So­bre a no­va Co­pa Li­ber­ta­do­res

Correio da Bahia - - Esporte -

A Con­fe­de­ra­ção Sul-Ame­ri­ca­na de Fu­te­bol (Con­me­bol) di­vul­gou, nes­sa se­ma­na, o au­men­to do nú­me­ro de par­ti­ci­pan­tes da Co­pa Li­ber­ta­do­res. A prin­ci­pal com­pe­ti­ção sul-ame­ri­ca­na te­rá a pre­sen­ça de 44 clu­bes e se­rá dis­pu­ta­da de fe­ve­rei­ro a no­vem­bro, com 42 se­ma­nas de du­ra­ção. Va­le lem­brar que a edi­ção des­te ano te­ve ape­nas 27 se­ma­nas. An­tes mes­mo de uma aná­li­se mais apro­fun­da­da, mui­tas pes­so­as ques­ti­o­na­ram o no­vo cri­té­rio de clas­si­fi­ca­ção, prin­ci­pal­men­te no fu­te­bol bra­si­lei­ro. A prin­cí­pio, a ideia pa­re­ce ab­sur­da, mas na prá­ti­ca o no­vo mo­de­lo é atra­en­te. No Bra­sil, que ago­ra tem di­rei­to a se­te va­gas, clas­si­fi­cam-se o cam­peão da Co­pa do Bra­sil e os seis pri­mei­ros co­lo­ca­dos do Bra­si­lei­rão. Se o cam­peão da Co­pa do Bra­sil es­ti­ver en­tre os seis pri­mei­ros da Sé­rie A, o G6 vi­ra G7, e o sé­ti­mo co­lo­ca­do do na­ci­o­nal tam­bém en­tra na Li­ber­ta­do­res.

Mas aí vem a tal de Co­pa Sul-Ame­ri­ca­na... A par­tir da pró­xi­ma tem­po­ra­da, o tor­neio não vai mais ti­rar uma va­ga do país cam­peão. Se Co­ri­ti­ba ou Chapecoense con­quis­ta­rem o tí­tu­lo des­te ano, o G6 do Bra­si­lei­rão con­ti­nua e po­de até vi­rar G7 ou G8, ca­so os ven­ce­do­res da Sul-Ame­ri­ca­na e da Co­pa do Bra­sil ter­mi­nem o Bra­si­lei­ro até a sex­ta po­si­ção.

O que mui­tos bra­si­lei­ros es­tão es­que­cen­do é que ga­ran­tem va­gas di­re­ta­men­te na fa­se de gru­pos so­men­te o cam­peão da Co­pa do Bra­sil e o pri­mei­ro, se­gun­do e ter­cei­ro co­lo­ca­dos no Bra­si­lei­rão. O res­tan­te - quar­to, quin­to e sex­to co­lo­ca­dos - dis­pu­ta­rá uma es­pé­cie de pré-Li­ber­ta­do­res. O nú­me­ro de par­ti­ci­pan­tes na fa­se de gru­pos con­ti­nua o mes­mo. São 32 equi­pes di­vi­di­das em oi­to cha­ves com qua­tro com­po­nen­tes.

An­tes de ini­ci­ar pra va­ler, a Li­ber­ta­do­res te­rá du­as fa­ses pre­li­mi­na­res. É exa­ta­men­te aí que o quar­to, quin­to e sex­to co­lo­ca­dos da Sé­rie A se en­cai­xam. Na pri­mei­ra eta­pa, 16 ti­mes se­rão di­vi­di­dos em oi­to jo­gos de ida e vol­ta. Oi­to clu­bes avan­çam e dis­pu­tam um no­vo ma­ta-ma­ta, que de­fi­ni­rá os qua­tro ti­mes que vão par­ti­ci­par da fa­se de gru­pos. Eles se jun­ta­rão ao atu­al cam­peão da Li­ber­ta­do­res e da Sul-Ame­ri­ca­na. Por­tan­to, são 28 ti­mes clas­si­fi­ca­dos de for­ma di­re­ta e ou­tros qua­tro vin­dos das fa­ses pre­li­mi­na­res. A Con­me­bol, por in­crí­vel que pa­re­ça, es­tá dan­do chan­ce a clu­bes mé­di­os e pe­que­nos dis­pu­ta­rem o tor­neio. Além do Bra­sil, Ar­gen­ti­na, Colôm­bia e Chi­le ga­nha­ram mais uma va­ga ca­da. Os her­ma­nos pas­sam a ter seis equi­pes, en­quan­to co­lom­bi­a­nos e chi­le­nos con­ta­rão com qua­tro. Bo­lí­via, Equa­dor, Mé­xi­co, Pa­ra­guai, Pe­ru, Uru­guai e Ve­ne­zu­e­la se­guem com três ca­da. A di­vi­são po­de ser mais jus­ta, mas, le­van­do em con­si­de­ra­ção a qua­li­da­de dos tor­nei­os sul-ame­ri­ca­nos, o for­ma­to é com­pa­tí­vel. O im­por­tan­te pa­ra os bra­si­lei­ros é a opor­tu­ni­da­de de ver­mos clu­bes com me­nor or­ça­men­to, fo­ra do cha­ma­do G12 (Atlé­ti­co-MG, Cruzeiro, São Pau­lo, Corinthians, Pal­mei­ras, San­tos, Fla­men­go, Botafogo, Fluminense, Vas­co, In­ter­na­ci­o­nal e Grêmio), com chan­ces re­ais de dis­pu­tar a Li­ber­ta­do­res. Des­de 2006, por exem­plo, qu­an­do o cam­pe­o­na­to de pon­tos cor­ri­dos pas­sou a con­tar com 20 clu­bes, ape­nas dois ti­mes fo­ra des­se ei­xo con­se­gui­ram al­can­çar a Li­ber­ta­do­res: Pa­ra­ná (2006) e Atlé­ti­co-PR (2013). Ca­so es­sa no­va re­gra do G6 ti­ves­se si­do im­ple­men­ta­da des­de 2006, Avaí, Atlé­ti­co-PR (de no­vo), Figueirense, Vi­tó­ria, Goiás e Sport tam­bém te­ri­am jo­ga­do a com­pe­ti­ção.

Em mé­dia, nes­sas dez edi­ções dis­pu­ta­das com 20 clu­bes en­tre 2006 e 2015, o sex­to co­lo­ca­do do Bra­si­lei­rão con­se­guiu mar­car 58 pon­tos. Pa­ra is­so, um clu­be pre­ci­sa de um apro­vei­ta­men­to de 50%. Is­so tu­do de­pen­de do ano, é cla­ro. Em 2008, o In­ter fi­cou na sex­ta po­si­ção e mar­cou ape­nas 58 pon­tos. Em con­tra­par­ti­da, em 2014, o Fluminense pre­ci­sou de 61 pon­tos pa­ra ser o sex­to. Se­rá que Bahia e Vi­tó­ria, ca­so dis­pu­tem a Sé­rie A de 2017, não con­se­gui­ri­am de­sem­pe­nho se­me­lhan­te?

Ca­so es­sa no­va re­gra do G6 ti­ves­se si­do im­ple­men­ta­da des­de a tem­po­ra­da 2006, Avaí, Atlé­ti­co Pa­ra­na­en­se, Figueirense, Vi­tó­ria, Goiás e Sport tam­bém te­ri­am jo­ga­do a Li­ber­ta­do­res

mi­ro.palma@re­de­bahia.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.