Cin­co mi­nis­tros votaram con­tra de­ci­são

Correio da Bahia - - Mais -

Os cin­co mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral que votaram con­tra a pri­são de con­de­na­dos em se­gun­da ins­tân­cia de­fen­dem que a de­ci­são fe­re o prin­cí­pio da pre­sun­ção de ino­cên­cia, pe­lo qual to­do ci­da­dão é ino­cen­te até que a cul­pa se­ja com­pro­va­da.

Em se­tem­bro, quan­do co­me­çou o jul­ga­men­to, o re­la­tor do ca­so, mi­nis­tro Mar­co Au­ré­lio Mel­lo, vo­tou con­tra a pri­são de­pois de con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia. Na oca­sião, ele de­fen­deu a li­ber­ta­ção de to­dos os pre­sos que ain­da ti­nham re­cur­sos pen­den­tes em tri­bu­nais su­pe­ri­o­res. “A li­te­ra­li­da­de do pre­cei­to não dei­xa mar­gens pa­ra dú­vi­das: a cul­pa é pres­su­pos­to da re­pri­men­da e a cons­ta­ta­ção ocor­re ape­nas com a pre­clu­são mai­or”, afir­mou.

Ao vo­tar con­tra a pri­são após a se­gun­da ins­tân­cia, a mi­nis­tra Ro­sa We­ber dis­se ter fei­to uma in­ter­pre­ta­ção se­mân­ti­ca e gra­ma­ti­cal da Cons­ti­tui­ção. “Se a Cons­ti­tui­ção, no seu tex­to, com cla­re­za, vin­cu­la o prin­cí­pio da pre­sun­ção de ino­cên­cia ou não cul­pa­bi­li­da­de a uma con­de­na­ção tran­si­ta­da em jul­ga­do, não ve­jo co­mo pos­sa che­gar a uma in­ter­pre­ta­ção di­ver­sa, ain­da que co­mun­gue com a imen­sa das pre­mis­sas que em­ba­sa­ram os vo­tos da di­ver­gên­cia”, afir­mou. O ra­ci­o­cí­nio foi se­gui­do por Dias Tof­fo­li, Ri­car­do Lewan­dows­ki e Cel­so de Mel­lo.

Em de­ci­são aper­ta­da, seis mi­nis­tros votaram por pri­são em se­gun­da ins­tân­cia e cin­co fo­ram con­tra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.