Úl­ti­mo epi­só­dio

Correio da Bahia - - Economia -

O TCU deu on­tem a se­gun­da no­ta ver­me­lha pa­ra a ex-pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff, en­cer­ran­do o de­ba­te que con­su­miu o úl­ti­mo ano, des­de que as con­tas de 2014 fo­ram re­pro­va­das. Um por um os ar­gu­men­tos da de­fe­sa fo­ram sen­do de­mo­li­dos. O que Dil­ma fez com as con­tas, os ban­cos públicos, a me­ta fis­cal e o Or­ça­men­to não po­de ser fei­to. Es­ses acon­te­ci­men­tos vão mar­car as fu­tu­ras ad­mi­nis­tra­ções.

Fi­cou cla­ro on­tem que em 2015 fo­ram co­me­ti­dos os mes­mos de­li­tos que em 2014. Tan­to que dos R$ 74 bi­lhões pa­gos aos ban­cos fe­de­rais e FGTS, no fim do ano pas­sa­do, R$ 21 bi­lhões se re­fe­ri­am aos atra­sos de 2015 e os ou­tros R$ 53 bi­lhões eram de anos an­te­ri­o­res. So­men­te de ju­ros, o go­ver­no gas­tou R$ 4,5 bi­lhões. No se­gun­do man­da­to, a pre­si­den­te ten­tou re­du­zir a ve­lo­ci­da­de da bi­ci­cle­ta, mas ha­via pe­da­la­do tan­to nos anos an­te­ri­o­res que não foi pos­sí­vel in­ter­rom­per as más prá­ti­cas con­tá­beis.

Um dos ar­gu­men­tos usa­dos pe­la de­fe­sa de Dil­ma era que, se a me­ta era anu­al, e no fim das con­tas foi apro­va­da a mu­dan­ça pa­ra um dé­fi­cit de R$

118 bi­lhões, não hou­ve qual­quer ir­re­gu­la­ri­da­de nos de­cre­tos de ex­pan­são de gas­tos quan­do o va­lor ori­gi­nal não estava sen­do cum­pri­do. O que o mi­nis­tro Jo­sé Mú­cio Mon­tei­ro res­pon­deu é que a me­ta é sim anu­al, mas o que acon­te­ceu no fim do ano não con­va­li­dou os er­ros an­te­ri­o­res. No pe­río­do em que a pre­si­den­te apro­vou os de­cre­tos am­pli­an­do as des­pe­sas, o go­ver­no não estava cum­prin­do a me­ta fis­cal que estava em vi­gor.

Is­so pa­re­ce um de­ta­lhe tem­po­ral, mas é fun­da­men­tal que te­nha fi­ca­do con­sa­gra­do pe­la vo­ta­ção unâ­ni­me do Tri­bu­nal. O con­trá­rio se­ria a des­mo­ra­li­za­ção com­ple­ta da me­ta fis­cal. Qual­quer go­ver­nan­te po­de­ria des­cum­prir o que estava apro­va­do co­mo ob­je­ti­vo pa­ra as con­tas pú­bli­cas do ano, des­de que an­tes do fim do exer­cí­cio apro­vas­se ou­tro nú­me­ro, do ta­ma­nho do rom­bo acon­te­ci­do. O mi­nis­tro Jo­sé Mú­cio ex­pli­cou que a Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal (LRF) de­ter­mi­na o mo­ni­to­ra­men­to das con­tas com os re­la­tó­ri­os bi­mes­trais, exa­ta­men­te pa­ra que o go­ver­no ve­ri­fi­que se es­tá na ro­ta ade­qua­da.

O de­ba­te in­can­des­cen­te so­bre se o que hou­ve en­tre o Te­sou­ro e os ban­cos fe­de­rais foi ou não ope­ra­ção de cré­di­to foi en­cer­ra­do no re­la­tó­rio. Um atra­so even­tu­al de um ou dois dias nas con­tas dos ban­cos atra­vés das quais o go­ver­no exe­cu­ta su­as po­lí­ti­cas so­ci­ais não é ope­ra­ção de cré­di­to. Mas seis me­ses ou um ano de atra­so “não é um pra­zo ra­zoá­vel”, dis­se Jo­sé Mú­cio. E é sim “abu­so do poder do con­tro­la­dor” so­bre os ban­cos, exa­ta­men­te o que o “le­gis­la­dor quis evi­tar” ao es­cre­ver o ar­ti­go 36 da Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal. To­dos os ou­tros ar­gu­men­tos da ex-pre­si­den­te em sua de­fe­sa fo­ram der­ru­ba­dos. Acei­to ape­nas o uso de MP pa­ra os cré­di­tos ex­tra­or­di­ná­ri­os. O re­la­tor su­ge­riu que o Con­gres­so dis­cu­ta o as­sun­to pa­ra aper­fei­ço­ar o uso des­se ins­tru­men­to pa­ra am­pli­a­ção de gas­tos. O pro­cu­ra­dor-ge­ral do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co jun­to ao TCU, Pau­lo Bu­ga­rin, dis­se que a de­ci­são do Tri­bu­nal aju­da­rá o país a “res­ga­tar a dig­ni­da­de da lei or­ça­men­tá­ria” e ser­vi­rá pa­ra que os fu­tu­ros go­ver­nan­tes evi­tem o ca­mi­nho de trans­for­mar o Or­ça­men­to nu­ma pe­ça de fic­ção. Du­ran­te o jul­ga­men­to da pre­si­den­te Dil­ma no Se­na­do, o mi­nis­tro Ri­car­do Lewan­dows­ki não acei­tou que o pro­cu­ra­dor Jú­lio Mar­ce­lo fos­se tes­te­mu­nha da acu­sa­ção. Con­si­de­rou-o im­pe­di­do e de­cla­rou sua sus­pei­ção. O mes­mo Lewan­dows­ki achou que o ex-mi­nis­tro Nelson Bar­bo­sa não estava im­pe­di­do. On­tem foi um dia em que a ver­da­de triun­fou mais uma vez. As te­ses de­fen­di­das pe­lo pro­cu­ra­dor Jú­lio Mar­ce­lo não eram par­ti­dá­ri­as nem coi­sa de mi­li­tan­te. Fo­ram acei­tas no vo­to do re­la­tor, que re­co­men­dou a não apro­va­ção das con­tas de 2015. E o re­la­tó­rio foi apro­va­do pe­la una­ni­mi­da­de dos mi­nis­tros.

O que fal­ta ago­ra é o Con­gres­so ana­li­sar as con­tas. As de 2014 es­tão ain­da pa­ra­das sem se­rem ana­li­sa­das. O mes­mo Con­gres­so que em al­guns me­ses dis­cu­tiu, ou­viu as par­tes, ana­li­sou e vo­tou o pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment ba­se­a­do na acu­sa­ção de que Dil­ma co­me­teu cri­me con­tra as leis fis­cal e or­ça­men­tá­ria do país não en­con­trou tem­po pa­ra ana­li­sar es­sas mes­mas con­tas. O que o TCU fez nes­te úl­ti­mo ano, re­co­men­dan­do a re­jei­ção em dois anos se­gui­dos, de­ve ser­vir de ba­li­za­men­to pa­ra o fu­tu­ro, e de­ve ori­en­tar os fu­tu­ros go­ver­nos do país. A Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal veio pa­ra fi­car.

mi­ri­am­lei­tao@oglo­bo.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.