Du­as qua­dri­lhas do­mi­nam áre­as co­bi­ça­das há mais de dez anos

Correio da Bahia - - Mais -

Em ape­nas dois dias, uma pes­soa mor­reu e ou­tras três fi­ca­ram fe­ri­das na re­gião, com apa­ren­te re­la­ção com a dis­pu­ta. Além dis­so, mo­ra­do­res das du­as co­mu­ni­da­des re­la­ta­ram ao COR­REIO que as la­jes de al­gu­mas ca­sas, que fi­cam em pon­tos es­tra­té­gi­cos, es­tão sen­do ocu­pa­das pe­los tra­fi­can­tes.

“Atu­al­men­te, as du­as re­giões são dis­pu­ta­das pe­los Flo­quet, Ave­ral­di­nho e o BDM. Nós es­ta­mos in­ves­ti­gan­do uma das si­tu­a­ções e tu­do in­di­ca es­tá li­ga­do à bri­ga pe­lo con­tro­le das bo­cas de fu­mo”, ex­pli­cou o de­le­ga­do Antô­nio Fer­nan­do Car­mo, da 7ª De­le­ga­cia (Rio Ver­me­lho).

Em no­ta, a PM in­for­mou que “a 41ª CIPM (Garcia/Fe­de­ra­ção) in­ten­si­fi­cou o po­li­ci­a­men­to no lo­cal com a re­a­li­za­ção de ron­das e in­cur­sões, além do apoio da CIPT/Ron­desp e do efe­ti­vo da Ba­se Co­mu­ni­tá­ria de Se­gu­ran­ça (BCS)”. Ho­mens da 11ª CIPM (Bar­ra/On­di­na) e do Pe­lo­tão de Em­pre­go Tá­ti­co Ope­ra­ci­o­nal (Pe­to) tam­bém dão apoio.

MO­RA­DO­RES TENSOS Se­gun­do mo­ra­do­res, os ban­di­dos pas­sa­ram a ocu­par a la­je de al­gu­mas ca­sas da re­gião que es­tão em mor­ros pa­ra fa­zer de pon­tos de ob­ser­va­ção há du­as se­ma­nas. Ao COR­REIO, uma pes­soa re­la­tou co­mo foi a abor­da­gem dos tra­fi­can­tes lo­cais em seu ca­so: “Eles dis­se­ram: ‘se vo­cês não me de­rem a la­je, vo­cês sa­em de ca­sa’”.

Uma co­mer­ci­an­te con­tou que ape­sar do cli­ma pa­re­cer tran­qui­lo, du­ran­te o dia, a si­tu­a­ção é ten­sa. “Nin­guém es­tá se sen­tin­do se­gu­ro. A gen­te evi­ta sair e só se fa­la nis­so. A bri­ga é en­tre eles, mas quem so­fre é a po­pu­la­ção. Eu pre­ci­so sair e fi­co ex­pos­ta ao ris­co. Te­nho que tra­ba­lhar”, co­men­tou ela.

“Ho­je o cli­ma es­tá mais ame­no, mas on­tem (ter­ça-fei­ra) uma par­te do co­mér­cio fe­chou mais ce­do e as es­co­las tam­bém li­be­ra­ram os alu­nos an­tes. O cli­ma es­tá ten­so des­de do­min­go”, con­tou um PM. Uma fun­ci­o­ná­ria da Es­co­la Nos­sa Se­nho­ra de Fá­ti­ma, no Al­to das Pom­bas, con­fir­mou que o cli­ma já era es­tra­nho des­de a sex­ta-fei­ra, e que os alu­nos aca­ba­ram sen­do li­be­ra­dos mais ce­do.

Ou­tra mo­ra­do­ra co­men­tou, sem se iden­ti­fi­car, que na ma­dru­ga­da de sex­ta pa­ra sá­ba­do, por vol­ta das 2h, hou­ve ti­ros pró­xi­mo ao fi­nal de li­nha, na Rua Tei­xei­ra Men­des. “Só saí de ca­sa por­que pre­ci­sei com­prar um re­mé­dio. A pra­ci­nha do fi­nal de li­nha (do Al­to das Pom­bas) cos­tu­ma ter mo­vi­men­to e ul­ti­ma­men­te es­tá va­zia. Do­min­go, quan­do ta­va sain­do de ca­sa, en­con­trei uma cáp­su­la de ba­la”, dis­se ou­tra mo­ra­do­ra. Um por­tei­ro de um pré­dio da Fe­de­ra­ção, te­men­do o con­fli­to, con­tou que, na ter­ça, tro­cou o tur­no pa­ra não tra­ba­lhar à noi­te.

BA­LE­A­DOS

Íca­ro Pereira Cos­ta San­tos, 18 anos, e Al­ci­je­ne Cás­sia Ri­bei­ro dos San­tos Oli­vei­ra, 35, fo­ram ba­le­a­dos na Rua Tei­xei­ra Men­des, on­de mo­ram, no do­min­go. No mes­mo dia, no Al­to das Pom­bas, Ja­gua­ra­ci dos San­tos, 29, con­tou à po­lí­cia que estava em um pos­to de com­bus­tí­vel, com ami­gos, quan­do ho­mens pas­sa­ram ati­ran­do a es­mo e o atin­gi­ram. Os três fo­ram so­cor­ri­dos ao Hos­pi­tal Ge­ral do Es­ta­do e ape­nas Íca­ro con­ti­nua in­ter­na­do. Não há in­for­ma­ções so­bre seu es­ta­do de saú­de.

Já na se­gun­da-fei­ra, o mar­ce­nei­ro Luís Ro­ber­to As­sis da Cruz, 22, foi mor­to pró­xi­mo ao Ce­mi­té­rio Cam­po San­to, na en­tra­da do Al­to das Pom­bas. O ca­so é in­ves­ti­ga­do pe­lo De­par­ta­men­to de Ho­mi­cí­di­os e Pro­te­ção à Pes­soa (DHPP). Se­gun­do a as­ses­so­ria do ór­gão, fa­mi­li­a­res de Luís Ro­ber­to dis­se­ram aos in­ves­ti­ga­do­res que ele era usuá­rio de dro­gas e que ti­nha en­vol­vi­men­to em rou­bo de car­ros, ape­sar de nun­ca ter si­do pre­so. A po­lí­cia diz que ain­da não há in­di­ca­ti­vo de au­to­ria e mo­ti­va­ção pa­ra o cri­me.

A fac­ção BDM é ti­da pe­la po­lí­cia co­mo a mais vi­o­len­ta atu­al­men­te e tem se es­pa­lha­do pe­lo es­ta­do. “Eles es­tão bem mais ar­ma­dos que as ou­tras fac­ções. Es­tão de fu­zis AR-47 e me­tra­lha­do­ras Uzi, por exem­plo. Já os ri­vais, es­tão mu­ni­dos de pis­to­las ou com ar­mas adap­ta­das com um poder de des­trui­ção in­fe­ri­or. Mas há al­guns que, mes­mo as­sim, re­sis­tem, co­mo os dois gru­pos que ain­da que­rem per­ma­ne­cer no Ca­la­bar e no Al­to das Pom­bas”, de­cla­rou um agen­te da 7ª De­le­ga­cia. É an­ti­ga a dis­pu­ta en­tre a fa­mí­lia Flo­quet, fa­mo­sa no no­ti­ciá­rio po­li­ci­al por con­ta da atu­a­ção na ven­da de dro­gas na re­gião cen­tral de Salvador, e o gru­po do tra­fi­can­te Ave­ral­do Fer­rei­ra da Sil­va Fi­lho, o Ave­ral­di­nho, na con­cor­rên­cia pe­lo do­mí­nio do trá­fi­co de dro­gas nas co­mu­ni­da­des do Al­to das Pom­bas e Ca­la­bar. Se­gun­do a po­lí­cia, o do­mí­nio já du­ra mais de dez anos.

Pre­sa em 2007, Si­mo­ne Flo­quet, uma das lí­de­res do clã, foi con­de­na­da a três anos e seis me­ses de pri­são pe­la 1ª Va­ra Cri­me de Tó­xi­cos. O fi­lho de­la, Edeil­son da Sil­va Mi­ran­da, o Co­co, te­ve pe­di­do de pri­são de­cre­ta­do em de­zem­bro de 2010, acu­sa­do de ma­tar um ta­xis­ta.

Em mar­ço do mes­mo ano, Ave­ral­di­nho foi pre­so na Mi­ca­re­ta de Fei­ra de San­ta­na, en­quan­to cur­tia o show da ban­da Chi­cle­te com Ba­na­na. Du­ran­te uma abor­da­gem, po­li­ci­ais cons­ta­ta­ram que ele já ti­nha pas­sa­gem por trá­fi­co de dro­gas. Em fe­ve­rei­ro des­te ano, cum­prin­do pe­na em li­ber­da­de con­di­ci­o­nal, o tra­fi­can­te foi fla­gra­do em ci­ma de um trio elé­tri­co no cir­cui­to Bar­ra-On­di­na. O re­gi­me proí­be a par­ti­ci­pa­ção em fes­tas pú­bli­cas co­mo o Car­na­val. Ele foi re­co­nhe­ci­do pe­la po­lí­cia atra­vés das ta­tu­a­gens. A Secretaria Es­ta­du­al da Ad­mi­nis­tra­ção Pe­ni­ten­ciá­ria

(Se­ap) não con­fir­mou se Ave­ral­di­nho con­ti­nua pre­so e dis­se que só di­vul­ga­ria in­for­ma­ções so­bre o ca­so ho­je.

Na épo­ca da sua pri­são em 2010, o de­le­ga­do Cle­an­dro Pi­men­ta, do De­par­ta­men­to de Nar­có­ti­cos (De­narc), dis­se que Ave­ral­di­nho cos­tu­ma­va con­se­guir o con­tro­le do trá­fi­co atra­vés da vi­o­lên­cia e que ri­va­li­za­va com ou­tro tra­fi­can­te, Le­an­dro Flo­quet, o Léo, mor­to em maio de 2010 nu­ma ope­ra­ção po­li­ci­al na Bo­ca do Rio.

O ano de 2010 mar­cou a per­da de for­ça dos ban­dos, quan­do tam­bém foi pre­sa a mãe de Léo, Sel­ma Flo­quet, du­ran­te uma ope­ra­ção da Po­lí­cia Ci­vil, que in­ves­ti­ga­va seu en­vol­vi­men­to com o trá­fi­co. A re­du­ção do po­de­rio tam­bém coin­ci­de com a cri­a­ção da Ba­se Co­mu­ni­tá­ria de Se­gu­ran­ça (BCS), no Ca­la­bar, em 2011, mas, con­for­me a po­lí­cia, o trá­fi­co na re­gião con­ti­nu­ou nas mãos dos mes­mos gru­pos.

Ave­ral­di­nho ain­da atua, diz po­lí­cia

Le­an­dro Flo­quet, mor­to em 2010

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.