên­cia. Nós es­ta­mos com o pe­zi­nho bem na ter­ra, por­que nos­so ob­je­ti­vo é a per­ma­nên­cia na Sé­rie A”, dis­se Fucks. Com as no­vas va­gas pa­ra Li­ber­ta­do­res, o Leão es­tá a se­te pon­tos do no­vo G6.

Não pen­sar na Li­ber­ta­do­res não sig­ni­fi­ca pen­sar pe­que­no. Pa­ra Fucks, o fo­co é na me­ta da per­ma­nên­cia e pen­sar em mais um ob­je­ti­vo, mui­to mais dis­tan­te, só des­vi­a­ria a fun­ção. Por en­quan­to, a pon­tu­a­ção nos dez jo­gos fi­nais ser­vi­rá ape­nas pa­ra o pro­pó­si­to de se afas­tar da zo­na.

“Es­ta­mos com 35 pon­tos, creio que fal­tam no­ve ou dez pa­ra es­ca­par. Fal­tam 30 pa­ra jo­gar. Quan­to an­tes a gen­te con­se­guir a pon­tu­a­ção, me­lhor. Não es­tá tran­qui­lo. Nes­se mo­men­to, a fa­ca es­tá aqui. Es­ta­mos jo­gan­do com a fa­ca no pes­co­ço. Es­te é nos­so pen­sa­men­to e não mu­dou”, ex­pli­cou ele, que sa­be mui­to bem dos ob­je­ti­vos dis­tin­tos no du­e­lo de ho­je. “O Grêmio bri­ga pe­la Li­ber­ta­do­res, nós bri­ga­mos pe­la per­ma­nên­cia na Sé­rie A. Ca­da um com as su­as di­fi­cul­da­des, com su­as res­pon­sa­bi­li­da­des”, com­ple­tou.

CON­VO­CA­ÇÃO

Ape­sar de dois ob­je­ti­vos dis­tin­tos no du­e­lo de ho­je, a van­ta­gem po­de ser de­ci­di­da com o 12º jo­ga­dor. Pa­ra Fucks, o jo­go se­rá mui­to com­pli­ca­do e a pre­sen­ça da tor­ci­da vai de­ter­mi­nar qu­em ven­ce.

“Pre­ci­sa­mos do tor­ce­dor. Es­sa é a gran­de ver­da­de. É o mo­men­to de abra­çar o clu­be, de dar um vo­to de con­fi­an­ça. Te­mos um jo­go du­rís­si­mo, uma equi­pe de mui­ta qua­li­da­de, que es­tá bri­gan­do pe­la Li­ber­ta­do­res. Pre­ci­sa­mos que o tor­ce­dor ve­nha pre­pa­ra­do pa­ra um jo­go du­ro, que te­nha pa­ci­ên­cia, que se­ja o 12º jo­ga­dor mo­ti­van­do os atle­tas, por­que nós te­mos um clás­si­co do fu­te­bol bra­si­lei­ro”, con­vo­cou.

Até on­tem, a pro­cu­ra pa­ra o em­ba­te ain­da era bem fraco. Mes­mo com os dois triun­fos se­gui­dos no Bra­si­lei­rão, a tor­ci­da ain­da es­tá tí­mi­da. Pou­co mais de 4 mil in­gres­sos fo­ram ven­di­dos pa­ra Vi­tó­ria e Grêmio até a noi­te de on­tem. Na sua ca­sa de ve­ra­neio, o Leão ain­da es­tá in­vic­to co­mo man­dan­te. O ti­me man­dou seus jo­gos na Fon­te No­va em 14 opor­tu­ni­da­des, ven­cen­do no­ve e em­pa­tan­do ou­tras cin­co. Um apro­vei­ta­men­to de 76%.

“Ca­da jo­go é uma de­ci­são. Im­por­tan­te o tor­ce­dor abra­çar a equi­pe. É um es­tá­dio que traz um re­tros­pec­to po­si­ti­vo pa­ra nós. Is­so é im­por­tan­te den­tro da par­ti­da. Pre­ci­sa­mos do tor­ce­dor nes­se mo­men­to, pa­ra que pos­sa cri­ar o cli­ma, ter a in­te­ra­ti­vi­da­de co­mo ti­me pa­ra fa­zer va­ler o fa­tor ca­sa”, fi­na­li­zou Fucks.

Ar­gel Fucks não quer sa­ber de Li­ber­ta­do­res. Pri­mei­ro, es­ca­par

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.